Estações

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                

 

                                      Laerte Antonio

 

“Um livro por acinte feito

com sonetos.

Não são textos soltos, há um fio escarlate

que os cose e lhes tatua

nas entrelinhas

o verso-tema:

O tempo é a consciência em estações.”                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 

                                                                     A. L.                       

 

                                                                          

                                    

Caso queira localizar um soneto mais rapidamente, vá em editar e localizar. Coloque o S/----(número).

 

 

 

Para Achar-Me No Tempo ...

 

Para achar-me no tempo uso o escrever

de que me vou tirando junto a vários

para desaprender-me e reaprender

por multidões de dias solitários.

 

Firo palavras como a estradivários —

me sustento nos sons de escreviver

meus dias que me são extraordinários

porque são meus em seu me acontecer.

 

Para achar-me no tempo é que me escava

este escrever palavra por palavra

a ajuntar notas de uma sinfonia.

 

Para achar-me no tempo é que escrever

descreve uma parábola-alegria

em que me sigo e corro atrás de ser.

LA 05/007       S/1           

 

 

A Outra Margem Era...

 

A outra margem era bem mais bela

quando por lá morava minha Rosa,

mas foi ela cruzar a passarela

e a do lado de cá é a mais charmosa.

 

E engraçado... nem sei se ainda aquela

margem existe, verde e marulhosa,

aquela margem e a magia dela —

enquanto lá morava minha Rosa.

 

Nem sei se ainda existe as tintas-sonho

com que pintei meu coração de Rosa

e com Rosa vivi um sonho inconho.

 

Pra falar a verdade, nem já sei

se existiu mesmo um rio e fiz a glosa

em que eu amei Rosinha como um rei.

LA 05/007       S/2

 

 

Era Chique, Era Bom...

 

Era chique, era bom sentir o frio

de outono-inverno em nossa carne moça.

Era assim como um rio, um grande rio

marulhando por nós em dom e força.

 

Nariz e pernas frias... doce cio

a coruscar nas vísceras... a nossa

pele arrepiada ao ressoprar macio

da noite toda olhos... noite moça...

 

Era chique, era bom, era divino:

eras minha menina, e eu teu menino —

a vida um sonho bem da cor da lava...

 

De sorte, nega, que eu já te esperava:

meu coração sentia quando vinhas —

tuas saudades a transar com as minhas.

LA 05/007       S/3

 

 

Cuidado, Nega, Estou...

 

Cuidado, nega, estou de pincenê...

Se te molhas com água de outras chuvas,

tiro o uniforme, já descalço as luvas

e não trabalho mais no teu chalé.

 

Gosto da tua estrada e suas curvas,

dos teus arfados e tremelelê...

Mas daí a sofrer o teu chiquê,

prefiro abandonar a vinha e as uvas.

 

Fingir de morto é um jeito de estar vivo...

Cobras sabem deixar as suas peles...

O ser humano adora o exclusivo.

 

O bom toureiro, nega, nunca escapa

dos chifres ( até sei ), mas gostar deles,

já é não ter amor por sua capa.

LA 05/007       S/4

 

 

A Tarde A Cochilar...

 

A tarde a cochilar num jeito outono...

Nenhum só pio de ave, um só voejo.

O amarelo das folhas pelo entorno

dá ao vento um sonâmbulo bocejo.

 

A brisa é fria com um tom de sono —

um quê de afrodisíaco gracejo...

Em tudo um dom gostoso de abandono,

um desejo discreto, amor sem pejo...

 

Uma saudade ( em alma ) de ninguém...

Uma lembrança boa sem imagem...

Um ver a Deus em sensações de viagem...

 

Não sei que recordar de mim além...

A vida é um porto-sonho que se parte

entre chegar-partir... E o mais, lembrar-te.

LA 05/007       S/5

 

 

Sem Olhar Para Trás...

 

Sem olhar para trás nem desviar,

as estações nos levam pela mão

e, como crianças, vamos a palrar

entre jamais voltar e a solidão...

 

Sim: bandos de estações a nos levar

pra longe, além de nós... com a sensação

de estarmos sempre aqui ( paginação

de outros sonhos lá em nós a desfilar...)

 

E viajamos tanto em seus comboios,

que só nos restam vultos-sons de arroios...

até que a vida os passe a encarnar

 

e vê-los recaindo ( novamente! )

na mão das estações que, de repente,

nos façam ( esquecidos ) re-sonhar.

LA 05/007       S/6

 

 

Quero Comer Capim...

 

Quero comer capim, ditosas vacas,

junto convosco quero ruminar

tudo o que o mundo pensa igual matracas

que davam o compasso de marchar...

 

Alfafas quero, tortas e outras lacas

convosco, doces vacas, saborear,

bem como com cidreiras e alfavacas

quero nosso repasto perfumar.

 

E assim tornar-me verde em alma e corpo,

não de esperança, mas de clorofila,

livre com o vento a navegar no topo...

 

Delícia verde, doces vacas, e tranqüila

como ( não por acaso ) os olhos de Esmeralda —

bela e gostosa como figo em calda.

LA 05/007       S/7

 

 

Constelações Maduras...

 

Constelações maduras, leite e mel

jorram de suas tetas explosivas...

Farei doces de suas agressivas

cópulas cósmicas no infindo céu...

 

Doces virtuais que mando a granel

a outras formas, sim: alternativas

formas que abrigam consciências vivas

por esse cosmos em distância-véu...

 

Doces furados pelos bons meninos —

os dedos invisíveis dos neutrinos

que perpassam sistemas e galáxias...

 

Em troca, amigos, quero coisa alguma,

sim, que não seja nebulosa e bruma...

Mando-lhes flores de mentais acácias.

LA 05/008       S/8

 

 

Azul Em Pó...

 

Ninguém me dá um céu mais lindo: é maio.

Claro, lirial como lembrar você.

Sim, tudo em volta é um doido de um chiquê:

luzes, cores, azuis... ( seu rosto gaio...)

 

O vento ergue de leve o verde saio

da acácia, e chispa como o Pererê...

Há uma alegria hialina neste maio

lembrando uma ternura... que é você.

 

Maitacas deixam o seu rastro verde...

gárrulas, gárrulas, gagas e gaias...

pintam de verde o azul que não se mede...

 

Chuva de azul em tudo o que se vê...

Azul em pó... azuis alfaias: maio,

que é belo, é lindo por lembrar você.

LA 05/007       S/9

 

 

Teus Califúndios...

 

Teus califúndios, minha nega, são

a paisagem mais monroe que já vi.

Vendo-os ondeando tenho a sensação

de nunca ter surfado por aí.

 

Claro, nega: cada surfada é ação

única, como o passo do Saci.

Sim, tem-se a sensação de... ( comichão? )

ter engolido vivo um lambari.

 

A impressão, nega, é da primeira vez,

as outras são surpresas a ocorrer...

todas suando saudades de viés.

 

Teus califúndios, nega, e frontispícios

têm nos seus fins os seus próprios inícios...

e fazem quaisquer dedos florescer.

LA 05/007       S/10

 

 

Neca De Nunquetuvas

 

E chamego ( que é bom e a gente adora ) —

neca de nunquetuvas, minha nega?!

Fazes charminho, mas no agá da hora

tiras do ponto o dom que eis... escorrega...

 

E a gente fica assim como quem ora

de trás pra frente... ou feito cobra cega...

com uma vontade de comer amora,

mas a amoreira só a folha achega...

 

Mas fazes bem, assim tu te preservas...

Claro, é preciso haver certas reservas —

procurar pelo dom que nos conceda...

 

Já que amoras não posso degustar,

como as folhas... e, qual bicho-da-seda,

te teço coisas de fazer sonhar.

LA 05/007       S/11

 

 

As Distâncias Paradas...

 

As distâncias paradas... Nenhum vento

a lhes dar vida ao verde ciliar.

Homens a ruminar o seu tormento

seguem atrás do próprio caminhar...

 

Olhos dos montes tão azuis, que intento

em suas pálpebras querem mostrar

que o seu longe é um belo sonhamento

e seu perto um engano a machucar?...

 

Língua preta do asfalto, tobogã

de sonhos e cansaços a ir e vir

engolindo o hoje a boca do amanhã...

 

Longes comendo longes numa gula

de banquete romano que a ingerir

e vomitar se atém e auto-regula.

LA 05/007       S/12

 

 

A Velha Casa...

 

A velha casa, um pouco só mudada.

A mesma cumeeira, paciente,

que viu passar aquela toda gente —

a vida assiduamente transformada...

 

Moças cheirando a banho docemente...

A vária fala sempre compassada

por saltos a pisar a longa escada...

A lágrima, o pranto de repente...

 

Fantasmas a brincarem de saudade

cruzam o tempo em alma-coração —

conversam entre aqui e a eternidade.

 

E as doces palras, falas familiares

ainda estão aí, estão nos ares

recendendo a café e crocante pão.

LA 05/007       S/13

 

 

Sim: Me Sigo, Persigo-Me...

 

Sim: me sigo, persigo-me na frente

de mim... de modo tal, que ao me alcançar,

estarei duas vezes certamente

mais adiante do meu próprio sonhar.

 

E assim a suplantar-me assiduamente

a alcançar-me por trás, posso chegar

ao porto em que partir, seguramente,

é um partir-chegar sem ter lugar...

 

Há quanto tempo estou nessa viagem

dentro de viagens, entre a minha margem

e outras, nem vem ao caso já saber...

 

Pois tudo quanto importa compreender

é que o sonho de um porto, quando volta,

encontra-o morto pela mesma porta.

LA 05/007       S/14

 

 

Falarei De Maitacas...

 

Falarei com maitacas, papagaios

de coisas verdes qual seu rastro no ar...

E aprenderei com os palradores gaios

que palrar muito é bom pra baralhar...

 

Com ladrões, com nepotes e seus aios

aprenderei que o verbo envergonhar

só serve para alguns de seus lacaios,

o mais é conivência a milpilhar.

 

Veracidade e honestidade são

para esses bípedes, donos do mundo,

apenas um deboche-gozação.

 

Vão por aí? Pois bem, vou por aqui.

Tem muito mais sentido, nexo e fundo

ouvir o vento e a voz do bem-te-vi.

LA 05/007       S/15

 

 

Esquente Não...

 

Esquente não, meu velho. Faça a sua

parte na vida, e o resto já está feito.

não é porque alguém chegou à Lua

que chegar lá também lhe está sujeito.

 

Esquente não. Acene pro prefeito,

pro gari e pra puta que pariu

esse global sistema tão perfeito

( em seu mal ), que o pariu e ninguém viu.

 

Trate o santo e o safado de igual sorte —

nenhum deles o faça seu refém:

ambos são lâmina de duplo corte.

 

Esquente não. Apenas coce os mimos

e tenha a vida e o mundo como primos

que lá no fundo sempre se dão bem.

LA 05/007       S/16

 

 

Um Dia Amada, A Vez...

 

Um dia, amada, a vez será do verme,

já que o danado espia, entre o prazer

e a dor, nossa existência sob a derme

da luz e com a vida a conceder...

 

Um dia, minha amiga, em vez de ver-me,

verás a folha, a brisa, o sol a arder...

minha lembrança a te soprar o germe

de um sonho e ver-te os lábios florescer...

 

Quando vier tal dia, minha amada,

dobra o pique, prossegue na jornada

assoviando uma canção qualquer...

 

E vê se levas logo pro teu quarto

outros pés que com os teus se tornem quatro

e te tratem qual anjo e qual mulher.

LA 05/007       S/17

 

 

Que Fazer Com O Silêncio...

 

Que fazer com o silêncio nauseabundo,

com a quietude de castos cemitérios?

De que serve a riqueza deste mundo,

se serve só ao rico e aos seus critérios?

 

Se bem que bem lá dentro, bem no fundo

são nepóticos esses despautérios,

as pulsões de ser rico têm profundo

liame com poderes deletérios...

 

O papa partiu ontem, Deus o guarde.

Agradou muito mais do que ao contrário —

benzeu, aconselhou, fez santo. Nunca é tarde.

 

Todo pecado tem o seu salário.

Que o medo jamais possa proscrever

nossa justa alegria de viver.

LA 05/007       S/18       

 

                 

Olá!

 

Olá bocas famintas sempre enormes.

Bundas moldadas, seios grandiformes.

 

Olá gostosas, belas raparigas,

se algo vos perigar, usai lorigas.

 

Laranjas maus de castas catanduvas,

pau comeis vós, vossos patrões, as uvas.

 

Ó terra amanhecida de esperança,

segurai! — não tem pratos a balança.

 

Olá balas perdidas, quantas vidas

matais por duas peras já podridas?

 

Olá dança da pizza, que requebros

novos inventarão vossos brinquedos?

 

Ó amigos do toma-lá-dá-cá...

Cuecas, calcinhas, dólares, olá!

LA 05/007       S/19

 

 

Aqui Nessas Varandas...

 

Aqui nessas varandas escrevi

sobre as areias de um viver singelo,

ao lado do Espraiado tão magrelo,

fino como o cantar do bem-te-vi.

 

Aqui nessas varandas eu vivi

horas calmas de um sonho sempre em elo

com o bom, com o nexo, com o belo

de um projeto de vida que escolhi.

 

As palavras nos vão assimilando,

de sorte a nos tornar, sem onde ou quando,

entidades simbólico-verbais.

 

Só nos resta assumir a reciclagem

e incorporá-la na interior bagagem —

salto de ser a ser-se em seu ser mais.

LA 05/007       S/20

 

 

Saber Que Temos...

 

Saber que temos é essencial conforto,

sim: ter quem nos invista o seu afeto —

o nosso coração acha o seu horto,

a nossa alma encontra, enfim, seu teto.

 

A mão que nos afaga é o melhor porto

de onde partimos feito um arquiteto

sempre em busca de estilo e reconforto

que ele acha em seu criar, sempre incompleto...

 

Os braços índicos que nos esperam

têm a alma e a força que nos retemperam,

pois que essa sinergia gera o dom

 

que faz parir os sonhos que engendramos,

e tudo isso é muito, muito bom —

termos ao lado alguém a quem amamos.

LA 05/007       S/21

 

 

Este Soneto É Para...

 

Este soneto é para uma finada,

não minha amiga, menos minha amada,

mas alguém que era mais que amiga e amante —

alguém que foi a sombra mais brilhante

 

que já vi entre o escuro e a madrugada,

pomba da noite em ruflo pra alvorada —

um remígio, metáfora rasante,

trisso no lago, trisso andorinhante...

 

Este soneto é para a renascida

que acordou desta vida para a vida

que é mais um sonho, sensação hialina...

 

Este soneto é para a tal menina

lá da ponta do largo: foi pro céu

numa manhã que nunca amanheceu.

LA 05/007       S/22

 

 

Corvo Por Tobogãs...

 

Corvo por tobogãs de azul, que inveja

ver-te deitar-rolar puxando o manto

azul nas costas... trêmulo acalanto...

negro filho de Poe no céu drapeja...

 

Pareces um guerreiro em vã peleja...

ou mais um vagabundo fiando o encanto

de pretender trançar, urdir o pranto

de Lenora... a que a vida não enseja...

 

Tu que no chão és mísero e feioso

lá no céu és um príncipe glorioso —

um paradoxo de asco e encantamento.

 

Tu que na mente humana és nojo e agouro,

no céu és rei por entre o azul e o ouro —

sereno brigadeiro em sonhamento.

LA 05/007       S/23

 

 

Esse Caos Mineral...

 

Esse caos mineral não se conhece,

logo, também não pode conhecer-me.

O mesmo com o animal, a planta e o verme —

conhecer-se é degrau do ser, do é-se.

 

Só aquele que se conhece vê-se,

caso contrário, como posso ver-me,

se não disponho do mais fino creme

que só degusta o ser que se conhece?

 

Do mineral até o hominal —

em tudo um caminhar para a consciência,

um trabalho nas mãos do temporal.

 

Do mar para a campina e para o monte —

só depois o recriar da própria essência...

Sim: todo ser é de si mesmo a ponte.

LA 05/007       S/24

 

 

Dormirias Comigo...

 

Dormirias comigo, bela rola,

acaso moça fosses, e bonita?

Já que moça não és, então arrula

tua dor cor de amora, e infinita.

 

E tu, Beatriz, por uma carambola,

dois pequis, me darias o prazer?

Se não abres por pouco a portinhola,

procura quem te possa mais fazer.

 

E tu, proustiana e bela rapariga,

oásis de beleza e graça em flor,

por amor me darias teu amor?

 

— Deita, meu amo, sobre a tua amiga!

O tal francês matei devagarinho...

a ti mato também, mas de carinho.

LA 05/007       S/25

 

 

É De Corvo E De Lontra...

 

É de corvo e de lontra a minha capa,

se bem que a chuva já parou. Na areia

imprimo o meu andar descalço... Feia

é a noite dentro dos meus olhos. Mapa

 

e bússola só os trago em mim... Me escapa

das mãos o meu bordão de cerejeira,

que parodiava a luz... que eis já clareia

com sua cabeleira sobre a lapa...

 

Restos rotos de sonhos nos meus olhos

vão cantando a correr pelos abrolhos

uma canção de marinheiros mortos...

 

Tenho visões de alma de princesas

que trocariam suas realezas

pelos olhos dos moços de outros portos.

LA 05/007       S/26

 

 

Coisas Novas E Velhas...

 

Coisas novas e velhas vai tirando

lá de si mesmo aquele que reconta

o ontem, o hoje e o amanhã: lá bem na ponta

de um retrós que se vai desnovelando...

 

Novas e velhas, todas superando

a si mesmas e ao tempo que as pesponta

nos dias, sim: na luz que se defronta

com as sombras... e estas fogem ao seu mando...

 

Coisas novas e velhas, nossa essência

em seus saltos mortais de ser a ser-se...

lá entre não saber e a consciência...

 

Novas e velhas, reciclando o novo

em renovo e galando o novo ovo

a ganhar asa e vôo — e transcender-se.

LA 05/007       S/27

 

 

Outono Já Boceja...

 

Outono já boceja em cada folha.

Uma brisa mulata pela tarde

mostra o verde a tremer para quem olha

entre o roxear da luz que já não arde...

 

Do leste vem a lua a olhar caolha

sobre arbustos e casas com um ar de

quem se balança dentro de uma bolha —

berceuse pelo céu que... eis já encarde...

 

Um vento frio sopra afrodisíaco

em eu pensar em ti, minha safada,

com esse jeito e olhar tão sem-vergonha...

 

O vento lembra os tons do mestre austríaco

a musicar o arfar... ( lembras, amada? )

o arfar de amor e crer no bem que sonha.

LA 05/007       S/28

 

 

Vem-me À Saudade...

 

Vem-me à saudade a maciez crural

de nos trançarmos pelo outono frio —

lá fora as pombas em roxeado pio,

no quarto esse concerto digital...

 

A vida, assim, é um bem com menos mal,

um espinho já feito mais macio,

um brejo que com a chuva se faz rio...

um cortejo de sombras matinal.

 

Não sei o que dói mais: se recordar

ou querer o replay do recordado

pelo lado do avesso do lembrar...

 

O mais são ofegantes sentimentos

( sim, nós sempre em crurais entendimentos... )

no tempo congelado dos amantes.

LA 005/007       S/29

 

 

Ama A Loucura, Filha...

 

Ama a loucura, filha, pois sem ela

vais te entediar com a sonsa realidade —

sim, só aquela tem a passarela

capaz de te livrar da hilaridade:

 

te ensinar a coçar-se sem seqüela

e te livrar da cínica verdade

que o mundo te apregoa como bela,

mas de bela só tem a puberdade.

 

Ama a loucura, filha, a sanidade

só faz fritar bolinhos de trivela

e ver com um pé atrás a liberdade...

 

Sim, a loucura arma e pinta a tela,

mas só mais tarde a compra a sociedade —

que a exibe e se regala de detê-la.

LA 05/007       S/30

 

 

O Amor, Amada, Sempre...

 

O amor, amada, sempre por um fio,

precário fio no seu fio dental.

Mas não desanimemos, que esse mal

é tão bom que até dá um arrepio,

 

um arrepio a nos descer macio

goela abaixo até o fim final...

E o mais, amada, é um feeling digital

formando afluentes de gostoso rio...

 

Tão bom que nem precisa ser real,

por isso pode andar com esse frio

que é muito mais moral que corporal.

 

Por esse frio sempre por um fio,

um fio fino como um assovio...

Um fio, amada, só um fio dental.

LA 05/007       S/31

 

 

No Inverno Teu Nariz...

 

No inverno teu nariz ficava frio,

frias as pernas, lisas como peixe...

e nossas sensações, num mesmo feixe,

em arrulhos de pássaros no cio.

 

Quais águas múrmuras de um mesmo rio

nasalando canções tal quem se queixe...

entre a relva ciliar em mexe-mexe —

arfamos, minha nega, em bom navio...

 

Um cheiro bom de uva e carambolas

por todo o quarto... e o som de castanholas

lembrando um corpo erótico e andaluz...

 

E quando o galo canta lá no longe

a gente apressa a última... qual monge

que tem de retornar antes da luz.

LA 05/007       S/32

 

 

Quando As Águas Cobrirem...

 

Quando as águas cobrirem a campina

iremos pelas trilhas da montanha...

e não veremos nisso sorte ou sina

nem castigo de força alguma estranha.

 

A campina estará muito mofina,

a montanha não menos, e tamanha,

que dela passaremos pra colina

sobre o rugir da água e sua sanha...

 

E ali esperaremos, minha amada,

baixar as águas, mas sem pressa alguma...

e de nós desceremos ( entre a bruma )...

 

E já teremos asas pra voar —

iremos para o norte em nós: a estrada

que liga o ser ao seu sonho-chegar.

LA 05/007       S/33

 

 

Aqui, Neste Cantinho...

 

Aqui, neste cantinho, hoje memória,

em meio a esse silêncio sempre em flor,

dois corações gorjearam sua história,

arrulharam seus cânticos de amor.

 

Creram no amor, em seu enlevo e glória —

fizeram de agres frutas seu licor,

ao preto e branco deram nexo e cor:

mais bela a vida quanto mais inglória...

 

Entre o ouro, o azul e as tardes cor de amora,

viveram amplamente como a aurora —

deram sentido e rumo aos seus momentos.

 

Viveram uma vida exuberante,

de  sorte que hoje há um rir ( sem dor ) perante

as varandas sozinhas... folhas... ventos...

LA 05/007       S/34

 

 

Tosses, Rosadas, Tiros...

 

Tosses, risadas, tiros pelo escuro...

e pela noite estrados em orgasmo.

O amor constrói na cama e sobre o muro

com o mesmo chilique: gago e pasmo.

 

Velhas primas defuntas, seu fantasma

gosta de amar as almas de marujo...

Uma delas, que sofre muito de asma,

mia, muge debaixo do de cujo.

 

A mãe de Catarina só a viu

quando ela tinha dezessete anos,

mas em vez de assumi-la ela sumiu.

 

Depois de trinta anos, mil enganos,

a mãe da moça traz-lhe o seu chulé...

No mesmo dia a moça dá no pé.

LA 05/007       S/35

 

 

Nunca O Soneto Só...

 

Nunca o soneto só pelo soneto,

mas o soneto pelo aprazimento,

pela delícia de se ousar o intento

e vê-lo transformado em dom completo.

 

O dom que mostre um cimo, um topo, um teto —

o vencer os limites do momento,

o ir-voltar de bom discernimento —

o abrir a mão pelo aparar repleto.

 

Sempre o soneto : um som passeando dentro

de ouvi-lo lá por alma-coração

a ter o lúdico por tema ou centro.

 

Sempre a alegria de um zumbir a fiar

uma canção em alma, uma canção

que traz em si um som que quer contar.

LA 05/007       S/36

 

 

        Disse ao meu coração...

 

Disse ao meu coração que fosse forte,

deixasse de melindres e angustura.

Descobrisse lá em si o ponto norte —

o que une o Criador com a Criatura.

 

Disse-lhe para se prover, de sorte

que pelo recordar, em reaventura,

fosse construindo a via e seu aporte

para deixar o hábito e a clausura...

 

Disse-lhe que aprendesse a vindimar

as uvas da palavra em sua vinha

e com elas pudesse fabricar

 

aquele vinho bom que nos convinha

para sonhar-lembrar, sonhar-lembrar

o caminho de Casa que ele tinha.

LA 05/007       S/37

 

 

Cansado De Heroísmos...

 

Cansado de heroísmos e outras nóias,

disse ao meu coração que sossegasse —

que o burro come feno, o humano alface

e que as belas helenas geram tróias.

 

Não se dão bem os áulicos e os goyas,

mas se exploram e vivem face a face —

a sociedade é logro com repasse

e tudo em torno um palco e suas sóias.

 

Disse ao meu coração que se coçasse,

mas tivesse cuidado com as pinóias,

senão podia ser que se sangrasse.

 

Respondeu-me sem troças nem heroísmos

que o bom da vida são os seus truísmos —

original, só o bafo das jibóias.

LA 05/007       S/38

 

 

Antegozados Pígios...

 

Antegozados pígios e colinas...

Prévios orgasmos ciberdisparados

em mentais furnas, locas nacarinas

resvalando em afetos já molhados.

 

Por entre algas e corais bordados,

os golfinhos em águas cristalinas

com toques geniais e enamorados

se amam entre a água e o azul... pelas neblinas.

 

Também a trapezista (que voava

com as pernas nas mãos dos meninotes)

fazia amor com os olhos da platéia...

 

E o povo, impaciente, antegozava

sua queda sem rede e sem pinotes —

só desejavam essa tutaméia.

LA 05/007       S/39

 

 

Vou Construindo Uma Nave...

 

Vou construindo uma nave em dentro em mim

enquanto me navego pro futuro

levando na alma o dote nascituro

que meu Pai me outorgou quando aqui vim.

 

Um fim-começo ou um começo-fim

é tudo quanto sai do anseio escuro

e vira luz: viaja-se no muro

entre não-ser e ser, ser-não, ser-sim.

 

Tudo são três: a sombra, o vôo, a ave...

Vou construindo a três a minha nave

com um sentimento azul em forma de asa.

 

Há um porto em mim que é meu partir-chegar...

A casa de meu Pai, é em mim a Casa...

Sim: em mim é o aqui e o lá já estar.

LA 05/007       S/40

 

 

Todas As Coisas Têm...

 

Todas as coisas têm a sua tisna,

nosso prazer jamais será completo.

Toda consciência tem seu ponto-teto,

a mesma luz caminha prisma a prisma...

 

Nosso pensar que é é só uma cisma —

a mostrar nosso ponto predileto...

Pelo picar não se conhece o inseto,

nem nosso bucho entende de carisma...

 

Ninguém dá por escrito o que nos disse.

A mocidade gosta da velhice

desde que não lhe peça pão nem mão.

 

A beleza nem sempre é mesmo bela,

nem a primeira luz bate à janela...

Tudo questão de não fazer questão.

LA 05/007       S/41

 

 

Vinho-Sonho De Vides...

 

Vinho-sonho de vides consteladas!

Ah! Pés descalços pela vinha, à lua...

Beleza sumarenta das amadas,

belas, nuas pisoteando as uvas...

 

Vinho-amora de auroras marchetadas...

amadas com as mãos ( descalça as luvas! ),

amadas com as mãos vinho-sonhadas

de uma tesão lunada e sempre nua.

 

Taças cheias, cantantes nos “tintins!”

a tilintar hialinas de alegria

entre sorrisos, vozes, gestos-sins...

 

Seios-uvas-bocas-vulvas sumosas,

bebei e desfolhai na vossa orgia

a libido-pulsão de vossas rosas.

LA 05/007       S/42

 

 

As Qualidades Nas...

 

As qualidades nas pessoas nos

atraem. Seus podres fazem mais amá-las.

Entre gente estão cercas, muros, valas...

e o sonho de esganar o que os pôs.

 

Um cai, mas dois levantam. Quem depôs

as armas pode ter nos membros talas...

Não ter a língua é bom: já não há falas...

Sim, os tiranos gostam de robôs.

 

Não ver, não discernir nos faz amados,

quanto mais tolos mais domesticados,

quanto mais dóceis mais e mais escravos.

 

O mundo é quase todo da gentalha —

de um lado os temerosos, do outro os bravos...

A ninguém falta nada pra canalha.

LA 05/007       S/43

 

 

Tristes Aparições...

 

Tristes aparições, tristes fantasmas,

pervagam tristes pela multidão.

Quem era vivo, eis... é assombração —

balas tingem o chão de rubros plasmas.

 

Luxúria a misturar-se com miasmas,

a grande pompa agride a inanição.

Os belos da mamãe e os da excreção

da sociedade em seus torcidos quiasmas.

 

Riqueza a concentrar-se estreitamente.

Pobreza a repartir-se caudalosa.

Corrupção a sangrar copiosamente.

 

A metralha a picar a diária rosa.

A esperança, qual pão amanhecido,

tem a cor do bolor esverdecido.

LA 05/007       S/44

 

 

De Um Mesmo Bem-Me-Quer

 

Laura, Beatriz, Ofélia, o que ganhastes

além das iguarias da vaidade?

E que hastes apararam rosas, que hastes

as tiveram com mais suavidade?

 

O mundo amou o quanto saboreastes

e o sublimou em laivos de saudade.

E tais jóias tiveram seus engastes

na poesia de toda a humanidade.

 

Ganhastes vós, ganharam as mulheres —

que entre rosas, estrelas e talheres

são pétalas do mesmo bem-me-quer.

 

Enquanto houver no mundo ( saudade? ),

saudade, amor, amante, insanidade...

sereis amadas em cada mulher.

LA 05/007       S/45

 

 

Tarde No Parque

 

Os insetos se pegam em estupro

na corola dos lírios tão humanos...

Os casais trocam seus iriais enganos

por todo o parque... O vento em brando sopro.

 

As maritacas num congresso insano,

todas lá entre as folhas, bem no topo...

Uma moça em perfil, jeito cigano,

toca violino, lê a mão e o copo...

 

Dois realejos com suas caturritas

despertam esperanças infinitas —

mocinhas fazem fila pra sonhar...

 

Expressões calmas, outras quase aflitas...

A tarde morde amoras com ternura...

e veste a sua camisola escura.

LA 05/007       S/46

 

 

Ontem-Hoje

 

Quando outono me vem em tardes frias —

belas, suaves como te lembrar,

revejo em alma as coisas que fazias,

tua presença a nos iluminar...

 

Eram tão naturais aqueles dias,

um espontâneo dom a nos guiar...

Uma alegria fluindo em alegrias,

um nume bom, um íntimo cantar...

 

A fé a recitar seus fortes versos,

a esperança por nós a antegozar...

O amor a unir num só os dons diversos.

 

Quando outono nos vem em tardes frias —

belas, suaves como te abraçar,

somo novas a velhas alegrias.

LA 05/007       S/47

 

 

O Mais, Nem Sei Palavra

 

Nem sei palavra, amor, nem sei palavra

que lhe possa dizer com mais justeza

o quanto é bom gostar-lhe a femineza

dos dotes de mulher em charme e lava.

 

Nem sei palavra, amada, que na brava

luta de expor, lhe fale da beleza

como misto de graça e gentileza,

como brilho do veio que se escava...

 

Só sei que qualquer pano maltrançado

suas pernas transformam em bordado —

seu andar tem agulhas no que lavra...

 

Sim, sei que seu andar faz desfolhar

os olhos que lhe possam resvalar...

O mais, amor, o mais, nem sei palavra.

LA 05/007       S/48

 

 

Nume De Amor

 

Alegrias, as tive, e foram muitas,

lá no lado da infância e mocidade.

Muitas e belas, e jamais fortuitas —

alegrias pisando a realidade.

 

Tive um nume de amor por essa idade,

uma força que sempre me seguia

e que era traduzida em alegria —

alegria que é força e suavidade.

 

Ela que suavizou toda a fereza

daquela vida abaixo da pobreza

e foi-me o combustível para a luta.

 

Uma vontade mais que resoluta

foi outro dom ( coragem ) pra furar

a rede... e conquistar o meu lugar.

LA 05/007       S/49

 

 

Soneto Antigo

 

Quando ela passa podre de gostosa,

gloriosa e linda como um verso antigo,

com poucos panos e a mostrar o umbigo, —

jogo-lhe com os olhos uma rosa,

 

ou rubro lírio... e faço-lhe uma glosa

do bordado das pernas que persigo

em gesto brando de devoto amigo,

num pedido de dádiva copiosa...

 

Ela redobra então o rebolado

em mexe-mexe bem estruturado —

gestos de paina e jeito de menina...

 

E vou seguindo-a como um bom rapaz,

até lá longe vê-la olhar pra trás —

um pouco antes de dobrar a esquina.

LA 05/007       S/50

 

 

Uma Vontade De...

 

Uma vontade de comer goiaba!

Daquelas bem vermelhas, Joaninha.

Logo me vou pra Paranapiacaba —

só ficarás com a saudade minha

 

e eu com a sua ( essa jamais me acaba! ),

sim: a de sua boca vermelhinha,

a de seus olhos de jabuticaba

e de outras, de outras muitas, Joaninha.

 

Não vais deixar que o mundo me desabe,

sim: eu me morra, morra de vontade...

Deus sabe quanta, Joaninha... ah, sabe!

 

Mesmo com bicho, nega, e má vontade,

bem podias suprir-me de goiaba

antes que eu vá pra Paranapiacaba.

LA 05/007       S/51

 

 

Entre Nomes De Musas...

 

Entre nomes de musas e de rosas

pus o seu, minha nega, a drapejar

belo e valente em meio às mais gloriosas

monroes do nosso humano imaginar.

 

Pígios e seios, nega! Ah, quando posas

com o baixo-perfil, fazes trincar

o mármore dos deuses, em copiosas

tormentas de um mental a tempestuar...

 

Vivamos quietos!... Como quem apoita

para pescar... sem nem tossir sequer...

Sim, calados: um ser feliz na moita.

 

O muito é muito. O suficiente chega.

Entre musas e rosas, minha nega,

fico com as pétalas de um bem-me-quer.

LA 05/007       S/52

 

 

Se Cair, Minha Nega...

 

Se cair, minha nega, cai de pé,

senão te comem viva na caída —

sim, bem antes de estares estendida,                               

te cobrem de porcalhas sem chiquê.

 

O pobre, amiga, este nem gente é.

O fraco, o delicado a própria vida

os engole. Entre os homens é excluída

a honra... sim, preferem-lhe o chulé.

 

Agora, se cair, vê se levantas

( assoviando o samba conhecido ) —

sim, dá voltas por cima, e tantas, tantas

 

que fiques tonta, tonta de voltear,

até que ponhas, nega, em bom olvido

as delícias de já não se lembrar.

LA 05/007       S/53

 

 

Somos Os Amanhãs...

 

Somos os amanhãs de um vão sonhar —

de um sonhar em que sempre se é sonhado,

um sonho previamente preparado

para ser senhor nosso, e comandar.

 

Somos os amanhãs de um vão pensar —

de um pensar em que sempre se é pensado,

um chip virtual sempre implantado

lá em nosso pensar que isso é pensar...

 

Somos os amanhãs de um esperar —

de um esperar mas sempre mascarado

do amanhecido engano de esperar.

 

Os amanhãs de um vão profetizar —

profetizar do sonho malogrado

que em não sendo se faz por adiar.

LA 05/007       S/54

 

 

Disse O Bandido...

 

Disse o bandido, a gente já respeita:

“Tudo em casa! — Julapa determina.”

E a gente treme com a tal maleita

do medo, contra a qual não há vacina.

 

Disse o bandido, a gente já se ajeita:

vai-não-vai, abre ou fecha... e a retina

cheia de fogo e morte, uma malfeita

guerra urbana com vil carnificina.

 

Disse o bandido, a gente ouve e cala.

Fecha tudo, porque lá vem é bala,

fogo, reféns e penas de galinha...

 

Disse o bandido, a gente pára e escuta.

Grampeado ou não, ao tal filho da puta

só xingamos na frente da telinha.

LA 05/007       S/55

 

 

Sim, Risoleta...

 

Não-obstante o mundo, a vida é bela.

Não-obstante os amigos, a amizade

existe. Não-obstante a veleidade,

o amor é lindo, mesmo quando mela.

 

Não-obstante os obstantes, cara Estela,

brilhas, sim, mas não muito... Claridade

nunca foi tua peculiaridade,

mas nem por isso, Estela, és menos bela.

 

Nem tu que, és Rosa, te desfolhas quando

lá fora passa o vento mau, uivando...

ou se arrumas a cama do Marcinho.

 

Sim, Risoleta, a morte até existe,

mas nem por isso deixa de ser vinho

que dá força aos mortais: o sonho em riste.

LA 05/007       S/56

 

 

Bela Como O Saci...

 

Bela como o Saci fazendo mágicas

com seu gorro vermelho, fantasias

de suas cererê-bruxo-magias

às tias fadas, cômicas e trágicas...

 

Bela qual coisas velhas e autofágicas

gerando novas outras com fagias

que as renovam com outras sinergias

que se devoram calmas e nostálgicas...

 

Bela é a beleza que nem precisava

ser bela em sua plácida verdade —

nem precisava ser heróica ou brava...

 

Bela é a beleza que somente é bela

por formar com a verdade uma unidade —

sim, verdade e beleza: a mesma estrela.

LA 05/007       S/57

 

 

Nasce O Verbo Com A Rosa...

 

Nasce o verbo com a rosa na garganta,

e o homem dispõe de eterna moradia —

o alto, o baixo, o longe, que lhe havia,

cessam. Está em  sua Casa Santa.

 

Toda distância, que lhe fora tanta,

o pensamento a dissolveu... A via

agora é asas. Tem geral franquia

verbal: seu mundo é aqui, o aqui dos quanta.

 

Já não há nem partir, nem fim-chegar,

mas algo a transmudar de ser em ser-se...

Um sonho a transonhar-se em Deus nos sendo...

 

Claro pensar em lúcido sonhar...

O Pai e o Filho em Um se dissolvendo

em amor à criatura a transcender-se.

LA 05/007       S/58

 

 

Exumei-Me De Mim...

 

Exumei-me de mim na luz que herdei

do Verbo em ressonâncias-renascer,

e dentro em mim, lá dentro do meu ser,

segui por mim com a graça do meu Rei.

 

Todos os laços com a pátria ou grei

deixei-os pela estrada de entender...

Livre do mundo e afetos de prender,

pelo amor já troquei poder e lei.

 

Sim, troquei os caminhos exteriores

por veredas e trilhos lá em mim —

ressono-me com os mundos interiores.

 

Comprei a pérola de grande preço,

assimilei-a, e sigo para o fim,

sim: até onde houver um fim-começo.

LA 05/007       S/59

 

 

Já Sazonou O Tempo...

 

Já sazonou o tempo de voltar.

Os nossos dedos ferem a canção

que nos irá mostrando devagar

as pegadas de cada sensação.

 

Sim, já soou o tempo de voltar.

Guardamos lá em alma-coração

o quanto aqui viemos a buscar —

notas da nossa sinfonização...

 

As nossas mãos unidas se ampararam,

a nossa lida e sonhos musicaram

os espinhos e as pedras do caminho.

 

Nossa esperança foi o pão e o vinho,

nosso amor o caminho musicado,

nossa fé o já termos lá chegado.

LA 05/007       S/60

 

 

Corri Atrás De Ninfas...

 

Corri atrás de ninfas assustadas —

pularam n’água e logo se safaram.

Lêmures e duendes me ajudaram

a inventar histórias para as fadas.

 

Cantei duas mães-d’água arretadas

que me jogaram pedras e xingaram.

Três caiporas feiosos me contaram

horrores dessas duas mães aguadas...

 

Tentei roubar o gorro do Saci

pra enfeitiçar minha vizinha, a Clara,

mas me impediu o tal do bem-te-vi...

 

Em seguida ( afinal! ), após tramar,

atirei-me e agarrei-me com uma iara...

Mas me acordaram para trabalhar!

LA 05/007       S/61

 

 

Acordava Os Teus Seios...

 

Acordava os teus seios ensonados

com dedos musicais a modular...

Com os olhos a entreabrir, ainda fechados,

já sorrias num gesto de abraçar...

 

Fora, o vento, entre ramos assustados,

falava-nos da noite em seu passar.

Mugidos e violinos misturados

orquestravam nosso desejo a arfar.

 

Uma candeia ardia lá no canto

como que a acompanhar nosso acalanto

com seu fio de luz a tremular.

 

Não demorava a luz vinha gorjear...

As sombras iam se tornando um canto

com o teu rosto lindo a despertar.

LA 05/007       S/62

 

 

Não Raro Ouço Cantigas...

 

Não raro ouço cantigas do futuro

lá no meu coração a precordar.

Falam-nos sobre o mundo nascituro

das cinzas do que o homem vai queimar.

 

Tolo de quem se assenta sobre o muro,

áugure das canções do fim-findar.

Sempre depois do mais nefasto escuro

a luz volta gloriosa a clarear.

 

Nossa auto-escalada no Universo

pressupõe dentro em nós um multiverso

com saídas eternas para o Ser.

 

O nosso coração, em forma de asa,

tem pegadas da Luz em seu saber

o caminho de volta para Casa.

LA 05/007       S/63

 

 

Tempestades São modos...

 

Tempestades são modos de dizer

que a enxurrada virá logo depois.

Assim como são quatro dois mais dois,

ou só um jeito chato de rever...

 

Tempestades são modos de prever

que entre nós ( nós e a amada ) pascem bois...

Assim como o plural de és é sois

e a cidade diz mel e a roça mer...

 

Tempestades são modos de explicar

que os barracos rolaram pro buraco

porque foi clandestino o edificar...

 

Tempestades são modos de ativista

ver que o miolo do mundo ficou fraco —

o homem virou um cínico arrivista.

LA 05/007       S/64

 

 

Estávamos: Hoje, Ontem...

 

Estávamos: hoje, ontem, amanhã,

estávamos somente, minha amiga,

num tempo nu que nunca usou loriga,

mas sempre amou andar de tobogã.

 

Estávamos a sós pela manhã

de sol, a tarde parda, a noite antiga,

personagens da mesma velha intriga

que é a vida em sua encenação malsã.

 

Estávamos somente e nos amamos

dentro do amávamos no mar das eras

onde eu já havia sido e tu já eras.

 

Estávamos apenas. E sonhamos.

Apenas éramos e não sabíamos

que não ser era tudo quanto tínhamos.

LA 05/007       S/65

 

 

Éramos Duas Almas...

 

Éramos duas almas esquecidas

e aí estava a nossa vã ventura,

tão bela quanto inglória... as mãos unidas

urdiam no hoje uma canção futura.

 

Bem vagabundas e nada assumidas

( amávamos apenas a aventura ),

assim levávamos as nossas vidas,

testos... e proges... num tesão sem cura.

 

Trabalho, muito amor e caminhadas,

ler, ler, ler-escrever e andança-estradas,

viver, fazer amor, viver, fazer...

 

Nosso ideal maior por este mundo

foi o de ser um dueto vagabundo —

viver, fazer amor, ler-escrever.

LA 05/007       S/66

 

 

Coisas Novas E Velhas...

 

Coisas novas e velhas vou tirando

de mim como através de um fino fio

que vai fluindo, vai desnovelando

de dentro para fora como um rio...

 

Coisas novas e velhas ao comando

de mão virtual agindo entre o alvedrio

e a solta intuição galvanizando

palavras-coisas sempre com um lio...

 

Tais coisas sou eu mesmo a desvirar-me,

consciente-inconsciente sem alarme —

matéria escura e a luz de revelá-la...

 

Sim, quando acendo a luz de minha sala

sombras-coisas se irmanam de repente

e o universo se faz todo presente.

LA 05/007       S/67

 

 

Evito Assombrações...

 

Evito assombrações ou espantalhos

e peço a Deus me livre do inimigo

por sete ou mais caminhos. Pego atalhos

pra me safar do mínimo perigo.

 

Atrás da porta pendurei uns alhos

para correr urubuações de amigo.

Desejo aos inimigos muitos galhos

por toda a testa e um a sair do umbigo...

 

Quanto ao mundo, sifu o vagabundo!

Se minha fome lhe roubasse um pão,

certo me jogaria no sem-fundo...

 

Ai, que preguiça!... Bem, já me vou indo.

O tempo voa, esse o seu lado lindo...

O mais? Que venha com educação.

LA 05/007       S/68

 

 

Sem Roteiros E Símbolos...

 

Sem roteiros e símbolos no céu,

lancei meu barco em amplo navegar.

Nunca tive regalos nem liceu

ou propósito algum de fim-chegar.

 

Não demorou meu barco se perdeu...

e fiquei só... só entre mim e o mar.

Ah, foi então que tudo aconteceu:

eu era o barco, o mar e o navegar...

 

Um viajar em outro viajar,

um estar por aqui e outro lugar

por entre um céu e um mar que eram eu...

 

E meu barco pra sempre se perdeu,

sim, se perdeu com tudo o que era meu,

inclusive com o céu, com o céu e o mar.

LA 05/007       S/69

 

 

Xiranha É Bom, Mas Tem...

 

Xiranha é bom, mas tem a dona dela.

O problema do relacionamento

é sempre o próprio relacionamento,

acrescido dos uivos da procela.

 

Caber, cabemo-nos... mesmo em trivela.

Mas nem tudo o que tem seu cabimento

há de tê-lo nos sempres do momento —

bem por isso é que o amor é uma seqüela...

 

Seqüela... Queira Deus sempre prossiga

à moda nova quanto à moda antiga, —

engenhoca orvalhada de beleza.

 

Seqüela... Queira Deus nunca se feche,

pois que se o amor não vale o quanto pesa,

há de valer então o quanto mexe.

LA 05/007       S/70

 

 

Esquente Não, Amor...

 

Esquente não, amor, senão derrete,

não só nos cimos, mas também nos baixos,

e como degustar-lhe, amor, os cachos,

se a videira me seca e vira estrepe?

 

Esquente não, amor: vira sorvete,

e como saborear sobre capachos

os favos que lambia em dedos graxos,

se me escorrem no ralo da toalete?

 

Esquente não, amor, somos só água.

Quem não esquece a dor, toureia a mágoa,

que chance tem pra ao menos ser feliz?

 

Ah, cante uma canção pelo nariz!

Depois, respire fundo... e coce os mimos.

Mimos e mãos, amor, são velhos primos.

LA 05/007       S/71

 

 

Vieram Calmarias...

 

Vieram calmarias bocejantes

com golfinhos brincando em calmo mar.

Passaram sóis, manhãs azulizantes

e o vento ainda só um bafejar.

 

Doze ninfas subiram exultantes

até a proa, lindas a cantar.

Dançaram com elas os marujos, antes

que o capitão chamasse pro jantar.

 

Dançaram todas, todos prazenteiros,

ninfas e capitão e marinheiros,

até a aurora boreal sangrar...

 

As ninfas convocaram a ninfada

e os golfinhos pra dar uma empurrada —

e eis que o navio ruma ao seu chegar.

LA 05/007       S/72

 

 

A Blandícia Da Seda...

 

A blandícia da seda faz florir

os dedos... que se lembram... a lamber

açúcar sobre a pele dela a ter

chiliques com os olhos a luzir...

 

Ah! Os seus poros na penumbra a abrir

a boca a ( salivar ) beber, sorver

digitações num pasmo a florescer

aromas e sabores de elixir...

 

A blandícia da seda àquela hora,

ali sobre o balcão, me trouxe à mente

sua nudez macia e cor de amora...

 

E nessa ubíqua, irial cerebração,

pude fazer amor gostosamente

vendo Rosa nas sedas do balcão.

LA 05/007       S/73

 

 

Vamos Viver, Rosinha...

 

Vamos viver, Rosinha, igual se a gente

fosse feliz. Sem invejar ninguém

ou se entregar maluca, aflitamente

a querer sempre mais do que se tem.

 

O muito seja muito, o suficiente

nos baste. O mal será o mal, o bem

será o bem... com um ver sempre ciente

de que entre os dois existe o mais além.

 

E saber, minha cara, que viemos

buscar o que nos falta... e o esquecemos

lá em nós mesmos ao cruzar o rio...

 

Dinheiro é bom, mas o conhecimento

de nós, do mundo e mais além... é brio,

é luz, é dom que estão livres do vento.

LA 05/007       S/74

 

 

O Bom, O Belo Estão...

 

O bom, o belo estão no instante dado,

no que nos faz feliz, gera alegria,

nos arranca das névoas do passado

e nos remete à luz do claro dia.

 

A realidade é algo recriado

pelo vício-fazer do dia-a-dia.

Melhor dar conta dela assim de lado...

e aplicar em bem mais nossa porfia.

 

Quem vai morrer deve saber viver —

uma espécie de troco bem coerente

para a vilã que não sabe perder.

 

O claro dia é o vinho dos heróis,

os que têm um sentido no presente

e se renovam como os bravos sóis.

LA 05/007       S/75

 

 

 

Tarde Quente. Colinas...

 

Tarde quente. Colinas, montes, planos...

Girassóis loucamente van-goghianos.

Ceifeiros a gemer sua empreitada...

Perde-se ao longe a estrada empoeirada.

 

Espantalhos de palhas e de panos

não espantam um bando de tucanos...

Bandos de maritacas em revoada

vão deixando uma estrada esverdeada...

 

Muitas pedras, caminho em ribanceira,

casinholas com muita bananeira,

muitos pés de mandioca e de pequi.

 

Os piões passam de boné e ponche...

A tarde esmaga uvas... e lá longe —

o pio de clarim do bem-te-vi.

LA 05/007       S/76

 

 

Entre As Farpas Do Arame

 

Dias preciosos nossos dias. Vemos

não só a coisa como seu fantasma.

Estilhas de palavras sem o plasma

de um só sentido: a fraude em seus extremos.

 

Dias preciosos nossos dias. Temos

a desonra instalada nos supremos,

a mentira total ( que já não pasma )

jurando ser perfume o seu miasma.

 

Dias preciosos nossos dias. Nunca

a elite teve a gula mais adunca,

nunca a pobreza mais se repartiu.

 

Nem o humano desceu-se a mais infame:

as pessoas de bem, igual tiziu —

a dançar e a pular entre as farpas do arame.

LA 05/007       S/77

 

 

Nosso Moral, Repleto...

 

Nosso moral, repleto de pereba.

Dias maus. Só gravatas de rapina.

Transportes na calcinha e na cueca.

Dança da pizza, linda de ferina.

 

Educação, saúde: tudo peba.

Economia: América Latina.

Banheiros de ouro. Falta de latrina.

FMI: pau que mais e mais se enseba.

 

Esquente não, Rosinha. Um dia a gente

até consegue. Por agora agüente —

agüente conseguir não conseguir.

 

A gente treina e segue na aventura

de ser feliz na própria desventura...

e a botar tudo, tudo no porvir.

LA 05/007       S/78

 

 

Tempo De Amar, Tempo...

 

Tempo de amar, tempo de ser feliz.

Não percas a carona, minha Rosa,

dos tempos bons: faz uma bela glosa

ao amor, mesmo que na chuva e a giz...

 

A vida, minha cara, é um chafariz —

quando está a jorrar, jorra gostosa

e fartamente, e molha a pedra e a rosa...

e tudo, nega, tudo por um triz.

 

Não percas a sazão dos áureos ventos...

Degusta consciente esses momentos,

lambe os dedos e o prato já comido.

 

E quando te vier outra estação,

já então, Rosa, já terás vivido

tua bela e legítima ilusão.

LA 05/007       S/79

 

 

Talvez Um dia A Gente...

 

Talvez um dia a gente muda o lema —

em vez da tal felicidade ser

só momentos felizes, outro esquema:

 

a infelicidade não existe,

mas momentos que teimam em se crer

infelizes: mania de ser triste.

 

É só tirar o chip da cultura

que nos parafusaram desde a infância

e, tomados de calma petulância,

reprogramarmos nossa criatura.

 

Cada sazão far-se-á bem mais madura

lá em nós trabalharmos nossa ânsia —

de modo que em primeira e última instância,

pelo querer o sonho se depura.

LA 05/007       S/80

 

 

Tempos Bons São Aqueles...

 

Tempos bons são aqueles que pensamos

que são bons, e os vivemos como tais.

Somos o mar e a nave em que singramos

( dentro em Deuspai ) entre o partir e o cais.

 

Tempos bons são os tais em que esperamos

mesmo ante o desespero dos demais.

Com vontade e consciência transformamos

em realizações nossos ideais.

 

Tempos bons são aqueles em que ousamos

incubar lá em nós o que sonhamos,

sem medo do sucesso ou do fracasso.

 

Tempos bons são aqueles que vivemos

        com tino interno e externo a dar o passo...

Nossa vida é o que dela nós fazemos.

LA 06/007       S/81

 

 

Estás Ouvindo O Vento...

 

Estás ouvindo o vento, minha nega?

Este vento não dorme um só momento —

vai provocando uma zoada cega,

rasgando folhas, pétalas ( violento ).

 

Não dorme há vários dias, minha nega,

uivando como doido em sonhamento...

Ergue a saia das árvores, pespega

mil beijos na vidraça... Ah, esse vento!

 

Bêbado, bebe as noites e as estrelas

surrando rosas com seus próprios ramos,

por ruas, por veredas, passarelas...

 

Pra quem serão esses florais recamos:

rosas, pétalas, flores e lavandas —

todo esse éden, nega, nas varandas?

LA 06/007       S/82

 

 

Agora, Finalmente...

 

Agora, finalmente, somos ilhas

buscando ilhas: bom é ouvir a voz

de outras tais, — apoitar as nossas quilhas

entre ilhas sobrevoadas de albatroz...

 

Para vê-las viajamos muitas milhas

na intenção de deixarmos de ser sós...

Sim, ilhas, ilhas, ilhas após ilhas —

ilhas-filhos de ilhas-pais e avós.

 

Todos temos nossa ínsula à procura

de bela ilheta em bússola-ternura

a querer se fundir com um ilhéu.

 

A ilhoa e o brabo tédio do insulano

se estreitam tanto no seu lado humano,

que passam a morar num mesmo céu.

LA 06//007       S/83

 

 

Dormiu Nas Pedras Duras...

 

Dormiu nas pedras duras, tomou banho

nos córregos em plena madrugada,

comeu salitre, pólvora com estanho,

bebeu limão, pôs sal na limonada.

 

Foi trabalhar na terra e seu amanho,

bateu forte o enxadão, a pá, a enxada,

arranjou outro emprego, dobrou o ganho,

quatro vezes ao dia, — a caminhada.

 

Cantou hinos de guerra em tom tamanho,

hinos de igreja tais, que ficou fanho —

antes, porém, seus tetos derrubando...

 

Aí parou. E deu uma pensada:

viu que o que estava mesmo precisando

era de uma legítima trepada.

LA 06/007       S/84

 

 

Tuas Pernas Fizeram...

 

Tuas pernas fizeram mais um fã,

menina. Mal as tiro da retina

já voltam em visão mais peregrina

com um gosto orvalhado de romã.

 

Têm um quê da leveza da manhã,

entre a luz crua e a rosa nacarina,

uma altivez de solta bailarina

no afã de deslizar, aéreo afã...

 

Têm um brilho de alba, a forma alada

sobre o chão duro e a areia bem molhada —

macio pisar firme a deslizar...

 

Teu alvo andar esguio de passante

traz incrustado o gesto levitante

de alguém que pisa, pisa sem tocar.

LA 06/007       S/85

 

 

Venho Trazer-Te Flores...

 

Venho trazer-te flores, muito embora

seja símbolo apenas meu trazê-las.

A tarde é triste e rápido descora...

Já posso ver no céu longes estrelas.

 

 

A tarde é triste, não porque aqui mora

o casulo daquela que ia pelas

partes da casa num há pouco-agora...

a fazer coisas, sempre a refazê-las.

 

A tarde é triste mais pelo meu ego

a lembrar-te o desvelo, o bom conchego...

( como se os não trouxesse no meu ser! )

 

Bela é a morte, se deu fruto a vida.

Deus te torne estas flores em ungida

paz, minha mãe, em luz a florescer.

LA 06/007       S/86

 

 

A Galinhona Faz...

 

A galinhona faz: cocó-codé...

A franga: qué-queré-qué-qué... Já o galo:

cocóricóóóóóóó... E olha que é um regalo,

de madrugada, tanto cafuné.

 

A perua, a perua faz glu-glu...

Riririririiiiiiii: faz o cavalo.

Esta é minha mulhééééérrrr: diz o seu Paulo.

Piééééé... crás-cráááássss: o anu e o urubu.

 

Fazem a cabra e o bode amor e mééééé...

Assombrações, fantasmas fazem:BUUUUUUU...

Sapato velho e pé fazem chuléééééé...

 

Xota com pingolim fazem criança.

Gravatas de rapina: pizza e dança.

Já a pimenta faz arder, né Lu?

LA 06/007       S/87

 

 

Era Um Fogo Queimando-Se...

 

Era um fogo queimando-se a si mesmo,

um gelo se fazendo tiritar,

uma terra a comer-se em gula e a esmo,

um ar, um ar querendo-se tragar.

 

Um profeta sofrendo de tenesmo,

uma mulher com nojo de gerar,

uma princesa a se matar num sesmo, —

era um tempo magoado de passar.

 

Massa podre vendida por pudim,

era um degredo de esperança e sonho,

um queimar de incunábulos sem fim.

 

Era um tempo de término e aflição,

um amor pelo trágico e medonho,

era um apocalipse-negação.

LA 06/007       S/88

 

 

Lá Longe O Mar Martela...

 

Lá longe o mar martela o seu piano.

Perto, o vento a gemer sua opereta

pelo corpo do inverno que o espeta...

E é tudo bruma, um só delírio insano.

 

Hospedarias, moça, o insulano

em mim na tua conchegante ilheta?

Já não serias só, nem eu careta

a ponto de não ter um doce engano...

 

Abre-me a porta, nega, assim, assim...

e já te ponho lenha na lareira...

e muito vinho entre ti e mim...

 

E amanhã quando vier a luz primeira,

irei, e então teremos na memória

mais uma história linda quanto inglória.

LA 06/007       S/89

 

 

A Vida Só Nos Dá...

 

A vida só nos dá em perda-ganho —

embutindo em perder o seu ganhar,

e nunca o ganho nos será tamanho

que não traga já em si o seu pilhar...

 

A terra as ervas perde em seu amanho

para depois poder frutificar.

O outro, antes de amigo, foi estranho

para que se pudesse comparar...

 

A nossa dor é segurar na história

e desejar que ela volte a ser,

ainda que mais pobre, mais inglória...

 

É dom da vida ter, depois perder.

Assim vamos pintando na memória

o sonho em seu diverso acontecer.

LA 06/007       S/90

 

 

Muitas Vezes Recobre...

 

Muitas vezes recobre a humanidade

uma sombra interior de exuberante

silêncio... Sim, silêncio tão gigante

que traz um halo de fatalidade...

 

Um sentimento escuro, uma saudade

de nós mesmos, de Deus... saudade errante

a vagar sem descanso, pervagante

lá em nós-ser: em nossa identidade.

 

Uma consciência errática por nós,

entranhada na nossa própria essência,

ligando-nos a prístinos avós...

 

É a dor desse gigante da existência,

dessa alma coletiva, em luta atroz,

a dilatar os odres da Consciência.

LA 06/007       S/91

 

 

Lá No Olimpo Da Elite...

 

Lá no Olimpo da elite, a Economia

é sem dúvida a deusa mais querida,

não só querida, mas também temida,

a guardar semelhanças com harpia.

 

Esta senhora, antiga como o dia,

ou como andar a pé, engole a vida

e a descome na trama repetida

de um círculo vicioso em maestria.

 

A finória concentra com perícia

a riqueza; reparte com blandícia

a pobreza, injetando-lhes venenos...

 

E a cortesã, esta putona chique,

vai nos tratando com sutil chilique

para sempre engolir os mais pequenos.

LA 06/007       S/92

 

 

Sim... Vem A Tal E Corta-Nos...

 

Sim... vem a Tal e corta-nos o estame...

e toca-nos atravessar o rio.

A moeda ao barqueiro de olhar frio...

e só o esquecimento como liame.

 

E adeus-me as tuas pernas e esse cio

de rosas, bichos, chamas sobre o arame

( sem a maromba! ), adeus-me esse fio

que nos liga e permite que te ame.

 

Adeus-me estrelas e os cicios de sedas...

Jamais amar-te em frente às labaredas —

teu corpo: vinho e pão, entre meus braços.

 

Ah, xite! nega, xite ao pensamento

que se rendeu aos sonhos de cansaços...

Vamos encher de agora este momento!

LA 06/007       S/93

 

 

 Se É Tempo De...

 

Se é tempo de cantar, que a alma cante

com todo o seu legítimo exultar.

Se é tempo de sorrir, que bem radiante

ela saiba esse dom compartilhar.

 

Se é tempo de plantar, sua mão plante

com a consciência e o tino de plantar.

Se é tempo de colher, que não se espante

com tudo o que lhe venha a sazonar.

 

Se é tempo de chorar, chore silente

um pranto que lhe possa acrescentar.

 

Se é tempo de pensar, que o faça ciente

de que assim é que vai se ultrapassar.

 

Se é tempo de morrer, morrer seja a semente

que encontre em Deus a luz em que brotar.

LA 06/007       S/94

 

 

Pássaros-Pretos

 

Tinha um canto épico o pássaro-preto:

que-qui-que-qui-que-qui-que-qui-que-qui...

bem prolongado, igual quem lê decreto

frente a inimigos... e depois se ri.

 

Sim: infinitos is, cheios do afeto

daquela infância em que os ouvi e vi.

O bando deles sobrevoava reto

o telhado da casa onde nasci.

 

Pelas tardes faziam breve pouso

num eucalipto enorme e majestoso —

pingando um “i” aqui, um “i” ali...

 

Todo preto, valente, esguio, arisco,

passava o grito negro igual corisco:

que-qui-que-qui-que-qui-que-qui-que-qui...

LA 05/007       S/95

 

 

Entre Tanta Bobagem...

 

Entre tanta bobagem insistente,

melhor é ouvir cantar a corruíra

ou falar da verdade da mentira

a ouvir do anu a voz fanha e indigente?

 

Entre tanta besteira intermitente,

melhor falar de bruxas e caguira,

dos guampos que provocam feia ira

ou do cunhado vindo de repente?

 

Entre tantas bestagens infectantes

que descomem os deuses belcomprantes

a dirigir o povo, velho fã,

 

que fazer, Santo Eustáquio, que fazer?!

— Não fazer, meu irmão, sim: aprender

a não fazer bem logo de manhã.

LA 06/007       S/96

 

 

Frase Inacabada

 

Quando os dois se encontravam, já se ouvia:

“Oi! Oi! Nós precisamos acabar...”

A frase provocava uma euforia,

aqui risinhos, lá um cochichar...

 

E toda a enorme empresa  já sabia

desse ‘nós precisamos acabar...’

E homem/mulher cada um deles subia —

iam pra suas salas despachar.

 

Anos e anos se foram. Certa vez,

terroristas fecharam a seção —

todos no chão, atados pelos pés.

 

Nesses dez dias de negociação,

puderam acabar, gizando o chão,

sua antiga partida de xadrez.

LA 06/007       S/97

 

 

Lis

 

Mistura de uva, pêssego e caqui,

o teu corpo bonito e sazonado

precisa urgente ser saboreado, —

se não passa, palavra de gari.

 

Aquele príncipe designado

para tê-lo na boca em frenesi, —

dele só o cavalo vem a ti,

mas assim mesmo, Lis, desencilhado...

 

Medo de que o pior já te aconteça —

seus dons não tenham lá quem o mereça

e assim te vão passando, vão passando...

 

Fruta madura, Lis, não há quem guarde...

é como a rosa, amor, que vai sonhando

mas só enquanto não lhe vem a tarde.

LA 06/007       S/98

 

 

Amigos Cento E Dez...

 

Amigos cento e dez jamais contei,

mas derrapei gostoso na amizade,

quebrei a cara e toda a parvidade

em tantos cacos, tantos que nem sei.

 

Amigos dois ou três, isso pensei

que tinha, mas só tinha, na verdade,

amigos menos-cinco: a realidade

nua e crua com que me deparei.

 

Amigos assim tantos não contei,

mas derrapar no humano derrapei

e quebrei todo o meu caminhãozinho.

 

Mas como o samba diz, passei por cima,

peguei a mala e achei um outro clima...

e cá vou eu vivendo bem quietinho.

LA 06/007       S/99

 

 

Amarrados...

 

Amarrados aos leitos, aos amores

e a nós mesmos, a nós principalmente —

assim é que vivemos os errores

lá em nós dentro, em tempo diferente.

 

Amarrados aos hábitos preensores

de vícios presos lá no antigamente —

assim nós nos tornamos transgressores

de podermos viver gente com gente.

 

Sobre a areia do nosso sentimento

gostamos de escrever coisas ao vento,

coisas tais que nem nós sabemos ler.

 

Mas não desanimemos, temos jeito:

logo a gente se assume e encara o pleito —

o novo está no velho a renascer.

LA 06/007       S/100

 

 

Do Homem À Mulher

 

Tu vestirás, amor, em amplo senso,

somente a lua e o sol das estações.

E te verei viver em meu imenso

fruir teus dons em minhas sensações.

 

Como ninfa, duende, fada, incenso,

fêmea, mulher... nem sei quais mais visões...

sim, visões-sensações em tom intenso,

chamas, ardências, tis, crepitações...

 

Assim te vejo com hialino xale,

saia de brisa... assim, lírio-do-vale,

assim eu te verei em mim, por mim...

 

E assim és mais que dom, és graça, nume —

a femineza, a força, a luz, o lume

que trouxeste daquele irial jardim.

LA 06/007       S/101

 

 

A Beleza Das Formas...

 

A beleza das formas misturadas —

rosas seios colinas vulvas vales...

pernas colunas bustos rostos xales...

vaginas bocas conchas nacaradas...

 

A delícia de idéias formuladas —

cálice e umbigo nádegas e ondas...

peitos mamões reentrâncias falos sondas...

fêmeas machos mãos lis leitos amadas...

 

A nudez orvalhada de prazer,

o ondear do andar a pele o sol o mar...

o tato em olhos dedos a reler...

 

O charme o esguio o andar o rir-falar...

ventre-pernas-balanço-andar-leveza,

o todo, o todo a suar sua beleza

LA 06/007       S/102

 

 

Este Cantinho Está...

 

Este cantinho está mesmerizado —

rosas, musa, respingos de alegria...

E por ter nele um nume da poesia

vivo gostosamente apaixonado.

 

O meu fazer está mediunizado

da alma das coisas que é amorosa e espia

pelos poros de eu ter-lhe a companhia

em estado de um-só galvanizado.

 

Este cantinho está xamanizado

pelos gorjeios suaves do Espraiado

e o estrídulo clarim do bem-te-vi.

 

E neste estar aqui sempre embruxado,

que quero mais, amor, além de ti

e da vida o viver com algum trocado?

LA 06/007       S/103

 

 

Cara, Não Deixe A Coisa...

 

Cara, não deixe a coisa desabar,

e quando for cair, seja de pé.

Sim, corpo e mente sempre a trabalhar —

sincronizados como pé e chulé.

 

Cara, o negócio é nunca se entregar

para essa tal de depressão ralé,

mas procurar ( com charme ) tourear

os desenganos com um belo “olé!”

 

A vida é dura ( eu sei ) com seus insanos

logros e seus leais, fiéis enganos...

Mas que fazer com a sensação de perda,

 

senão tê-la por ganho... e se encantar, meu velho,

com o áureo zumbir do escaravelho,

sem lembrar que ele mora dentre a merda?

LA 06/007       S/104

 

 

Andei, Andei Nesse...

 

Andei, andei nesse caminho torto

que Deuspai sempre corta em linha reta...

Cortei um pau de espinheiral revolto

e dele fiz apoio, uma muleta.

 

E me fui por mim dentro, sem conforto,

angustiado pela via estreita,

pedras e areia... em volta tudo morto...

um sentimento de que alguém espreita...

 

Assim passei por terras de mim mesmo

( era preciso cultivar meu sesmo )

lá por veredas e caminhos meus...

 

E por terras do cão e do meu Deus —

eis outra estrada... e aroma em floração...

É que tinha florido o meu bordão.

LA 06/007       S/105

 

 

Em Seu Perfil...

 

Em seu perfil de pássaro molhado

vejo os meus cafunés a respingar...

Negros, não como as penas, mas o piado

do anu, são seus cabelos a contar

 

a lenda do marujo que, magoado

com a noiva, resolve lhe pintar

os cabelos de verde, mas gamado,

o capitão se lhe propõe casar.

 

( Já o marinheiro com a do capitão:

se casaram num porto logo à entrada... )

Lua-de-mel lhes foi jogar gamão —

 

o capitão, que era noventão,

fazia de maneira já esperada,

sim: desbragada e fartamente nada.

LA 06/007       S/106

 

 

                     I

Entramos Por Um Túnel...

 

Entramos por um túnel enganoso,

feito de tempo, guerra e sofrimento.

Universos rolaram no momento —

o cosmos se fez caos, e tormentoso.

 

O que era Um, agora é um duplo untuoso:

bem no mal, mal no bem: um só sarmento

( e duplo ): realidade e sonhamento

gerando vinho bom e venenoso.

 

O que era luz e plácido universo

degenerou-se em tredo multiverso —

um só mergulho em copioso engano.

 

Consciente, o nostos tem início: o humano

( com saudades de Deus, de si, de Casa ) —

agora em seu retorno em forma de asa.

LA 06/007       S/107

 

              

                  lI

Os AvataresVieram...

 

Os avatares vieram e ensinaram

o homem a recordar: saber-se luz,

buscando em si um rumo que o induz

à luz interior que lhe abafaram...

 

Dentre eles veio Um a quem pregaram

( o Verbo Santo, o Filho ) numa cruz:

derramaram Seu sangue em atos crus...

mas Seu rastro e caminho prosperaram

 

na Palavra: a verdade, a via, a vida

em que Ele se tornou: a renascida

esperança de redimir o Humano.

 

Nele lavamos essa roupa suja

chamada morte, indumentária cuja

tessitura foi nosso Grande Engano.

LA 06/007       S/108

 

 

Esquece, Que...

 

Esquece, que esquecer é o que te resta.

Esquece, que esquecer é o que te presta.

 

Esquece, que esquecer te faz ganhar.

Esquece, que esquecer vai te livrar.

 

Esquece, que esquecer faz esquecer.

Esquece, que esquecer faz renascer.

 

Esquece, que esquecer é o desafio.

Esquece, que esquecer é um longo rio.

 

Esquece, que esquecer é desmorrer.

Esquece, que esquecer te faz viver.

 

Esquece, que esquecer é sol que desce.

Esquece, que esquecer é a fé da prece.

 

Esquece, que esquecer te muda o tema.

Esquece, que esquecer faz novo poema.

LA 06/007       S/109

 

 

Já Que Morrer...

 

Já que morrer é tão sem graça, vamos

saborear as coisas que inventamos.

Já que morrer é traição, ah, temos

que fingir não ser bom o que não temos.

 

Já que morrer é obrigação, criemos

coragem de fazer o que gostamos.

Já que morrer é um desaforo, vamos

toureá-lo no tanto que podemos.

 

Já que morrer é prêmio garantido,

queimemos o bilhete a nós vendido

antes de ter nascido e aqui chegado.

 

Já que morrer dá o que não se pediu,

vá o gajo pra ponte que partiu!

.................................................................

E adiante, meu! Que atrás vem o tarado.

LA 06/007       S/110

 

 

Deixemos Ao Filósofo...

 

Deixemos ao filósofo niilista

as dores e o sem-nexo da existência,

os bastidores do universo, a essência

e seu não-ser, sua nenhuma pista.

 

Deixemos ao solene moralista

a arte de ensinar com insolência

o “fazer o que falo” ( na aparência ) —

com seu pudor e cara de onanista.

 

Longe deles, vivamos, minha Rosa,

ouvindo o riacho em murmurante glosa

entre as amoras e o fiar das horas...

 

Gozaremos o bem deste cantinho,

bebendo o vinho róseo das auroras

e construindo a dois nosso caminho.

LA 06/007       S/111

 

 

Coitadinha Da Inês...

 

Coitadinha da Inês, tão fragilzinha,

mais parecia a Barbie que pessoa —

salas, quartos, varandas e cozinha

ela os limpava aos mandos da patroa.

 

Inês, tadinha! sempre com a farinha,

ovos, leite, manteiga a fazer broa

ou bolinhos de carne, ou empadinha —

sim, dava duro como uma leoa.

 

— Por que Inês “tadinha”, Inês “coitada”?!

— Inês era a mulher-esposa, a dona,

que virou empregada da empregada...

 

E pasmem: adorou a dupla troca:

trabalha quase nua e gostosona

a achar qualquer tarefa sempre pouca.

LA 06/007       S/112

 

 

Marilyn’ Scar

 

Não, Marilyn, a tua cicatriz

não a deixa, jamais deixou imperfeita.

As rosas, sim, a gente até aceita,

é que ficam perfeitas imbecis.

 

As rosas contra os seios, que infeliz

troca! Esta, sim, foi infeliz, estreita

idéia do fotógrafo que quis

tapar a luz com treva rarefeita.

 

As rosas contra os seios ficam vis:

assim as rosas perdem a ternura

por pobreza à beleza contrafeita.

 

Não, minha cara, rara flor-de-lis,

a tua cicatriz não é imperfeita,

mas o contrário: angélica loucura.

LA 06/007       113

 

 

Que Delícia, Rosinha...

 

Que delícia, Rosinha, fazer nada

a não ser coisa alguma, bem nadinha:

comer, beber e aquela coçadinha,

virar pro canto, e a velha ressonada!

 

Deixar alguma coisa sempre adiada

e, ao fazer, só fazer de tardezinha...

Ouvir o telefone em tilintada

e dormir com o som da campainha.

 

Fazer nada de nada, ou seja: neca.

Preguiça até em tirar uma soneca

ou comer queijo fresco e goiabada.

 

Uma alimentação balanceada:

hortigranjeiros, sucos de algas-ulva...

porém, a sobremesa há de ser uva.

LA 06/007       S/114

 

 

Peladona E De Boné

 

Peladona és mais bela que vestida,

se bem que desvesti-la é afrodisia:

um molegandê vindo da Bahia

com sua areia um pouco mais ardida.

 

Sim, peladona és mais extrovertida,

se bem que prejudica a fantasia:

tudo quanto no imaginar se fia

é bem mais belo do que os dons da vida.

 

Gosto de andar contigo no pomar,

brincando de vagão e maquininha —

eu atrás e você a me puxar...

 

de trenzinho: uiiii-uiiii... telé-telé-telé...

... telé-telé-telé... você à frente minha —

gostosa, peladona e de boné.

LA 06/007       S/115

 

 

Tudo O Que Foi...

 

Tudo o que foi parece que não foi

senão sombras em séquitos hiemais...

difusas sensações pelo jamais

tê-las de volta... Deus nos abençoe!

 

Nos abençoe e guarde! O rato rói

não só aquelas tais roupas reais,

como as nossas... Já o tempo rouba mais

que o rato e os homens... pois nos rouba e mói.

 

Velhos sonhos perderam seu lugar,

agora estão ao lado, estão de pé...

Só a esperança teima em esperar.

 

E de tudo o que foi ( e já não é

senão lembranças rêmiges pelo ar ) —

ao menos nos restou o seu chulé.

LA 06/007       S/116

 

 

Vida E Sentido

 

Doido, cortou os pulsos da esperança

e se esvaiu de sonhos. Só ficou

com seu cansaço, tédio e desconfiança —

como o diabo gosta: se anulou.

 

Sim, entregou a vida como fiança

aos cínicos do mundo, e despencou

de si mesmo: trocou a confiança

em Deus, em si pelo que nunca achou.

 

Um dia, numa igreja à beira-estrada

( disse-me ) entrou com a alma ajoelhada

e pediu ao Senhor vida e sentido...

 

Disse-me que , na hora, uma ungida

força-alegria o deixou possuído

do dom de ter em si sentido-e-Vida.

LA 06/007       S/117

 

 

Reverto-Me Na Luz...

 

Reverto-me na luz original

em que me viajo em alma-sensações.

Comprei a grande preço as ilusões

que hoje dou, ou que varro pro quintal...

 

Por que cobrir o morto com a cal

e enterrá-lo com pás de escuridões?

Lá na fruteira existem dois limões,

vou fazer um sorvete bem legal.

 

Reverto-me no barro do começo,

assim quem sabe, meu Senhor, esqueço

tudo o que amei e a vida me levou.

 

As águas que subiram nos ilharam...

Sonhamos ou os sonhos nos sonharam?

Sei lá! Mas não saber não ajudou.

LA 06/007       S/118

 

 

Querer Mudar...

 

Querer mudar o mundo é infantil,

é a gente que tem de se mudar —

sim, para isso tem que madurar,

senão, como se ver um imbecil?

 

É sempre individual todo mudar —

ninguém que muda o faz pra ser gentil,

fá-lo a si, gradualmente e bem sutil...

Não foi fácil jamais se suplantar.

 

Geralmente, depois que se mudou,

a gente vê o mundo diferente —

procura não vender o que comprou...

 

Aos que chamava amigos já não chama,

o que amava, em geral, também não ama...

O cara viu... e viu-se de repente.

LA 06/007       S/119

 

 

Se O Amor Não É Tudo...

 

Se o amor não é tudo, é o suficiente

para irmos construindo a nossa vida.

O que teve uma infância guarnecida

tem sempre forças pra seguir em frente.

 

Por mais seja a família dividida,

há sempre alguém que é gente com a gente,

e esse afeto reforça o adolescente,

o moço, o homem, toda a sua vida.

 

Esse começo familiar de amar

e se sentir amado é imprescindível

para a vida do adulto deslanchar...

 

Ele é que vai tornar tudo possível

ao que crê no que está a trabalhar —

transforma o impossível em factível.

LA 06/007       S/120

 

 

Só, Bem Sozinho Em Mim...

 

Só, bem sozinho em mim, vou desfiando

segredos que interessam só-apenas

a ninguém mais que eu, sem onde e quando,

como ou porquê, cumprindo ( suaves ) penas

 

perto daquelas tais ( em nada amenas )

de bilhões de pessoas sob o mando

de ferro e fomes reiterando cenas

entre lacrimejando e dessangrando.

 

Sim, todos nós cumprimos penas, seja

porque os nossos pais sujaram a água

do lobo social que bebe acima...

 

seja porque o regato, em outro clima,

nem existia... Desamor e inveja

a gerar seus iguais: fráguas de mágoa.

LA 06/007       S/121

 

 

Plange Queixoso O Vento...

 

Plange queixoso o vento na rabeca

do esquelético outono, a resmungar.

Rodopia o amarelo em dança seca:

folhas em seu adeus a dispersar...

 

Agora, já não chora ou ruge: impreca

em virtude de o corpo lhe espetar...

e faz dançar, dançar essa moleca

que há em cada rama a rir, a suspirar...

 

Outono é um bom velhinho rabugento

a olhar o céu pedrento, branquicento,

a bocejar de tédio e a se coçar...

 

Outono é a estação do entardecer...

O inverno o vestirá de seu branco talar...

e ambos incubarão o renascer.

LA 06/007       S/122

 

 

Esperar Só É Bom...

 

Esperar só é bom enquanto a espera

é viva fé em algo/alguém que vem.

Por isso é bem mais bela a primavera

que no inverno se sonha logo além...

 

O sonho e a espera são tal como a hera

e a parede... sim: como a prece e o amém.

Quem não sonha também jamais espera,

quem não espera faz de si refém...

 

O homem vê o que quer, aí o perigo

de trocar o nariz por seu umbigo

e pretender ouvir ecoado amém.

 

Sim, esperar é bom quando sonhar

traz em si como dom ou maior bem

o prazer de construir e de esperar.

LA 06/007       S/123

 

 

Se Em Si Guardou...

 

Se em si guardou ( quem morre ) uma semente

do que sonhou e fez frutificar,

então morrer-lhe é apenas germinar

sua jornada em nova luz nascente.

 

Há um caminho que é luz na luz da gente —

o sonho nosso em Deus a nos sonhar...

Em nos perder podemos nos ganhar

quando esse ganho anula o antecedente...

 

Um movimento em outro movimento,

um sonho sempre dentro de outro sonho,

um chegar que é partir no seu chegar...

 

E esse semear já traz em si o intento

de renascer com o desejo inconho

de suplantar-se em cada germinar.

LA 06/007       S/124

 

 

O Poeta É Intérprete...

 

O poeta é intérprete da realidade.

Realidade exterior e interior.

Cuida igual da mentira e da verdade,

igual da vida e morte, igual do amor

 

e ódio, da opulência e sobriedade,

e igual, igual da guerra e seu furor,

igual da paz e sua amenidade

e da canção igual a seu cantor.

 

Igual do bem, do mal, do mais além...

O poeta, claro, o real interpenetra,

e assim, interligado, ele o interpreta.

 

Sim, interpreta e não se faz refém,

pois que não é aquilo que interpreta —

assim não fosse ele não fora poeta.

LA 06/007       S/125

 

 

Quero Que Fiques, Rosa...

 

Quero que fiques, Rosa, após o vento

loucamente amoroso te espalhar...

Após o sol beber-te em sonhamento

e o licor desse corpo te aspirar.

 

E abraçada com as flores ao relento

cravejado de estrelas a espiar...

E nos ares em grácil movimento

ajudes a beleza a se recriar...

 

E tilintes teu riso de alegria

e já troques de nome com Maria...

e a cubras com o teu despetalar.

 

E assim fiques na música e no canto

dos versos de que és a alma e o acalanto —

o prazer que floresce em te lembrar.

LA 06/007       S/126

 

 

Um Charme

 

Um amigo dizia que o homem nasce

com um potencial danado pra canalha.

Nem precisa ajeitar a sua face —

é só mostrar-lhe a máscara... e lhe calha.

 

E a canalhice em nada o atrapalha:

o mundo a ama e não lhe causa impasse.

Bem ao contrário, acolhe-o e lhe dá passe —

se não for um canalha de migalha.

 

Se for um canalhinha, um pé-rapado,

desce-lhe o pau, acaba com o safado,

que vai apodrecer e até evapora...

 

Um charme ser canalha de verdade:

um glamour, um tesão. Mundão adora —

aplaude, reelege e tem saudade.

LA 06/007       S/127

 

 

Aquele Copo ( Lembra? )...

 

Aquele copo ( lembra? ) de veneno

que se encontrava em cima do piano...

aquele copo ouviu a ouvido pleno

tantas canções que foi ficando humano...

 

Aprendeu a chorar com o desengano,

aprendeu a sorrir em tempo ameno —

a transbordar o pires, não pequeno,

e a tilintar feliz em meio ao engano...

 

Mais o piano tocava em notas claras,

mais o copo dançava em voltas raras

sobre o pires hialino em cantilena...

 

E o bailarino em cima do piano

um dia foi tossir ( já tão humano! )

e, tossindo, se engasga, engole... e se envenena.

LA 06/007       S/128

 

 

... Aí Eu Despulava...

 

...aí eu despulava-te a janela

e caía nas mãos da madrugada,

a brisa escura... às vezes bem gelada,

a arder-me a vista ainda a ver-te nuela

 

dentre a penumbra trêmula da vela:

o teu corpo de rosa e de alvorada,

a pele de suores orvalhada

cheirando a murta, a anis, ou a canela...

 

A passos largos ia saboreando

cenas coladas, bem selecionadas

num desfile gostoso pela mente...

 

Chegava e me deitava regiamente,

as mãos ainda quentes e cheirando

a camélias, camélias desfolhadas.

LA 06/007       S/129

 

 

Quando A Abracei...

 

Quando a abracei pela primeira vez,

foi na praça e era bela a madrugada...

O roseiral em volta a dizer nada,

nada além que gritar: Pega-a de vez!

 

Abracei-a uma vez, dez, vinte e três...

Foi aí que senti a minha amada

um jasmineiro em flor, uma braçada

de ébrias flores de um páramo holandês.

 

Quando a primeira vez eu a beijei

sorvi-lhe estrelas e canções da boca —

quase afoguei, pois fundo garimpei.

 

Já quando fiz amor, achei-lhe a toca

divinamente feita para mim —

por isso amá-la nunca teve fim.

LA 06/007       S/130

 

 

As Trevas Medievais...

 

As trevas medievais ainda salpicam

a humanidade. A luz da consciência

queimando-as vai, mormente as que se imbricam

a sobrepor-se à religião e à ciência.

 

As trevas medievais amiúde implicam

o sistema de mando e truculência —

os que tolhem, amarram, prejudicam

para dar seguimento à subserviência.

 

Liberdade, se a há, é interior.

Conhecimento e entendimento são

o antiaguilhão grupal libertador.

 

Precisamos lembrar que somos luz

e, com ela ( seu nume nos seduz )

podemos incendiar a escuridão.

LA 06/007       S/131

 

 

Você De Vez Em Quando...

 

Você de vez em quando se supera

e vê-se: um você-mesmo bem maior —

outono e ao mesmo tempo primavera,

escuro e ao mesmo tempo resplendor...

 

Você então sai de sua humanidade —

experimenta o mais além de si,

algo que salta para a eternidade...

E logo volta a ouvir o bem-te-vi.

 

Mas viu-se, qual filtrado por cristais,

algo em si mesmo que ( infinito ) se ergue

a fim de ultrapassar-se, de vencer-se...

 

Claro sentiu-se, viu, sentiu-se mais —

viu que as coisas são mais, como o iceberg...

Sim, viu que o ser está via de ser-se.

LA 06/007       S/132

 

 

Sofrer, Nega...

 

Sofrer, nega, de vez em quando é bom,

agora, todo dia já é vício

do gênero cavar no precipício

em busca de um centavo ou de um bombom.

 

Sim, peça a Deus a livre desse dom

de transformar a vida num cilício,

a prometer-se, como num comício,

palavras mortas logo após o som.

 

Sofrer é bom, pero no mucho, nega.

Corra a tristeza e deixe que a alegria

lhe faça cafuné no coração.

 

Sofrer é bom, mas sofrer muito cega

aquela doce, vasta sensação

de conversar com Deus no dia-a-dia.

LA 06/007       S/133

 

 

Tua Beleza, Rosa...

 

Tua beleza, Rosa, entremadura,

dá uma vontade louca de colhê-la.

Faz florescer os dedos de ternura,

insalivando o sonho irial de tê-la.

 

Tua beleza, Rosa, é a divinura

que rolou do jardim de conhecê-la...

Ainda traz o gosto e a formosura

do instante-queda com sabor de estrela...

 

Tua beleza, Rosa, é o doce engano

de o homem se fazer mortal e humano

para provar o que era só de Deus...

 

Tua beleza, Rosa, abriu os céus

na consciência da humana criatura —

uma escada entre a argila e a excelsa altura.

LA 06/007       S/134

 

 

Nos Teus Braços Morenos...

 

Nos teus braços morenos pus o sonho

de ser menos patético-sozinho,

construir com consciência um cantinho

lá em corpo e alma de um viver inconho.

 

Um viver nem por isso tão risonho,

mas ciente dos tropeços do caminho,

dos dias de tomar seu agro vinho,

porém de realizar o humano sonho.

 

Sim, o sonho de ser gente com gente,

em nada tão igual nem diferente —

trabalho, tino com sabor de “ousemos!”

 

E quisemos, ousamos e fizemos.

Foi bem menor a nossa luta e dor

do que esse nume em nós chamado amor.

LA 06/007       S/135

 

 

A Saudade Me Traz...

 

A saudade me traz a tua face

e o teu sorriso a me dizer: Que frio!...

Flores, jardim e o mimo do arrepio

de um vento fino e fresco feito a alface.

 

A gente então subia ( ouvindo o rio )

pela longa avenida, qual se amasse

andar no frio sem nenhum impasse —

olha o vento no fio em assovio!...

 

A noite outono-inverno, muito azul,

e a lua fria, toda decotada,

acenando com a mão esquerda ao sul...

 

No seu alpendre, a noite se aquecia

naquela sua manta esverdeada...

E a gente era feliz, e já sabia.

LA 06/007       S/136

 

 

Matador

 

Matava cobras e mostrava o pau,

dizia ele, sempre a se gabar.

Um sujeito grandão, não era mau,

manso, educado, doido pra falar.

 

Não era brabo como Menelau

que não gostava de compartilhar...

Não, não: tomava sopa e até mingau —

não era assim tão fácil de magoar.

 

Era enrolado e fanho e atropelava

as palavras de tanto que falava —

comera um embornal de mamangava...

 

E ao fim de cada causo que assoprava,

dizia em tom machudo de homem mau:

Eu sempre mato a cobra e mostro o pau!

LA 06/007       S/137

 

 

Não Fora Querer Muito...

 

Não fora querer muito, minha Rosa,

te pediria a honra desta dança

dentro desta penumbra perfumosa

à luz da vela tremulando mansa...

 

Não fora querer muito, minha Rosa,

pediria guardasses na lembrança

minha boca entre os seios ( murmurosa ),

minhas mãos nas colinas que balanças...

 

Não fora muito, Rosa, muito egoísmo

pediria afagasses na memória

esse ritual, nosso sublime truísmo.

 

Não sendo muito, Rosa, pede ao vento

espalhe devagar este momento —

esta beleza eterna porque inglória.

LA 06/007       S/138

 

 

O Mar E Amar

 

Se o mar tem suas ondas, teu andar

as tem mais belas. Se ele tem procelas,

tu tens as ruas, tens as passarelas,

e não sei qual dos dois faz mais ondear.

 

Se o mar marulha e faz arrebentar

suas flores de espumas e aquarelas,

tu fazes sussurrar coisas mais belas,

se bem que não com menos tempestuar.

 

Se o mar tem viajares e aventuras,

tens sonhares e dunas divinuras.

 

Se o mar tem vastidões de se perder,

tens uma enseada só de se morrer.

 

Se há milhões de perigos pelo mar,

em ti é bem mais fácil naufragar.

LA 06/007       S/139

 

 

Quero Dançar Contigo...

 

Quero dançar contigo à lua, ao vento,

ao lado tendo lírios invejosos,

rosas rivais de riso peçonhento

e olhares circunstanciais, gulosos.

 

Quero dançar contigo em sonhamento

de violinos-punhais gemendo gozos

sobre o irial de vitrais bordando cruento,

no chão do templo, seus gestuais gloriosos.

 

Quero dançar contigo aglutinado

como dois termos num: unificado

e tendo um outro e só significar.

 

Sim, contigo dançar na última corda

de um solo instrumental que nos acorda

a um viver que se deixa musicar.

LA 06/007       S/140

 

 

Madrugada Fria

 

Lorca cavava a sua sepultura

enquanto a soldadesca esperava.

Lorca suava em sua angustura

enquanto a soldadesca o espiava.

 

Lorca cavava a sua sepultura

enquanto a soldadesca aguardava.

Lorca escutava a gargalhada crua

enquanto a soldadesca o vigiava.

 

Lorca cavava a sua sepultura

enquanto a soldadesca debochava

dele cavando a sua vala obscura.

 

Lorca cavou a sua sepultura...

A soldadesca, pronta, disparou.

Lorca tombou na sua cova escura.

LA 06/007       S/141

 

 

Tinha A Cintura Quente...

 

Tinha a cintura quente a espanhola

e um gestual de rosas torturadas.

Não sabia estalar as castanholas,

mas tinha contorções espiraladas.

 

Tinha a boca fervente a espanhola,

bordas carnudas, bem congestionadas.

Os seus peitos redondos como bola

pareciam corolas emborcadas.

 

Tinha pernas veementes a espanhola,

um jeito de pisar que dilacera,

um bordado no andar feito menina.

 

Tinha ilhargas ardentes a espanhola,

uma ilheta de um riso qual de cera —

dois gomos de rosada tangerina.

LA 06/007       S/142

 

 

Quando As Murtas Recendem...

 

Quando as murtas recendem em abril

e a brisa matinal sopra ligeira,

então me vem tua figura inteira,

tão leve e esguia quanto juvenil.

 

O teu busto, a cintura e o quadril

formam, os três-em-um, uma fruteira...

uma taça elegante e prazenteira,

encimada de um rosto bem gentil.

 

Tuas pernas desenham arabescos

pela 13 de Maio, em gestos frescos,

respingados de charme e femineza.

 

Assim chegas da escola, algo cansada,

mas sempre alegre, e te abro, com presteza,

o portão a cantar com a tua chegada.

LA 06/007       S/143

 

 

Vento Furioso, Fero...

 

Vento furioso, fero vento. Em bando

fogem as folhas, fogem com o vento,

amareladamente voando, voando,

levadas pelo vento nevoento...

 

Marina deve estar nesse momento

sonhando colorido, sim: sonhando

enquanto dorme sem saber do vento,

da vida e o mundo nem de onde e quando...

 

Agora chove, e a chuva é muito fria,

no entanto, em ver-ouvi-la há uma alegria,

não maior do que o sono de Marina

 

que dorme a sono solto e tão divina,

divinamente em dormição macia,

mas nem por isso menos fescinina.

LA 06/007       S/144

 

 

Os Homens Usam A...

 

Os homens usam a verdade como

mentira e esta qual fosse verdade —

assim a economia tem um gomo

que vende como lucratividade.

 

E outro que vende como insaciedade

e escreve a cada dia mais um tomo

de sua fabricada realidade

a cada dia a lhe esperar o assomo.

 

A verdade é a mentira realizada,

a mentira é a verdade conquistada

e entre uma e outra sempre anda a guerra.

 

E na guerra é mentira como terra.

De tal modo a mentira é constituída,

que a verdade dos homens não tem vida.

LA 06/007       S/145

 

 

Por Onde É Que Andará...

 

Por onde é que andará ( se ainda anda )

Lolita? Já juntamos nossas águas,

fizemos crepitar as nossas fráguas

num tempo e charme a recender lavanda.

 

Já velejamos com a alma panda,

tivemos raros risos, belas mágoas...

Juntos erguemos férvidas anáguas —

cilindramos o amor pela calandra...

 

Lolita amava o “multi”, a variedade

( namorava um punhado de rapazes ) —

era a unidade na diversidade.

 

Brigava, e à tarde já fazia as pazes.

Queriam-na como exclusivo bem...

mas Lolita não era de ninguém.

LA 06/007       S/146

 

 

Melhor Do Que...

 

Melhor que dizer tudo é dizer nada,

melhor do que fazer é comprar feito.

Melhor do que aceitar é ser aceito,

melhor do que pegar é a pegada.

 

Melhor do que um boi é a boiada,

melhor do que ser vice é ser o eleito.

Melhor que ser eleito é ser reeleito,

melhor do que o marmelo é a marmelada.

 

Melhor do que ser preso é ser suspeito,

melhor do que o limão é a limonada,

melhor que o torto é o torto que é direito.

 

Melhor do que a sala é a salada,

melhor que a fome é mamar no peito,

melhor do que amarrar-se é achar a estrada.

LA 06/007       S/147

 

 

Os Tempos Já Se Encontram...

 

Os tempos já se encontram sazonados,

suas sementes cairão no chão

de outros tempos apenas refolhados —

fininício de civilização.

 

Os tempos se farão reprocessados —

nova consciência com destinação:

lá no fundo de todos os passados

o presente terá futuração.

 

Ser-tempo-consciência: a direção,

o para a frente dos predestinados —

o cosmo em multifária evolução.

 

Lá nos caminhos internalizados

da santa Criação em recriação

os fatos se reciclam coordenados.

LA 06/007       S/148

 

 

O Saber Não Rentável...

 

O saber não rentável hoje em dia

( e o dedicar-se à arte ) é quixotesco.

O homem quer poder, quer hierarquia

e o que o dinheiro dá: dom nababesco.

 

Empresa de malucos, ousadia —

o conhecer avulso: isolamento,

marginalização, aleivosia...

Sim, custa caro o para-entendimento.

 

O espírito de clã, os carreiristas

o amanhã profetizam, arrivistas,

vendendo a vida a preço de mercado.

 

Não tema o louco o seu entendimento

de si, do mundo: o seu conhecimento

ser-lhe-á tão belo quanto é isolado.

LA 06/007       S/149

 

 

Se é Hora De Entregar...

 

Se é hora de entregar os seus anéis,

faça-o e dê graças pelo que lhe resta.

Quando não pode ser rei da floresta,

que o leão ruja em outros decibéis.

 

Quando não têm recheios os pastéis,

que a mágoa nunca se aparente esta,

mas que nos sejam seus vazios festa,

e os azedos da vida lembrem méis...

 

Loucura? Não, tão-só transformação

do que não era no que possa haver —

e mãos à obra pela reversão!

 

O que não foi tá doido para ser...

e para ser precisa de razão

que a desrazão nos faz acontecer.

LA 06/007       S/150

 

 

Belas, Lindas As Tardes...

 

Belas, lindas as tardes de domingo.

Encontrava-a vestida de saudade,

saudade decotada, flor se abrindo,

no busto respingando suavidade...

 

Tê-la nos braços era um conto lindo

que a gente folheava até que a tarde

virasse noite e a noite já engolindo

os últimos festões de claridade.

 

Com o lençol já todo desfolhado,

olhávamos as horas e ( sensatos... )

marcávamos o próximo programa,

 

prestos, a nos vestir... Nossos sapatos,

era tocante vê-los lado a lado

olhando pasmos bem aos pés da cama.

LA 06/007       151

 

 

As Estátuas Fabricam...

 

As estátuas fabricam a memória

segundo os que dominam o momento.

E vão se acomodando com a história                               

que as recicla em seu pluricabimento.

 

Sua fabricação joga com a glória

e o fracasso no seu mais vário intento:

forjar o grupo-consciência-escória

a fingir-lhe constante livramento...

 

Sim, as estátuas contam o que querem,

até que outras histórias as superem —

os heróis e os bandidos se sucedem.

 

E assim todos os povos sempre pedem

um novo e urgente herói para o lugar

daquele que acabaram de execrar.

LA 06/007       S/152

 

 

Os Bárbaros Virão...

 

Os bárbaros virão a qualquer hora,

se de perto ou de longe, não o sei.

Se pela noite, à tarde ou pela aurora,

isso também não adivinharei.

 

Só sei que os bárbaros a qualquer hora

racharão o horizonte com seu rei...

Só sei que sua vinda não demora,

logo estarão aí com sua grei.

 

Donde virão, para onde vão, também

não sei. Se vêm com pais e seus avós

também não sei. Só sei que sempre vêm.

 

Sim, de qualquer lugar talvez se esgueirem...

Quem são? Ah! não são flores que se cheirem...

Os bárbaros, meu filho, somos nós.

LA 06/007       S/153

 

 

Sim, Ela Dança...

 

Sim, ela dança tango sem bandônio —

só precisa de apoio sob as costas...

Aí bota neurônio com neurônio

em sinapses surreais pelas encostas...

 

Sem Gardel nem bandônio ela dançava —

só precisava de um trivial lençol...

Sem roupa alguma ela se trajava —

lhe era bastante a luz da lua ou  sol.

 

Era a beleza solta em pessoa,

sempre lindona e para lá de boa,

Ofélia nunca teve uma frescura —

 

escancarava as pernas sem mesura

e ordenava risonha a remexer:

Vem, nego, vem, e fode pra valer!

LA 06/007       S/154

 

 

Brincar, Brincar É Bom...

 

Brincar, brincar é bom, senão morremos

de seriedade, e nos rirão das dores.

Flores é bom, porém, aquelas flores

que tens por todo o corpo, e as sabemos.

 

Brincar, brincar é bom, e é o que temos

de graça e à mão. Á mão, minha Dolores.

Suavizar os nossos dissabores,

por certo, foi com a infância que aprendemos.

 

Por isso mesmo, nega, não deixemos

ninguém venha quebrar nossos brinquedos,

nem sujar nossas águas de seus medos.

 

A vida é uma pinguela que balança.

Nada de extremos, nega. Sim, fiquemos

com a fé, o amor, o riso e a esperança.

LA 06/007       S/155

 

 

No Ninho Dos Teus Seios...

 

No ninho dos teus seios aprendi

a gostar de coelhos, a pegá-los

pelo focinho e dorso, e revirá-los,

lento, de cá pra lá, daqui, dali...

 

E voltar a afagá-los a intervalos

pautados pelo ardor e frenesi...

Sorvê-los feito uvas ou caqui,

e, com amor infindo, trucidá-los...

 

Com o rosto a roçar nessa ninhada,

ou prendendo-os debaixo do meu peito

a lhes sentir bicada após bicada...

 

Assim a ave do tempo, em vôo perfeito,

borda-me seus rasantes de gorjeios

enquanto afago o ninho dos teus seios.

LA 06/007       S/156

 

 

Bom É Lembrar Você...

 

Bom é lembrar você nesta manhã

de uma chuva de azul quase irreal,

você a deslizar num tobogã —

rosto de lis e olhos de cristal.

 

Bom é lembrar você esta manhã,

uma lembrança doce e atemporal,

desenhada por brisas na romã

ou desfolhada pelo roseiral...

 

Bom é lembrar você sem saudade —

tê-la fora negar a suavidade,

o bom, o belo de lembrar você.

 

Bom é lembrar você como um tesouro

que o tempo já roubou, mas cujo ouro

deixou um brilho que se sente e vê.

LA 06/007       S/157

 

 

Tarde Sem Data No...

 

Tarde sem data no Planeta Terra.

Tarde. Tarde puxando o anoitecer.

Vamos bem. Obrigado. Sempre em guerra.

Uma ciranda infinda a se comer.

 

Aqui só uma coisa não emperra —

a iniqüidade solta e pra valer.

Aqui o boi gorjeia e a pomba berra,

com determinações a prescrever.

 

Estamos ainda à porta da Caverna,

com presunções de a coisa ser eterna —

querem a vida ( pois! ) mumificar.

 

Mas há um conforto em meio à paranoiescência:

uma coisa não podem segurar —

a expansão do universo e da consciência.

LA 06/007       S/158

 

 

Tu Pinheiro Mais Alto...

 

Tu, pinheiro mais alto, acaso viste

o meu amor passar numa embaixada

de quatro bolas... toda ondeada, ondeada

com muito, muito charme e nenhum chiste?

 

Tu, pinheiro pequeno ( e meio triste ),

acaso viste a minha bela amada

com seu andar de palma... delicada

quanto maldosa... acaso a viste, a viste?

 

Pinheiral, pinheiral de seios-pinha

iguais aos dela, tão iguais aos dela,

acaso viste, amigo, a amada minha?

 

Acaso viste, amigo, a minha bela,

que é tão bela, tão bela, pinheiral,

tão bela que talvez me faça mal?

LA 06/007       S/159

 

 

Um Tilintar De Prata...

 

Um tilintar de prata, um quê de rosa,

aquela voz caía fundo em alma,

brisa morna através de fina palma,

marulhar a fazer poesia em prosa.

 

Um tilintar claríssimo, uma glosa

de fino repentista em tarde calma...

o escorrer pelo rosto de uma lágrima,

uma lembrança entre azul e rosa.

 

Finos talheres que jamais usei,

taças cantando um sonho cor de vinho,

voz hialina dizendo o que nem sei.

 

A rosa, a prata, a voz: esse o caminho —

lembrança sazonada de um outono

caindo como folha ao abandono.

LA 06/007       S/160

 

 

Pedras De Orvalho Escorrem...

 

Pedras de orvalho escorrem da folhagem,

viram colares a quebrar no chão.

E em tudo isso a tua verde mão,

que as plantou, se escondeu entre a ramagem.

 

Também as vozes deste casarão

se esconderam no musgo, nas avencas,

nas bananeiras de mirradas pencas

de um tempo que migrou para o já-não.

 

Tempo que dorme o sono das papoulas

no arrulho roxo de sozinhas rolas

na tarde quase noite da existência.

 

Tempo tornado em úmida saudade

que só encontra a sua consistência

na beleza ser gêmea da verdade.

LA 06/007       S/161

 

 

Teus Seios: O Jardim...

 

Teus seios: o jardim onde me espera

o sonho que viveram nossos pais.

Reinventando sempre a primavera,

pegaremos as trilhas dos florais.

 

O amor tirou as máscaras de cera,

olhamo-nos com faces mais iguais.

Hoje a vida é bem mais do que nos era.

Ouve: é o vento em seu On... nos pinheirais...

 

Gorjeios e festões por entre os ramos

sob os quais muitas vezes nos amamos

tal como quem o faz primeira vez.

 

O céu é lindo como ver-te andando...

Beijar-te é como ter asas nos pés...

Amar-te é um sonho apenas começando.

LA 06/007       S/162

 

 

De Madrugada

 

Brando, passo-lhe a mão na passarinha,

e ela gorjeia “sins” de assanhamento.

Todo o quarto se torna um firmamento,

até o sabiá cantar de manhãzinha.

 

Ela parece potra raspadinha —

brilho macio com aprazimento

no alisado das ancas, polimento

na maciez do pêlo que acarinha.

 

E bela, muitas vezes bem mais bela

que essas tais que martelam passarela

com pernas de bambu e ossos expostos.

 

A minha nega ( sei: há muitos gostos )

tem pelo corpo rosas e tulipas...

Vê-la pelada me arrepia as tripas.

LA 06/007       S/163

 

 

Quando Havia Marujos...

 

Quando havia marujos e sereias,

aqueles tais não raro as possuíam

amarradas ao mastro às luas-cheias

e estas ( dizem ) cantavam e gemiam...

 

Mas um canto e um gemido que se ouviam

por toda a terra e mar, dentro das veias

de quem ouvia e assim os induziam

a amores desbragados a mãos-cheias.

 

       E, assim, povoou-se a terra rapidinho, —

maresia e luar com muito vinho

e um vento sempre morno e alcoviteiro.

 

Por isso é que se ouve volta e meia:

todo homem tem um quê de aventureiro,

toda mulher um pouco de sereia.

LA 06/007       S/164

 

 

A Lagartixa, Nega...

 

A lagartixa, nega, deixa o rabo

pra não perder a vida. Nem por isso

deverias vender-te para o nabo

do mundo, já que és mais que aquele bicho.

 

Longe de moralismo, nega. Ao cabo

de pouco tempo vês que é desserviço

ao amor-próprio ( à vida! ) pôr o rabo

ao repasto do mundo pegadiço.

 

Aliás, é mais que isso: é desaforo

entregar-se à mundana correnteza

de amém após amém cantado em coro.

 

Quanto ao sentido, à verdade, à beleza...

A gente vai pensar ou ser pensado?

A gente vai sonhar ou ser sonhado?

LA 06/007       S/165

 

 

Vingança

 

Por teu corpo de rosas e de lises

quero colher gostosamente o amor.

Quero colhê-lo sem as cicatrizes

das tristezas e mágoas, sem pudor.

 

À luz dos irisados chafarizes,

quero beijar-te os seios com fervor.

E à sombra da beleza, bem felizes,

sorveremos serenos seu frescor.

 

Depois vamos nadar no grande rio,

onde uma ninfa com timbó ( e no cio )

te envenena. Te dou um vomitório —

 

te salvo. E nós, ante ela, em tom finório,

nos vingamos: por mais de um mês fodemos.

Sim, tanto, Inês, que de foder morremos.

LA 06/007       S/166

 

 

Sonexo

 

A pouca luz é o charme do bordel.

O ferrão sempre vem depois do mel.

 

Mulher bonita é o maior perigo,

é sempre amiga do melhor amigo.

 

Quando a inquietude com o tesão acaba,

tudo o mais, minha amiga, nos desaba.

 

Falar mal, falar bem, depois de eu morto,

francamente, isso fora um triste aborto.

 

À medida que o fim nos fica claro

viver se vai tornando belo e raro.

 

Devo ao garoto, ao jovem que eu fui

o saber que sou muitos num que flui.

 

Há, sim, um cemitério de elefantes —

é pra lá que me levam os instantes.

LA 06/007       S/167

 

 

A Ciência Caminha...

 

A ciência caminha por errância,

por veredas em seu jamais findar.

Precisa, pois, de alento e exuberância

no pesquisar do seu repesquisar.

 

A teoria lhe é tudo: a força-ânsia

pelos degraus do seu teorizar.

E entre teorias mora a velha instância

entre seu inspirar e expirar...

 

Logo adiante do além há outro além,

e é a mesma coisa em toda a Criação:

há sempre o além do mal e o além do bem.

 

Não saber é o brincar que mais atrai.

Sim, não saber é a nossa diversão —

o maior bem da casa de Deuspai.

LA 06/007       S/168

 

 

Para Chorar Os Mortos...

 

Para chorar os mortos, minha amiga,

já faz tempo que a humanidade investe

no plantio de árvores-cipreste —

terceirizando o choro à moda antiga.

 

Que o vento e os ramos chorem, e prossiga

a vida em sua festa e sua peste.

Ninguém finja de morto e faça o teste (!)

pra ver se algum chorar se lhe persiga...

 

Enquanto a vela tem pavio e cera,

degustemos o inverno e a primavera

com todo o amplo direito de os viver.

 

Quando nos vier o último chamado,

entreguemos a casa de bom grado,

sabendo que há outras formas de se ser.

LA 06/007       S/169

 

 

E Esse Vento Chorando...

 

E esse vento chorando no lá fora?

É um conforto somá-lo ao meu tormento:

ver que está nele aquele que em mim chora —

companheiros de um mesmo e só lamento.

 

Este vento me ensina a ser o vento

enquanto no lá fora passa e esflora

ramos que sou eu mesmo no momento

de ouvi-lo e sê-lo no por dentro e fora.

 

Somos diversidade na unidade,

o alfa, o ômega, o uni e o verso...

sim, unidade na diversidade.

 

Somos o longiperto de um momento

em que cabe num pingo o universo

e tudo é um: um som, um om... e o vento.

LA 06/007       S/170

 

 

A Lareira Crepita...

 

A lareira crepita, a alma medita

com saudades de Deus nas labaredas.

Línguas de fogo dóceis como sedas

sugam flavas a lenha que crepita.

 

Reverberar de flamas leves, ledas

se enrolam rubras no ar que as delimita.

Cabeleiras em chama... o vento agita

as contorções de belas labaredas.

 

Lá fora ruge e mia o inverno: o vento...

Cá dentro vozes,  timbres, burburinho...

Declamam um poema nevoento.

 

Entre canções e risos, chistes, graças,

alegres vozes com tintins e vinho

somam risadas a hialinas taças.

LA 06/007       S/171

 

 

Eram Dias De Estudos...

 

Eram dias de estudos concentrados,

à luz do candeeiro a meditar...

A fugir dos irmãos arreliados,

ia para o quintal para estudar.

 

O pé de carambola, com esgalhados

ramos, sempre bondoso a me abrigar...

Meus candeeiros ali dependurados

davam-me lume para pesquisar.

 

Ali ficava até os irmãos dormir.

Depois subia para a velha mesa,

ali a mãe cortava e costurava.

 

       Preparava-me sério pro porvir.

       Sim, costuras e estudos com presteza...

       Minha mãe costurava, eu estudava.

       LA 06/007       S/172

 

 

Quando Estrondavam Temporais...

 

Quando estrondavam temporais e o mundo

dava mesmo a impressão de desabar,

a minha avó, num pânico profundo,

puxava-me pro quarto pra rezar.

 

Com as pernas bambas, um olhar sem fundo,

ela pegava as palhas a queimar

num círio, ajoelhada, o olhar rotundo

e mais redondo a cada estalejar...

 

Palhas bentas queimando ao círio bento...

Doía ver que minha avó chorava

por tudo aquilo que me deslumbrava —

 

a beleza raivosa e exuberante

dos temporais em fúria estrondeante,

a chuva grossa e sobretudo o vento.

LA 06/007       S/173

 

 

Sua Voz Molda Flores...

 

Sua voz molda flores de cristal,

suas pernas desenham ao passar,

seus peitos apreciam perfurar,

sua boca até fala bem do mal...

 

Seu andar lembra o vento no trigal,

seu sentar lembra o cisne a meditar,

seu sorriso é o divino do sonhar,

seus olhos têm um quê filosofal...

 

Suas ancas fabricam doces favos,

seu ventre tem o ritmo de um rito,

seu jeito sabe até fazer escravos.

 

Suas doçuras têm divinos travos.

Seu “sim” é o que já vi de mais bonito,

seu “não” faz desabar meu infinito.

LA 06/007       S/174

 

 

Há um Gorgolejo Claro...

 

Há um gorgolejo claro, azulizante

no Espraiado que escorre a meditar,

levando o céu de junho exuberante

por sua canaleta a gorjear.

 

O bem-te-vi lá longe, petulante,

sempre incluindo alguém no seu cantar.

Mais perto, pelo asfalto, ouve-se o chiante

sussurrar de pneus a encachoeirar...

 

Uma chuva de azul toda incrustada

de ouro e cristais pela manhã flameada,

manhã mimada e cheia de chiquê...

 

Se há um sorriso no ar e por mim dentro,

se há sentido e alegria no momento,

é porque tudo faz lembrar você.

LA 06/007       S/175

 

Minha Nega Jamais...

 

Minha nega jamais dorme de touca

nem leva desaforo pro barraco.

Para meter a mão, chutar o saco

só precisa de alguma ofensa pouca.

 

Minha nega não é nenhuma louca —

trabalha pra madames de alto taco:

tem-lhes acesso mesmo ao lado fraco...

Encara o louco sem fingir de mouca.

 

Minha nega não é flor que se cheire

e detesta palavra que lhe esgueire...

A minha nega não é sopa não.

 

Mas sendo bem tratada, a minha nega

é doce-mansa-surda-muda-e-cega —

come açuquinha aqui, na minha mão.

LA 06/007       S/176

 

 

Há Um Gosto De Morte...

 

Há um gosto de morte em teu batom

que me faz latejar ternariamente.

Unes a languidez do velho oriente

com o belo tempestuoso do ocidente.

 

Uma serotonina de bombom

injetada num tom e um semitom —

é esse, nega, o teu dolente dom:

vida e morte a enlaçar-se loucamente.

 

Há um gosto lilás na tua pele,

bromélia nacarina que compele

a insalivar libidos de te amar.

 

Há um prazer urgente a ser colhido,

filtrado no momento já incendido

pelo desejo e o sonho a se acoplar.

LA 06/007       S/177

 

 

Lá Num Claro Do Tempo...

 

Lá num claro do tempo me assentei.

Mil grafitos nas pedras, mil grafitos

em alma que se abriam infinitos

em veredas, ramais por que passei.

 

Mil veredas em mim que já nem sei,

tecidas de liames tão aflitos,

muitos barcos, navios derrelitos

de gente minha e diferente grei.

 

Foi num claro do tempo em muitos tempos

costurados de atempos nos relentos

gargalhados de estrelas já morridas.

 

Um costurar de tempos e de vidas,

um convergir de eus a uma entidade

pelas trilhas do tempo e sem idade.

LA 06/007       S/178

 

 

Há Os Que Choram...

 

Há os que choram e os que vendem lenço,

os que se entregam e os que dão a volta...

Mas não se aflija, que hoje é consenso:

a gente encontra Deus na linha torta.

 

Na vida há sempre algo que conforta —

ladrão que muito leva tem bom senso,

geralmente esse cara deixa a porta,

mais a rosa no vaso, mais o incenso...

 

Se a pinguela está podre, espere o rio

secar, e enquanto isso pesque, cara,

e namore uma ou duas ribeirinhas.

 

O mais é lamparina sem pavio...

A gente espera pela luz já clara,

mas desfolhando rosas bem mocinhas.

LA 06/007       S/179

 

 

A Fraqueza Tem Sexo

 

Arrimo ou máscara, para a mulher,

o homem sempre será interessante.

Ela lhe é prêmio, orgulho, prenda e amante —

terra de leite e mel, céu de prazer.

 

Ela o adora, porém, sem lhe dizer.

Natureza e cultura os leva adiante

com nuanças de época, no exuberante

clamor da carne a atá-los e prender.

 

Tostado pelo seu testosterona,

o homem facilmente se apaixona —

desatino que traz desde menino.

 

Amarrado por baixo, ela o açula,

domina, dá as cartas e regula —

a fraqueza é do sexo masculino.

LA 06/007       S/180

 

 

O Candeeiro

 

À luz desse candil eu estudava.

Hoje, serve de adorno para a sala.

Tempos bem maus, uma dureza braba —

ou a larva morria, ou criava alas...

 

Minha alma como que se retraçava

um caminho, um projeto... e sua fala

lhe mudava o que o meio lhe tramava —

sentia a vida e ousava transmudá-la.

 

A força de vontade pode, sim,

( com peleja e sabendo o que se quer )

dar às coisas um outro rumo e fim.

 

E é nessa sensação de se poder

mudar a si e o quanto via em mim

que o amor de Deus me pôde socorrer.

LA 06/007       S/181

 

 

Hoje É O Que Temos, Nega...

 

Hoje é o que temos, nega. O amanhã

é goiaba com bichos. Bela é a vida

que pode ser ativa ou distraída,

não depende do papa ou da açanã.

 

Hoje é o que temos, nega. O amanhã

é preocupação tão descabida

quanto ignorar o agora e nossa lida.

De que nos vale a ânsia temporã?

 

Hoje é o que temos, nega. E é sobre o agora

que podemos dispor nossa toalha

e manchá-la do vinho desta hora.

 

Hoje é o que temos, nega. O mais é história

de fins de mundo, ou coisa que, se calha,

calha por ser tão útil quanto inglória.

LA 06/007       S/182

 

 

Ouvi Uma Voz A Tilintar...

 

Ouvi uma voz a tilintar na sala

( já era tempo de ela ter chegado ) —

fui lá numa ânsia rubra de encontrá-la

e perguntar-lhe onde tinha estado...

 

Cheguei lá e fiquei desapontado —

não havia ninguém, só uma mala,

negra, de couro e prata, negra, ao lado

de um vaso de granito a espelhá-la...

 

Abri a porta, procurei, e nada.

Quanto tempo fazia tinha ido?...

Não lembrava... Era fria a madrugada.

 

Deitei-me no sofá. Um cão uivava.

Quando acordei já havia amanhecido.

Olhei em volta, a mala não estava.

LA 06/007       S/183

 

 

Escuto O Canto Alado...

 

Escuto o canto alado da semente,

ávido de ser luz, bailando ao vento.

O inverno sazonando lentamente

seus gestos de verão em sonhamento.

 

Em sombra e luz o germe da semente

aguarda o seu irial sazonamento,

sonha no húmus bem molhado e ardente

seu momento de espiar o firmamento.

 

E entre nevoeiro, vento, bruma e gelo

o nume da floresta aquieta e espera,

cochila e diminui o gorgolejo...

 

Mas logo o vento troca o realejo

pelo clarim, trompete e violoncelo —

nova sazão explode em primavera.

LA 06/007       S/184

 

 

A Mulher Do Açougueiro...

 

A mulher do açougueiro, a Valentina,

era fêmea de pendurar os olhos.

Seu jeito de menina e ancas de abrolhos —

a gente olhava, sim, mesmo ante a fina

 

lâmina que, incisiva, abria hialina

carnes macias, nervos, juntas, cornos

na mão presta do esposo que, em surdina,

curtia um ciúme de esmiuçar entornos...

 

A gente se portava qual macaco —

era só o dono descuidar, já o taco

das olhadas começa a encaçapar.

 

Valentina adorava ser despida

( no mental ) e agarrada e possuída

entre as carnes e a faca a retalhar.

LA 06/007       S/185

 

 

Muito Amamos A Flor...

 

Muito amamos a flor incendiada

lá no vale das saias, e igualmente

as rosas e tulipas docemente

salpicadas de mel da nossa amada.

 

Muito amamos o fruto do jardim

que tão pleno de graça enamorada

se transformou em “não” cheio de “sim”.

 

Muito amamos a hora nacarada

em que entramos a terra prometida

manando leite e mel num “viva a vida!”.

 

Se precisar estou a qualquer hora,

a qualquer hora estou, flambada flor,

bem onde o pensamento do homem mora —

lá no vale das saias, meu amor.

LA 06/007       S/186

 

 

Se Chifres Fossem De Ouro...

 

Se chifres fossem de ouro, minha nega,

nós homens íamos pensar no caso.

Mas chifres são tal como flor no vaso —

frágil de doer... e um dia só lhe chega.

 

São flores com espinhos ( quem o nega? )

muito doídos, vis, não por acaso...

Ah! Nem queiras cheirá-las, minha nega,

dizem que dão urucubaca e atraso.

 

Se chifres, minha nega, fossem de ouro,

muita gente teria um bom tesouro —

e um berrante valia quanto pesa.

 

Se chifres fossem de ouro, com certeza,

muita gente os queria a rodo e a esmo —

sendo até proxeneta de si mesmo.

LA 06/007       S/187

 

 

Quando Te Viram Os...

 

Quando te viram os meus velhos olhos

senti reverdecer o feno em mim,

e quis ao mar, ao verde e seus escolhos —

alegre aventurar-me num sem-fim.

 

E te colhi de flores belos molhos

cheirando a alfazema e alecrim,

orvalhados do liso dos abrolhos,

da beleza bailante do delfim.

 

Quando meus olhos sazonados viram

teu porte de palmeira farfalhante,

vidrados e insistentes me pediram

 

que eu os levasse a ti no mesmo instante.

Levei-os, e, ao teu lado, Esmeralda,

ficaram verdes como figo em calda.

LA 06/007       S/188

 

 

Triste Fora Viver...

 

Triste fora viver se não houvesse

o tal jardim, que às vezes nos faz triste

o coração... mas este sempre insiste

em pingar o “i” e pronunciar o “esse”.

 

Sim, fora estúpido viver sem esse

ferrão, sem esse mel, sem esse chiste,

sem essa graça séria em que consiste

nosso dom e propósito e interesse.

 

Mulher bonita é bom: junta a panela

com a tampa e faz comida saborosa —

beleza é bom porque também se come.

 

Melhor tempero será sempre a fome,

a flor das flores será sempre a rosa,

mas a mulher é sempre a flor mais bela.

LA 06/007       S/189

 

 

Nua, Desnuda Como...

 

Nua, desnuda como a água, vê-la,

assim, vísceras fremem e arrepiam.

Lá fora a noite é fria e gatos miam

pelos muros, a sua passarela.

 

Chamas de velas dançam e alumiam,

escorrem gestos feito uma aquarela...

O quarto cheira a murta e a macela.

Tuas chinelas, pasmas, nos espiam.

 

Nudez metade lis, metade rosas,

colinas, vale, sombras suspirosas...

em fantasmagorias de se amar.

 

Tuas pernas, dois peixes de lisura.

A penumbra em suavíssima tremura

reflete na parede um barco a arfar.

LA06/007       S/190

 

 

Não Faz Mal Misturar...

 

Não faz mal misturar leite com manga.

Sim, poderás fazer quando quiseres.

É como se chamar Pires ou Peres

ou como usar, amor, calcinha ou tanga.

 

Nem faz mal misturar manga e xandanga,

mas que não se confundam os talheres!

Melhor que uma mulher? Várias mulheres —

desde que mansas ou sem muita zanga.

 

Há também quem as máscaras mistura

com mil faces sem ter nenhuma face —

e ainda nos leciona compostura.

 

Quanto ao mais, minha nega, solta a franga.

Se a vida não é mais que uma pitanga,

vamos comê-la antes que ela passe.

LA 06/007       S/191

 

 

Os Instantes Feridos...

 

Os instantes feridos pelo tempo

vão caindo nas águas do passado

que marulham em alma quando o vento

sopra em varandas do vivenciado.

 

Cemitério do ser auto-exumado

pelo seu recordar-se no momento

que se prende ao momento do lembrado

somando-se ao presente pelo intento.

 

Os instantes feridos pelo tempo

resvalam do presente ao passado

construindo o futuro em sonhamento.

 

Os instantes que o tempo fere é dado

ao tempo redimi-los no momento

em que o hoje se transforma em transonhado.

LA 06/007       S/192

 

 

A Terra Vai Ficando...

 

A terra vai ficando mais macia

à medida que nós envelhecemos.

Os anos rápidos, mais longo o dia...

A vida amamos, mas já não tememos.

 

Guardamos ciosamente a companhia

da esperança, da fé, do amor e temos

enorme gratidão pela alegria

em que nos apoiamos e sustemos.

 

A terra vai ficando mais cheirosa

quando cavada ou com as primeiras chuvas...

Já lidamos melhor com o espinho e a rosa.

 

Desconfiados... com jeito de wood-tie,

vamos sentindo um cheiro bom de uvas

lá das vinhas da casa de Deuspai.

LA 06/007       S/193

 

 

Os Gulatras

 

É pelos gens da carne que o gulatra

invade, desde o açu até o mirim.

Vós os conhecereis pelo alvo e fim:

domínio em tudo e o jeito da gravata...

 

ou dos anéis... Aliás, gulatra mata

como quem come pizza ou pudim.

A rede perfuraram com o fim

de aqui plantarem sua colunata.

 

Sua pedra, o rubi; metal, a prata

e o ouro claro; a cor, o carmesim...

Modus vivendi: toma-lá-dá-cá.

 

Política: esquerda-democrata.

Seu símbolo: a pá-de-cal, a pá...

Lema: O gulatra não tem fim, é o fim.

LA 06/007       S/194

 

 

A Brisa Suave E Esguia...

 

A brisa suave e esguia da manhã

docemente beijava-te a cintura.

Tuas pernas teciam com ternura

flores na saia leve como a lã...

 

Junho: chuva de azul, um tobogã

de luz macia orlava-te a doçura

do semblante a sorrir, luzir ventura

em orvalhos, frescores de romã.

 

Tu eras a beleza sazonada,

a rosa pelos lábios desfolhada

nos arroubos da minha mocidade.

 

Fizeste coruscar meu sentimento.

E se depois, depois passou o vento,

deixaste o que há de bom: bela saudade.

LA 06/007       S/195

 

 

“Alcova”

 

Há um cheiro afrodisíaco em “alcova”,

sedas roçando aromas nacarados,

angustiosos fonemas sussurrados

num arfar de estribilho, aquosa trova...

 

Há uma fragrância rúbida em “alcova”,

bocas mordendo hibiscos torturados,

penumbrados suspiros sufocados

num coruscante céu e escura cova...

 

Uma penumbra doce e prazenteira,

lábios engalfinhados, ânsia rubra,

murmúrios a vagar pela penumbra...

 

A carne a arfar, a se fundir inteira,

uma só mão uma só massa sova —

e um rio inunda e afoga toda a alcova.

LA 07/007       S/196

 

 

Abriu-Me Os Braços De Água...

 

Abriu-me os braços de água ( estava nua )

e deliciosamente me afoguei.

Pernas e nádegas da cor da lua,

um andar ondeado muito o.k.

 

Tinha beijos de brasas em replay,

mas o mais doido nela era a sua

rotação-translação com que debrua

as circunvoluções que já nem sei.

 

Tinha um jeito de flor e basilisco,

um pouco de menina e de megera,

sabia ser inverno e primavera.

 

Uma delícia tê-la e já num pisco

sabê-la noutros braços e distante...

Ela era perfeita como amante.

LA 07/007       S/197

 

 

As Estrelas Te Invejam...

 

As estrelas te invejam, minha nega,

e a lua tem a cor da tua bunda.

Já o céu, que é que faz o céu? Te pega

a cor dos olhos e se tinge e inunda.

 

A natureza toda, minha nega,

te imita... Observa a cópia furibunda

dos teus seios nas rosas... e a rotunda

cópia dos montes, vales... bem já chega.

 

Ah! Fica fria, nega, a tua ilheta

por nada a troca o seu anacoreta —

nem por aquela tal de Marajó.

 

E basta! Já foi muito trololó.

O que este mundo tem de mais porreta

não chega nunca aos pés do teu xodó.

LA 07/007       198

 

 

Não Olhes, Nega, Nunca...

 

Não olhes, nega, nunca para o poço,

que despenhas lá dentro do teu ser.

E se me gritas, nega, como posso,

sim, como poderei te socorrer?

 

Não há corda que eu jogue ou qualquer troço

a que te possas apegar e ater —

pois não estás apenas lá no poço

como também lá dentro do teu ser.

 

Sim, estás dentro, nega, do sorriso

que não somente é teu, mas de Narciso

que é parente de toda a humanidade.

 

Assim, só podes, nega, escapulir

pelo avesso da tua liberdade —

isto é, pela consciência de sair.

LA 06/007       S/199

 

 

As Moças Se Divertem...

 

As moças se divertem com seus risos

que talvez poucos moços conseguiram

entender como flores, como guizos

que elas, com graça e dom, lhes retribuíram.

 

Ao menos por detrás dos vidros riram

quando os viam passar... por pisos lisos...

tão alheios que nunca, nunca as viram

( se as vissem, perderiam seus juízos? ).

 

Não acho. Ninguém perde o que não tem.

Se perde não se acha patavina,

aliás, só achará o estar-se sem.

 

Lembro-me bem que as moças riam, riam...

e os rapazes sequer nem as ouviam.

Madureza não se acha lá na esquina.

LA 07/007       S/200

 

 

Tu Eras, Foste E Já ...

 

Tu eras, foste e já não és senão

aquela que eu ainda não conheço.

Mas torço muito e sempre ao Alto peço

que me sejas aquela que ainda-não...

 

Uma delícia essa indefinição,

esse nunca saber se está do avesso

ou do direito o vinho que apeteço

e sorvo a curtos goles com paixão.

 

Delícia não saber se as taças foscas

em que juntos bebemos desse vinho

estão ao meio, ao fundo ou já às moscas...

 

Ah, continua, minha amiga, a ser

esse não-sim, sim-não e a rosa e o espinho

desse delicioso não saber!

LA 07/007       S/201

 

 

A Gente Vai Pro Aeroporto...

 

A gente vai pro aeroporto, amor,

espera um mês, depois vai pra Milão

cuidar do estômago e do coração —

o romantismo eterno e sem pudor.

 

Depois a gente pula pra Veneza,

te peço em casamento numa gôndola,

me danças peladona numa cômoda,

luamelamos na Paris beleza.

 

Depois a gente voa para o Egito,

fim de semana incrível, infinito —

embalsamados gozos... E o conforto?!...

 

Aí voltamos rápido e ligeiro —

tá acabando, amor, nosso dinheiro...

A gente se separa no aeroporto.

LA 07/007       S/202

 

 

“Relaxe E Goze!”

 

Relaxe e goze! — assim, diz a ministra,

e olha que experiência não lhe falta!

Relaxe e goze, diz ministra ( “farta” ),

quem não for de avião, vá de alpinista.

 

Aeroporto hoje é coisa mista —

pensão e albergue, sim: de coisa alta

virou banco e ladrilho... e está na pauta

da manhã, tarde, noite e aumenta a lista...

 

Caído o 1907,

as asas do país adoeceram,

a sua febre é alta e se repete.

 

Asas, que adiantam asas com artrose?

As asas do país enlouqueceram.

Já sabe: se viajar, “relaxe e goze!” 

LA 07/007       S/203

 

 

Pelo Horto

 

Final de tarde por atalhos verdes

do Horto Florestal com suas grimpas

roçando em gesto suave o azul de junho,

junho com seus cipós ocre-vermelhos.

 

Muita gente fazendo caminhadas —

aos pares ou em grupos ou sozinhas...

Passos, vozes, risadas se misturam —

já tranqüilos, já rápidos, ou lépidos...

 

Eis a noite achegando a paisagem

sob as asas macias. Longes vozes

se distanciam em seus foscos vultos...

 

Nostálgico sabiá num canto solto

desfia pérolas num fundo poço

como a enxergar-se travestido em sons...

LA 07/007       S/204

 

 

Escrevo, Logo Existo

 

Escrevo, logo existo. E enquanto escrevo,

bem mais que só existir, sei que estou vivo.

E assim eu pesco e o próprio poço cevo

com a merda social de que me livro

 

no ato de escrever, pois que me atrevo

a escapar-lhe do medo corrosivo

não me rendendo à condição de servo

do mundo enquanto, aliás, lhe sobrevivo.

 

Sim, vivo porque escrevo, pois viver

é tão difícil qual não escrever,

já que escrever é ato recidivo.

 

Se vivendo nem sempre se está vivo,

já escrevendo a gente até escapa —

é o que o toureiro faz com sua capa.

LA 07/007       S/205

 

 

Eras Rosa, Viraste...

 

Eras rosa, viraste um mal-me-quer.

Não sei o que com isso tu ganhaste,

pois durou nada a rosa em tua haste,

já o mal-me-quer chegou a apodrecer.

 

Eras dom e viraste algo qualquer.

Não o quiseste, dele não cuidaste,

o brilho que se preza tem engaste,

e é bem cuidado: o mais que se puder.

 

Eras graça e viraste negligência.

Riste do bem e sua quintessência,

ao sol tu preferiste o anoitecer.

 

Eras norte e viraste não saber.

Não lapidaste a tua consciência,

esqueceste que a vida é renascer.

LA 07/007       S/206

 

 

Época Interior...

 

Época interior de auto-impulsão,

sim, tempo interior que catapulta

a alma já madura, já adulta

lá por degraus em si de recriação.

 

Época interior de expurgação,

um tempo que agrilhoa a alma estulta

e má em greis-consciência, o que resulta

na lei de sazonal separação.

 

Isso faz alijar a humanidade

do excesso acumulado, um peso absurdo,

e lembrar sua real finalidade.

 

De épocas em épocas o Expurgo

se dá por leis da mais fiel balança.

Assim, mantêm-se o rumo, a justiça e a esperança.

LA 07/007       S/207

 

 

Saboroso É Escrever...

 

Saboroso é escrever para ninguém

a não ser pra você que rindo escreve

já derretendo em máscaras de neve

o que julgava estar bem mais além.

 

Delicioso é saber o que convém

a si mesmo em um tempo em que se atreve

a desconstruir o engano a que se ateve

e saber sempre haver o além de um bem.

 

Muito bom é aprender a desarmar

armadilhas em torno a nossos pés

que estavam esperando o nosso ousar...

 

Muito bom é poder olhar o mundo

e vê-lo entre sério e vagabundo...

e o que nos ditam só ouvir de viés.

LA 07/007       S/208

 

 

Teu Rebolado, Nega...

 

Teu rebolado, nega, vale mais

que todos os chiliques do universo.

Nele tenho visões em prosa e verso,

tenho os méis terrenais e celestiais.

 

É ele que me aquece em fractais

de um sonho a milfazer-se em real diverso —

um viajar por tempos frente e verso,

primavera em gemidos hiemais.

 

Teu rebolado, nega, tem segredos

de todos os brinquedos e folguedos

da infância e adolescência, a idade cérea.

 

Teu rebolado, nega, é uma equação

em que a energia está para a matéria

como o desejo está para a fruição.

LA 07/007       S/209

 

 

O Presente Se Arrasta...

 

O presente se arrasta como um rio

( mais lama que água ) bem pesadamente.

Mesmas notícias-crime como um fio

rubro a desnovelar-se eternamente.

 

O presente se arrasta muito doente,

um tempo pétreo em paranóico cio —

uma perversidade conivente:

preconcebida em gélido alvedrio.

 

O presente se arrasta sem futuro,

tempo ferido a rastejar no escuro —

sonho alvejado em plena travessia...

 

O presente se arrasta em seu engano

de bastar-se com a inteligência fria —

poder seguir sem o humano do humano.

LA 07/007       S/210

 

 

Cá Estou Eu De Novo...

 

Cá estou eu de novo, minha Rosa.

Venho despetalar-te a boca, venho

desmanchar-te o cabelo ( esse despenho! ),

desaninhar-te os seios e essa rosa

 

nesse bosque ciliar e nacarenho.

Venho me desfazer em verso e prosa

no jardim que trouxeste capciosa

daquele sonho avoengo em grave cenho.

 

Sim, venho te arrastar pelos cabelos

em cima dos lençóis, como nos belos,

bravos tempos de celestiais enganos...

 

Falar nisso, hoje é dia dos teus anos.

Trouxe estas flores, nega. Se isto é antigo,

também o é o amor e seu umbigo.

LA 07/007       S/211

 

 

Colares E Colares De Olhos...

 

Colares e colares de olhos morrem

de amor por ti, Rosinha, com vontade

de desfolhar-te inteira... e os dias correm

para apagar os rastros de saudade.

 

Aqueles rastros que as pessoas sofrem

de ver e em não achar felicidade...

e após andarem tanto, então descobrem

que ela os seguia sempre, eis a verdade.

 

É que estando tão perto não a viam.

Necessário lhes foi se distanciarem

para lembrar que já a conheciam.

 

Sim, por andar ao lado dela, andarem

com ela é que, distantes, conseguiram

reconhecer que a viram e a sabiam.

LA 07/007       S/212

 

 

A Menina Engoliu...

 

A menina engoliu uma cigarra

e não parava nunca de cantar.

E a menina voou, pousou na parra

da videira e voltou a descantar.

 

E a menina com asas de cigarra

ia de árvore em árvore a chiar

( sendo que até cantou na alça da jarra

que gorjeava azul a suspirar ).

 

Tinha olhos de sonho, asas de chita

e tinha lindos pés de brigadeiro,

o doce que ela amava em chiquitita.

 

Cantou, cantou até... até que um dia

sua casca se abria no coqueiro

e a luz que em si cantava à luz subia.

LA 07/007       S/213

 

 

Na Boca Tens Um Gosto...

 

Na boca tens um gosto nacarado

que já manchou camisas e lençóis.

Mas nem por isso, nega, sou levado

a esquecer que o plural de “eu” é “nós”.

 

Tuas colinas, vales tenho andado,

e sei que por aqui não ando a sós.

Mas nem por isso, nega, estou magoado

por ter que repartir os cafundós.

 

As tuas coxas ( como a lua ) brancas

jamais me foram, nega, muito francas,

mas nem por isso as quis menos ou mais.

 

Sou como o cão que come o seu pedaço

sem demonstrar desprezo nem cansaço —

ao lado de outros cães e dos pardais.

LA 07/007       S/214

 

 

Performance De Estesia...

 

Performance de estesia que vestia

um longo, esguio longo avermelhado,

mostrando pernas claras, jeito ilhado,

florindo mãos de roxa afrodisia.

 

Seios bojudos em assimetria,

num balanço de “sins” sincronizado

com o rebolado, o rebolado ondeado

pelo charme do passo e forma esguia.

 

E o martelar socado em passarela

do surreal do costureiro e a bela —

loucura de bambu e de farrapos.

 

Dentre esses tais bambus e tolos trapos

sobram molejos, bocas, bolas, seios

e a beleza em estúpidos gorjeios.

LA 07/007       S/215

 

 

Quando Naquela Tarde...

 

Quando naquela tarde olhei a tarde,

ela já tinha ido, ido embora.

Dela já nem restava a luz que arde,

já tinha um tom escuro, um tom de amora.

 

Quando naquela tarde olhei a tarde,

também me vi já ido àquela hora...

Talvez naquela hora a luz se enfarde

num adeus que, sem dor, se nos descora.

 

Sim, a tarde era um porto que viajava,

era uma nave e eu seu tripulante —

éramos um ( apenas ) que passava.

 

Sim, nós dois éramos um só viajante,

mais: éramos uma única paisagem —

uma viagem dentro de outra viagem.

LA 07/007       S/216

 

 

Saudades De Você...

 

Saudades de você, saudade nua

por tardes de domingo, tarde em pêlo

em que me segurava ao seu cabelo

pra não cair do sonho nem da lua.

 

Um cheiro de você, que se debrua,

cor de amora, num cavalgar-murzelo

pelos lençóis, num fosco em cogumelo, —

o amor que em seu findar já continua.

 

Saudades de você, nua saudade —

a nossa roupa toda amontoada

fazendo amor num banco ao pé da escada.

 

Saudade boa porque sem idade.

Nua, pois não precisa se cobrir

a não ser com a coberta de a sentir.

LA 07/007       S/217

 

 

Hoje Te Arranco...

 

Hoje te arranco, nega, docemente,

os piercings, devagar e com perícia —

em fendas e orifícios de repente

hei de achá-los com a língua, uma delícia.

 

Sim, te desobstruo pacientemente,

te livro dessa grácil estultícia,

aí virá o meu trabalho atraente —

preencho fendas, furos com blandícia.

 

Sim, te cuido com tal habilidade,

que muitas raparigas da cidade

haverão de querer o mesmo trato.

 

Diz-lhes que também cato carrapato,

principalmente os tais endiabradinhos

que ficam nas dobrinhas, safadinhos.

LA 07/007       S/218

 

 

Um Dia Procurei...

 

Um dia procurei tua saudade

e percebi que tinha ido embora.

Chamei amigos, toda a irmandade —

comemoramos com licor de amora.

 

Compramos carne com voracidade,

pinga, cerveja: uma festa da hora.

E assim comemos ( como quem devora )

até os ossos daquela ex-saudade.

 

Pedi então silêncio, e perorei:

Meus companheiros, eu enfim sarei —

já não sinto saudade da costela.

 

Aí alguém lembrou-me com bondade:

Sim, meu velho, trocaste a saudade

por bem maior: viver com a dona dela.

LA 07/007       S/219

 

 

Ainda Não Se Abrira...

 

Ainda não se abrira a flor da aurora,

quando tua saudade se encostou

no meu ombro direito, e perguntou:

Lembra como era bela esta hora?...

 

Respondi-lhe que sim, que na aquarela

da antemanhã a gente celebrava

as delícias do amor que acalentava

até a luz dourar nossa janela.

 

Em seguida dormi sono profundo

e sonhei-te maduramente nua

num singrar cuja quilha ia fundo...

 

Acordei com a música da rua.

No quarto, o teu aroma, o teu frescor...

Eu abraçava um jasmineiro em flor.

LA 07/007       S/220

 

 

Uma Taça De Vinho...

 

Uma taça de vinho azul: manhã

de julho. Muito ouro em flavo vento

e os gorjeios da luz: fluido momento

desliza num hialino tobogã.

 

Brando e amoroso, o sol é uma cunhã

dando a teta ao mais mínimo elemento.

Rei urubu lá singra em azulento

manto... seu deslizar roçando lã...

 

Julho, gorjeio azul, hialina taça:

vinho azul. Oceano em calmaria

onde descansa o sonho e sua graça.

 

Julho: o ipê roxo vai... vem o amarelo.

Uma taça purinha de alegria...

Humanidade, o nosso mundo é belo.

LA 07/007       S/221

 

 

Nem Cipreste Nem Álamo...

 

Nem cipreste, nem álamo. Uma planta

frutífera. Isto, sim, me apraz plantar.

Nem é melhor a vida que acalanta

da que se faz durona a nos ralar.

 

Nem herói nem bandido, só me encanta

nem deste nem daquele precisar.

Nunca neguei a vida nem a morte

porque jamais as tive de afirmar.

 

Tanto faz o inimigo quanto o amigo —

com nenhum deles vou buscar abrigo

e em nenhum deles devo me fiar.

 

Deus me livre do santo e do devasso,

com nenhum deles quero caminhar.

Prefiro eu mesmo dirigir meu passo.

LA 07/007       S/222

 

 

Macunaímico

 

Se quer fazer, compadre, vá fazendo

a sua parte que eu não faço a minha.

Em não fazer é tudo a que me prendo,

pois quanto fiz não me adiantou nadinha.

 

Se quer correr, compadre, vá correndo,

que eu vou tirar a minha sonequinha.

Chegar na frente é bom, até compreendo:

bebe-se o vinho e após se planta a vinha.

 

Se quer pensar, compadre, vá pensando,

que de tanto pensar morreu um burro...

e dizem que ninguém ouviu seu urro.

 

Se quer sonhar, compadre, vá sonhando,

que de sonho ninguém enche barriga.

Aliás, sonhar faz mal: só dá lombriga.

LA 07/007       S/223

 

 

Havia Um Pastorzinho...

( Ou: Pastorzinho Dependente )

 

Aquele Pastorzinho ( nós sabemos )

danou a masturbar-se tanto e tanto

que a rainha a palácio o chama e, a um canto,

lhe diz: Ó  Pastorzinho, nós tivemos

 

de ti canções tão belas, tanto canto

tão lindos que jamais os esquecemos...

Mas hoje, Pastorzinho, vis extremos

nos mostras, depenando, a nosso espanto,

 

sabiás, de manhã até à noitinha,

e a matar-me galinha após galinha

de tanto beber água... e outros truques!...

 

— Ao vos ver, Majestade, a rolar pelo chão

e dançar peladona aos gêmeos Duques...

nunca mais descolei vossa imagem da mão.

LA 07/007       S/224

 

 

No Rosto, Como Fundo...

 

No rosto, como fundo, uma orvalhada

rosa, uma rosa branca emoldurada

por um cabelo negro em caracol...

Nos lábios e olhos muito, muito sol.

 

A boca rubra, bem triangulada

com os seios a exibir uma ninhada

a provocar suspiros em bemol,

com blandícias num “x” de cachecol...

 

E o ínfero-triângulo-pelúcia

terminando na cona nacarada

ladeada por colunas cor de lua

 

que têm a maestria e a fina astúcia

da rotação em translação que é dada

por danças de uma ilha que flutua.

LA 07/007       S/225

 

 

Ó Rosa, Ó Brisa, Ó Pássaro...

 

Ó rosa, ó brisa, ó pássaro de agora

mesmo! Por que passais tão apressados,

se em passar mora a mágoa dos passados

e a angústia do futuro que os devora?

 

A vida, ó rosa, é instantes desfolhados

entre o furor da tarde e o gel da aurora.

Não, não é o vento, rosa, que a apavora,

mas os minutos sendo desterrados.

 

A vida, ó brisa, é alma dentro de alma

que só se vê porque se move a palma,

a apontar para o sonho que passou.

 

A vida, ó pássaro, é belo vôo,

não só por entre a rosa, a brisa e as penas,

mas por nós mesmos a mudar as cenas.

LA 07/007       S/226

 

 

Vamos Cuidar Da Vida...

 

Vamos cuidar da vida, minha nega,

ou ela é quem irá cuidar de nós.

Quem pisa no improvável escorrega,

quem não sabe o que fala perde a voz.

 

A vida enxerga bem, mas faz de cega.

Finge-se corruíra e é um albatroz.

O homem é uma consciência que se nega,

mas nem por isso escapa à própria voz.

 

Vivamos conscientes, minha amada,

de que cada um de nós constrói a estrada

por onde pisarão seus próprios pés.

 

O homem pode mudar o seu destino,

plantar futuros limpos de revés

pela boa vontade e um claro tino.

LA 07/007       S/227

 

 

Se Minha Nega Está...

 

Se minha nega está de TPM,

viro sombras e finjo não estar.

A casa toda nesses dias treme.

Sai de baixo, que a coisa vai lascar.

 

E a minha nega realmente geme

nesses três dias de ressabiar...

Passo azeite na voz e num tom-creme

é que lhe ouso a metade de um falar.

 

Depois desses três dias minha nega

vai amaciando... e a gente já sossega,

já pode respirar... lavar panela...

 

É como o meu vizinho diz: “Mulher

é muito bom, o duro é quem tá nela...

Mas sem elas, André, como fazer?!”

LA 07/007       S/228

 

 

Carlão Era Parcial...

 

Carlão era parcial, era machista —

terrível, bobo como feminista.

Foi buscar uma frase lá na lua:

Mulher é bicho brabo, mas menstrua.

 

Era também espiritualista

( não sei o que é, por mais que se me insista ).

Nem sei se tinha espírito na sua

farta matéria em gula nua e crua.

 

Mulher é ora chuva, ora procela,

quanto mais escamosa tão mais bela —

Carlão falava e ria que morria.

 

Na verdade era um cínico do avesso —

dizem que só na zona as conhecia

e mesmo assim regateava o preço.

LA 07/007       S/229

 

 

Círculo Vicioso

 

É mesmo assim, palavras ensaboadas

com o tempo descoram de sentido

e o gajo vai perdendo as abonadas

nas faltas de um faltar já esquecido...

 

Tenta recuperar as ressabiadas

mentiras pela troca de partido,

pelo jurar por Deus e outras nonadas,                                                 

mas não adianta: agora está despido.

 

Falar ou não falar: la même chose.

Sua intenção agora é vista em close —

seu verbo soa sem significar.

 

E que faz o bacana? Renuncia.

E volta reeleito um outro dia —

imune, fanfarrão e a debochar.

LA 07/007       S/230

 

 

Teu Afeto, Zefina...

 

Teu afeto, Zefina, tão verdinho,

teu corpo esguio, uma gentil braçada

de flores tendo ao meio uma laçada

cabendo em minhas mãos tão direitinho.

 

Teus seios a gorjear dentro de um ninho

de que lhes tiro a trama afrouxelada

a ver se os ponho fora da ninhada

e os pego a cada um pelo focinho.

 

Teu riso, nega, é um modo de dizer

que nossas mãos seguram nosso bem —

que ser feliz tem gosto de viver.

 

E o amor vai aprendendo a fazer vinho,

bom nume a musicar nosso caminho

com a verdade e a beleza que ele tem.

LA 07/007       S/231

 

 

Esta Nua Saudade...

 

Esta nua saudade, esta ternura

ardem na só lembrança de te amar.

Esta saudade é sonho que se apura

nas dobras dos lençóis de recordar.

 

Uma saudade boa e sem usura,

pois deixou alegria no lembrar —

mais que alegria, aquela tal doçura

que só o tempo sabe requintar.

 

Algo que tempo algum jamais devora,

uma saudade que não vai embora —

pois vive aquém e além do seu tramar.

 

Uma saudade a doer só de prazer —

sim: dor por algo precisar passar,

prazer por na lembrança ainda ser.

LA 07/007       S/232

 

 

Virtual/Virtual

 

Ajeita, minha nega, a webcam,

que não tá dando para ver direito.

Assim, neguinha, agora sobre o peito...

aí!... agora em cima da romã.

 

Outra vez sobre os gomos da poncã...

aí! Dá um close aí!... Faz um trejeito,

mexe, remexe, nega,... desse jeito!

Esfrega, agora, em cima da maçã...

 

Close aí, close aqui, vamos closando

em replay, em replay, sempre em replay...

devagar, devagar e rebolando...

 

Agora grita, geme, mexe e rema,

assim, assim... Morta a rainha e o rei.

Taí, neguinha: a clara, a clara e a gema.

LA 07/007       S/233

 

 

A Hora Desafia...

 

A hora desafia a realidade

e a ensina urgente a cheirar rapé

para espirrar-se em supra-realidade —

o ser a suplantar-se pela fé.

 

Sim, a vida jamais foi quantidade,

já não se mata pelo que não é.

Deve ser vista como qualidade,

sem confundir sapato com chulé.

 

Sim, dois e dois igual a vinte e dois,

quando é você quem paga e que consente.

Se não consente, paga menos bois.

 

E entre ser e não ser tudo é questão

de questionar-se ou não, ou simplesmente

de a baguete ser pedra, ornato ou pão.

LA 07/007       S/234

 

 

É Tarefa Do Homem...

 

É tarefa do homem consciente

mais e mais transgredir a natureza.

Despir-se da consciência conivente,

reachar-se com a verdade e com a beleza.

 

Desprender-se do bando da corrente

( dos arrastados pela correnteza ) —

buscar o espaço-tempo condizente

para viver ( em grupo ) outra realeza.

 

A estratégia é sair pelo abstrato

e voltar já refeito de matéria —

antes que a ação se nos transforme em ato.

 

Jogaremos com a força deletéria

( da própria natureza ) ao dar o salto

em nós, sim: porque em nós está o alto.

LA 07/007       S/235

 

 

O Bom Da Vida É...

 

O bom da vida é o seu nunca se sabe,

isso a faz saborosa e colorida.

Belo o sapato, mas o pé não cabe...

Fulana é linda, mas jamais convida.

 

Antes que o velho mundo nos desabe,

comamos as pitangas desta vida,

até porque jamais, jamais se sabe

se amanhã a barraca está erguida.

 

Dizem que a vida é um baita pau de sebo...

Não quero nem saber, eu nem percebo,

quero mesmo é coçar, jogar sinuca...

 

É como diz o meu vizinho André:

Se o “sim”, meu caro, é coisa que machuca,

por que correr para saber se é?

LA 07/007       S/236

 

 

Juízo Minha Nega...

 

Juízo, minha nega, juízo é bom,

principalmente quando o aconselhamos.

Neste instante ficamos sérios, damos

à voz um outro timbre, um outro tom.

 

Juízo, nega, nem usa batom.

Nem guarda-chuva, isqueiro e outros reclamos.

Desde bem moços nos ajuizamos

segundo o nosso frio e o edredom.

 

De sorte que crescemos ajuizados

que nem os nossos pais: bem comportados,

se bem não vejo nisso prejuízo...

 

Juízo é bom, é bom e precisamos.

Quanto a nós, nega, só nos lamentamos

é dessa gente que só tem juízo.

LA 07/007       S/237

 

 

Cor De Feno, Rosinha...

 

Cor de feno, Rosinha, a tua saia,

tuas sandálias, teu cabelo, o mar.

Cor de feno, Rosinha, a bela praia,

todo o capim, as árvores, o ar.

 

Também de feno o tomara-que-caia,

cor de feno os teus peitos a trotear...

Tuas pernas, seus gingos, sua alfaia

o gesto, as brisas-lufas a bordar.

 

Cor de feno teus braços, os escolhos.

Cor de feno, de feno e mel teus olhos,

a tua voz de feno a gorjear.

 

Toda, toda macia como feno,

todo o teu corpo de um moreno-feno

a escorrer pelo feno mel e luar.

LA 07/007       S/238

 

 

A Vida Exige, A Vida...

 

A vida exige, a vida bate e inspira.

A vida dá e toma e já acrescenta,

ao que já tem ainda mais lhe aumenta,

ao que não tem ainda mais lhe tira.

 

A vida é a um tempo uma veraz mentira,

uma mendaz verdade. A vida é cruenta

aqui, ali macia, além se ausenta...

É águia-real, condor, é corruíra.

 

A vida é tudo quanto construímos,

a vida é tudo quanto nos mentimos —

a vida é vida e não lhe importa o resto.

 

Sem a vontade em gesto manifesto:

nexo, ousadia, altruísmo de bom grado —

a vida é um viver já enterrado.

LA 07/007       S/239

 

 

Ainda Á Porta, Minha Amiga...

 

Ainda à porta, minha amiga, estamos —

à porta da caverna. E assim iremos

partindo crânios, cometendo extremos,

mas aprendendo a vida em seus reclamos.

 

A vida espera... nós é que devemos

dela fazer aquilo que sonhamos —

ter cautela com o barro que moldamos,

pois, quando seco, é o quanto nós fizemos.

 

Nosso primata interior rebrama —

pois mais disputa, mais odeia que ama,

longe de ser o bonachão bonobo...

 

O mais? O mais é se fazer de bobo.

Coçar os mimos regaladamente

e amar-te, minha nega, fartamente.

LA 07/007       S/240

 

 

Ah! Quando Você Faz...

 

Ah! Quando você faz, faz tão bonito,

que fico a arrepiar doidim doidim —

chupando carambolas do infinito

e ouvindo aquela cobra do jardim.

 

Aquela cobra em seu silvar bendito

inaugurando um tempo carmesim,

tanto mais belo quanto mais finito

e com coceiras de chiliquinquim.

 

Ah! Quando você faz, faz tão beleza,

que tudo vira uma imortal leveza

subindo ao céu mais leve do que o ar.

 

Ah! Quando você faz, faz tão bonito,

que já não sei o que é melhor no rito —

se o ato de fazer ou recordar.

LA 07/007       S/241

 

 

Um Arrepio...

 

Um arrepio, frio sentimento

vindo talvez de uma janela aberta,

mais parecendo sub-reptício vento

a percorrer a casa tão deserta.

 

Sim, a casa invadida no momento

em que a alma lembra... e vê-se presa e inserta

num sono-pesadelo nevoento,

e tenta usar a voz, mas não acerta...

 

Tenta se recordar, mas não recorda,

quer, procura acordar, mas não acorda,

somente frio, um grande frio sente.

 

Até que lembra ( bem dificilmente )

de pronunciar Jesu... Jesu... Jesusss...

E tudo se lhe torna calma e luz.

LA 07/007       S/242

 

 

Podemos Recorrer...

 

Podemos recorrer ao palimpsesto

da nossa vida, da alma ou da memória —

pacientes, vamos lendo a nossa história

pelos tempos no tempo manifesto.

 

Sob peles de ser, em leve gesto,

raspamos na consciência a escrita flórea...

de sorte a refletir lá na memória

outros contos de ser, brotando presto.

 

Pelas dobras do tempo nos lembramos:

árvore que se guarda em vários ramos,

inclusive na última semente.

 

Sobretudo notamos claramente

no Um em nós ( guardada em multiverso )

a expansão da criatura e do universo.

LA 07/007       S/243

 

 

Tua Saudade...

 

Tua saudade belamente nua,

doce dourado com pistache e creme.

No quarto a vela, a arder, sombras debrua,

lá fora o vento constelado geme.

 

Toda arrepiada esta saudade tua

florescendo recamos na epiderme

entre um branco lirial, misto de lua

e cecém que recende à brisa e treme.

 

Belo é sentir esta saudade nuela

num desfolhar-se lenta à luz da vela

e a gorjear baixinho o seu chiquê.

 

Saudade com o cheiro de lavanda

que, antes do sol, se ia, pé ante pé,

esguia a deslizar pela varanda.

LA 07/007       S/244

 

 

Teu Rebolado...

 

Teu rebolado, nega, tem dendê

mais tudo aquilo de que a gente gosta.

Se finge que não quer ( doce chiquê ),

logo concorda e o mexelê já mostra.

 

Teu rebolado, nega, tem axé,

tem a graça e a beleza de uma aposta

que se paga pra ver e quando vê,

vê-se que era bem mais do que se gosta.

 

Teu rebolado, nega, tem pimenta

que faz olhos arderem de acalanto

e o coração rular de esquentação.

 

Teu rebolado, nega, quem agüenta?!

Faz o cara, sem voz, se dar ao canto

e o santo orar por antecipação.

LA 07/007       S/245

 

 

Quando Soube Da Morte...

 

Quando soube da morte do marido,

cantou, dançou, ficou toda orvalhada...

Horas depois, porém, fora enterrada

pela irmã que a matou sem um gemido.

 

O corpo no jardim, bem escondido,

a irmã chamou a jovem advogada

com quem rachou a herança ( já tratada )

num belviver, agora enriquecido.

 

Comprou comprou comprou comprou comprou

Fodeu fodeu fodeu fodeu fodeu

Comprou fodeu comprou fodeu comprou

 

Uma noite, após vinho e surubada,

sonhou que a irmã a matava na facada...

De fato, foi achada traspassada.

LA 07/007       S/246

 

 

Sonhifundiário Sou...

 

Sonhifundiário sou faz muito tempo.

Sempre adorei plantar, sim: plantar favas.

Ensino aos caga-sebos e às piavas

a fazer ninhos no chapéu do vento.

 

Ensino peixes a falar bobagem

àquelas frescas peixas escamosas.

Ensino coisas feias para as rosas

que escondem os seus risos na folhagem.

 

Adoro fazer nada, bem feitinho,

aliás, fazer dormindo e sem floreios.

Gosto de ser feliz, mas bem baixinho.

 

Dou tiro de garrucha nas mocinhas —

meto-lhes bem-me-queres entre os seios

e tento adivinhar-lhes as calcinhas.

LA 07/007       S/247

 

 

Já Que Choveu Sobre Os...

 

Já que choveu sobre os teus peitos tenho

que te enxugar, senão vais resfriar.

Junto à lareira, dou-me ao grato empenho —

secar-te a roupa, os coelhos a espiar.

 

Não sabia que tinhas uma bunda

assim tão ondulada e tão simpática.

Parabéns! Essa tal não sendo apática,

em geral dá conversa bem fecunda.

 

O teu porte gentil de saracura

me sararia, sim, me curaria

tanto da urgência como da secura.

 

Depois, até que a gente caçaria

( se quisesses ) um pouco de siri,

mas bem longe do tal do bem-te-vi.

LA 07/007       S/248

 

 

Disse AO André Que Eu...

 

Disse ao André que eu precisava urgente

expedrar com a consciência o coração.

Virar barro, nenúfar, bosta quente

de vaca, esparramada pelo chão.

 

Fingiu que não ouviu meu plá de gente.

Então ouvi de um sapo uma canção

que mostrava a postura competente

entre a alegria e um bípede carente.

 

Certa vez aprendi com as bromélias

por que são tão felizes as amélias —

aprendem a tirar licor das pedras.

 

Menina vi um homem a comer

botinas podres como fossem febras —

vi que o mundo não era de entender.

LA 07/007       S/249

 

 

As Árvores Estavam...

 

As árvores estavam gorjeando

e os pássaros ouviam encantados.

Diziam: desse jeito bem malandro

nossos pais povoaram descampados.

 

Ao lado, a macacada copulando

em trocas de casais refestelados.

Camponeses as trufas procurando

pra vender aos mamíferos mimados.

 

Dez almas de princesas em soluços

buscavam vomitar, no chão, de bruços,

o veneno cruento que as matara.

 

Um bando de gnomos bem felizes

ensinavam as fadas, com uma vara,

a pular do outro lado do arco-íris.

LA 07/007       S/250

 

 

Não Temas, Formiguinha...

 

Não temas, formiguinha, o elefante

não mora mais aqui, nem é balseiro.

Quanto a você, gazela exuberante,

o IBAMA lhe devolve o andar faceiro.

 

Mães-d’água, não temais, que o petulante

caboclo já foi feito prisioneiro.

Policiais libertaram com desplante

as ninfas alugadas aos grileiros.

 

E tu, Saci galã, que com o gorro

tornaste em lago aquele alto morro

pra rainha das iaras se bronzear...

 

Ó vós, que derrubais com frenesi

a Floresta com a moto-serra a chiar,

sabei: é universal o bem-te-vi.

LA 07/007       S/251

 

 

O Trem Ladeava Os Montes...

 

O trem ladeava os montes cachimbando.

Era bonito vê-lo cachimbar.

       E eu disse à minha mãe quase gritando:

       Mãe! Mãhê! Hoje eu vi o trem fumar.

 

O maquinista era o meu pai, chamando

no apito a enorme máquina a chiar.

Um tempo bom, aliás, nem precisando

ser bom nem mau: um tempo a gargalhar.

 

A gente tinha pai e mãe e tinha

casa-família, um porto onde ancorar,

e a gente era feliz nessa vidinha —

 

um tempo bem gostoso de lembrar.

Era tudo uma rosa num momento

que não sabe que existe a tarde e o vento.

LA 07/007       S/252

 

 

O Amor, Zefina...

 

O amor, Zefina, é a maior mentira,

mas nem por isso a menos verdadeira.

Bobo de quem o tem por brincadeira —

não vai curtir os sonhos que ele inspira.

 

O amor pode ser águia ou corruíra,

sim, ter asa de anu ou condoreira,

ser universitário ou bem caipira —

o amor é sempre o pau da cumeeira.

 

O amor sabe inventar como ninguém,

inventa o bem, o mal e o mais além.

Inventa picos, vales, planos, serra...

 

O amor adora a paz e faz a guerra.

O amor! Essa ventura-desventura.

O amor! Essa aventura na ventura.

LA 07/007       S/253

 

 

Sai, Que É Caguira, Nega!...

 

Sai, que é caguira, nega! Muda o tom,

te benze frente e verso, e dá no pé!

Rebola bem gostoso, bem crepom,

e mostra que tu tens bastante axé.

 

Nega gostosa assim, corpo pompom,

andar bordando dança-cafuné,

bota na língua um gosto de bombom

e a cada olhar impõe o seu “olé!”

 

Esse andar gera pura bundonóia,

pra retratá-lo, nega, só um Goya,

e olha lá: não estando de baderna.

 

E bota ginga, nega: de mil gumes!

E faz sentir aos bípedes implumes

algo que estorva: uma terceira perna.

LA 07/007       S/254

 

 

Amo Os Jogados Fora...

 

Amo os jogados fora, os zés-ninguém.

O suficiente me é bastante, o pouco

é muito. O nada é igual água de coco:

é bem melhor que o todo. Amo o aquém

 

do além, porque no aquém existe um bem —

que é saber onde estou, poder ser louco

de sanidade num viver de borco

para o céu... que é esse sonhar além.

 

Gosto da folha verde e da que é morta,

porque não sei, não sei qual é mais bela,

só sei que uma é porta, outra é janela...

 

E tudo quanto importa ( ou nem importa )

é a gente saber que há uma porta —

verde por fora e, dentro, já amarela.

LA 07/007       S/255

 

 

Disse Pra Mim...

 

Disse pra mim: Escreva mil mais um

sonetos só pra ver quão diferente

é um de outro, qual o voar do anum

e o do rurubu. O grilo da serpente.

 

Escreva mil mais um, verá nenhum

menos belo ou safado ou displicente.

Nenhum com mais perfume ou mais bodum

que o outro, ou mais descrente nem mais crente.

 

Sim, mil mais um. E não verá brinquedo

mais grato, nem folguedo nem bruxedo

mais porreta do que emprenhar soneto.

 

E além do mais, é bom ser vagabundo —

fazer, botar no site a correr mundo

e desprezar o feudo, o clã, o gueto.

LA 07/007       S/256

 

 

Pela Chuva Das Órbitas...

 

Pela chuva das órbitas, o pai

viu que a filha arrastava muita caca

pelo ex-ficante (um tonto de um panaca)

e vai negociar com o cara, ah, vai!

 

“Se curares, Danilo, todo ai

de Laura, dou-te as terras Goma-Laca,

terras tão prósperas que dão ressaca

de atravessá-las... é a fazenda-mãe.

 

“Só que tens de passar uma semana

com meus vaqueiros e levar a vida

que levam...”

                      E assim fez nosso banana.

 

Voltou com tremedeira enfurecida, —

maleita e morte. Quanto a Laura, de repente,

casou (um mês depois) com um pião valente.

LA 07/007       S/257

 

 

Antes, Rosa, Passarmos...

 

Antes, Rosa, passarmos pelo tempo

que ele passar por nós.Viver o instante

é por certo beber deste momento

o vinho que há de ser-nos confortante.

 

O vinho que erguerá em sonhamento

a alegria da infância e esta nos cante

com sua graça hialina e radiante

as canções que desbrumem o momento.

 

Essa alegria seja a nossa força

( sim: dom ou luz que brilha em nós ) e possa

ajudar a transpor as turvas mágoas.

 

E a esperança caminhe com a criança

e a criança lhe insufle a confiança

podendo o adulto andar por sobre as águas.

LA 07/007       S/258

 

 

Agosto Já Vem Vindo...

 

Agosto já vem vindo, o sabiá

já anda aos trilos, todo galanteios.

Caem as folhas finais em seus volteios...

Começa a rebrotar o manacá,

 

a jabuticabeira, a rosa, o ingá...

Maitacas e tuins em bandos cheios

verdejam o ar em palras e chilreios,

riscam de verde o céu... aqui, acolá...

 

Agosto das lufadas ululantes,

mês das pipas, dos ramos balouçantes...

Agosto é o nosso velho semeador.

 

Agosto é o preocupado produtor —

demolição, transformação severa

para a entrada triunfal da primavera.

LA 07/007       S/259

 

 

As Tuas Linhas, Nega...

 

As tuas linhas, nega, e as entrelinhas

que falam muito mais... Um chafariz,

pés de criança... e à volta mil florinhas

com a brisa a subir num pé de lis...

 

As tuas linhas, nega, lembram vinhas

com racemos cheirosos e gentis.

As tuas entrelinhas fazem minhas

esperanças viverem por um triz.

 

E como o amor é sempre uma mentira

cheia das manhas de cruel verdade,

o melhor dele é a espera que espezinha.

 

Por isso, nega, entre a águia e a corruíra,

fico com as asas da criatividade —

        espero-te entre as linhas da entrelinha.

LA 07/007       S/260

 

 

Naquela Noite A Lua...

 

Naquela noite a lua conspirava

filtrada pelos pinhos desenhando

pelo chão rendas de luar sonhando

entre as folhas que o vento balançava.

 

Sobre a alfombra da mata a gente amava

( ambos com calma ), devagar, buscando

pleno encaixe entre a mão e a luva, achando

a unidade no que se aglutinava.

 

Todo o mel de que tínhamos direito

extraímos ouvindo o vento afeito

a mantrizar por todo o pinheiral...

 

Tua nudez, rendada de luar

a te envolver o corpo, era lirial

e lembrava o alvacento de um altar.

LA 07/007       S/261

 

 

Faze Da Tua Vida...

 

Faze da tua vida um bom lugar

lá em ti: um lugar em que resguardes

a fé, a verdade, o amor em que te ardes,

e possam a arte e a espera te escoltar.

 

Há que ter fôlego de atravessar

o mar de seduções no ouro das tardes —

o “una-se a nós” de abúlicos covardes

e com o sonho e a vontade caminhar.

 

Não aceitar o que não tem sentido,

o que não seja o norte em nosso ser —

não fazer o que trai nossa vontade.

 

Alguém chegado antes de ter ido,

se se perde, só perde pra vencer —

questão de tempo e de criatividade.

LA 07/007       S/262

 

 

Lá Longe Um Galo Cata...

 

Lá longe um galo cata grãos dourados

louvando a antemanhã. Silêncio frio

como os remansos de um enorme rio.

A madrugada em tons arrepiados.

 

Aos poucos já se ouvem sons raleados:

algo que passa, outro barulho, um pio...

um eco ao longe, um canto fugidio...

pneus em seus marulhos angustiados.

 

Agora aumentam sons nos arredores,

a luz vem misturada com rumores —

um mar de sons já vem quebrar na rua...

 

Centro e arredores se unem na pofia

de vida-e-mundo, uma porfia crua.

Que Deus nos abençoe o novo dia.

LA 07/007       S/263

 

 

Subi Pelas Palavras...

 

Subi pelas palavras e fui ter

ao meio de vocês: gente com gente,

conversamos até indolentemente,

nos falamos por gáudio e desprazer.

 

E lhes passei meu pobre conhecer

a mim, o outro e o mundo, arduamente,

um conhecer que tem principalmente

por base e por certeza não saber.

 

Não saber cuja base é o escreviver

( estudando bem mais que lecionando ) —

aprender reapreendido no aprender.

 

Fazer e refazer, até onde e quando

tempo e ser sejam um se reciclando

num saber que se apóia em só viver.

LA 07/007       S/264

 

 

Curte A Vaidade, Nega...

 

Curte a vaidade, nega, devagar,

como um manjar dos céus, gostosamente.

Faz como Salomão, o sapiente:

vê que é vaidade, mas a saborear.

 

Deixa os enganos, nega, te enganar,

a ilusão te iludir conscientemente,

goza a mentira verdadeiramente,

e as vaidades que a vida possa dar.

 

Carpe diem, menina, carpe diem,

antes que o vento te desfolhe a rosa

e então teus sonhos e ilusões esfriem.

 

Quanto mais enganosa mais gostosa

a ilusão, a mentira, a veleidade...

Goza bem devagar tua vaidade.

LA 07/007       S/265

 

 

O Que O Papa Proíbe...

 

O que o papa proíbe e o padre gosta

relaxa até o espírito, Rosinha,

e nisto todo macho ou fêmea aposta:

seja desembrulhado ou em camisinha.

 

O que o papa proíbe e a beata gosta

nós vemos como prêmio, prenda minha.

De dia o neandertal o mundo arrosta,

mas à noite se coça e se esfarinha.

 

O que o papa proíbe e o estafe gosta

conserva a tribo bem amarradinha —

e ai da mão boba que lhe vem e encosta!

 

O que o papa proíbe e a gente gosta

é uma questão que tem a ver, Rosinha,

lá entre uma cueca e uma calcinha.

LA 07/007       S/266

 

 

O Batom Na Cueca...

 

O batom na cueca ou colarinho

tem o mesmo problema cultural.

Se o homem também o usasse ( ó São Longuinho! ),

a coisa ficaria pau a pau.

 

A vizinha pegou o meu vizinho

com a boca na botija vertical.

Não adiantou gritar, pois o gajinho

jamais usou batom no seu bocal.

 

De modo que, senhoras e senhores,

no tocante a petrechos de pudores,

podeis notar que há ganho em não se usar.

 

Um dia, inventar-se-ão os pré-colores:

tão-logo a boca acabe de beijar

a cor já vai se pondo a descorar.

LA 07/007       S/267

 

 

Se Agora É Tarde...

 

Se agora é tarde, nega, seja tarde

da noite, a melhor hora de se amar.

Que seja tarde, mas que ainda arde

lá em nosso sonhar e desejar.

 

Nosso desejo nunca se acovarde

ante ter que lutar para alcançar.

Nunca nos seja, nega, cedo ou tarde

em nossa força de viver-sonhar.

 

Nossa vontade faça do momento

a argamassa de um novo pensamento

a construir um fulcro sobre o hoje.

 

Um hoje que concentre e em que se aloje

a consciência de estarmos construindo

algo lá em nós: tão belo quanto infindo.

LA 07/007       S/268

 

 

Estapeando As Dálias...

 

Estapeando as dálias, segue o vento

vociferando contra as frágeis rosas.

Deixou entre o granizo branquicento

restos de flores a espiar chorosas.

 

As mãos que deram vida e sonhamento

às pétalas, corolas já ruinosas

estacam, acarinham no momento

o que restou das lufas tão raivosas.

 

No chão, os ramos olham-se com medo...

Das mãos lhes arrancaram o brinquedo

de ser feliz, dançar com a paisagem...

 

O vento agora passa pachorrento,

um riso arrependido da bobagem

cometida num ímpeto cruento.

LA 07/007       S/269

 

 

O Sabiá Canta...

 

O sabiá canta e toda a mata pia.

A rosa é a rosa, o resto, nega, é flor.

Você é você, o mais mulheres. Mia,

o gato mia sobre o cobertor.

 

Ah! Nega, você bem que me podia

dar um beijo cheiiiiinho de licor.

E logo após me dar uma fatia

de melancia cheia de rubor.

 

Tira, nega, esse gato sonolento

da cama, essa tesoura, esse papel...

e deita, deita em corpo e sentimento.

 

Assim... em pêlo, sobre o cobertor.

Você é minha cabra, eu seu pastor —

a vida vai melhor com leite e mel.

LA 07/007       S/270

 

 

Xiranha Nova, André...

 

Xiranha nova, André, até assovia

num canto aperolado e musical —

pérolas soltas quicam na bacia

em seu verter dourado e radial.

 

Xiranha nova, André, até gorjeia

como canário, cara, e muxoxeia

de fazer o silêncio arrepiar.

 

Mas... sabe, André?, eu fico com as maduras.

Lá em suas diabruras e aventuras —

elas sabem até ressuscitar.

 

Sabem florir o corpo na magia

que soma o analógico ao virtual.

Sim: elas fodem com sabedoria —

dispõem daquela queda original.

LA 07/007       S/271

 

 

Tinha Um Amigo...

 

Tinha um amigo que era muito dado

às ciências ocultas e escrituras

mascaradas.Vivia sempre arcado

sob o peso de espessas desventuras.

 

Tinha o rosto infeliz e amargurado

e o peito arrevesado de angusturas.

Odiava o humor, o riso, o debochado...

e se aferrava a herméticas leituras.

 

Quando o “irmão” ajuntava uma montoeira

de lixo atômico, já então corria

a mim para servir-lhe de lixeira.

 

E fui o seu gari ( por caridade )

até reformular-me um belo dia

em meus parvos conceitos de amizade.

LA 07/007       S/272

 

 

Não Sei Por Que, Amorzão...

 

Não sei por que, amorzão, esta saudade

insiste em dar replay ao que não foi.

Se em não ser há bem mais felicidade,

o que foi ( nem por isso ) sempre dói.

 

Certamente a alma tem a veleidade

de só viver aquilo que lhe sói

(lá nas chiques varandas da saudade):

tem mais prazer naquilo que não foi.

 

Sim, a alma é uma cínica alpinista

que faz de montes seus profundos vales

e goza assim de uma ventura mista...

 

Por isso não me serve essa saudade

que ao bem em si prefere débeis males...

Que vou fazer com não-felicidade?

LA 07/007       S/273

 

 

A Vida, Minha Nega...

 

A vida, minha nega, é eu te amar

e o resto seja aquilo que vier —

com a graça de Deus a nos guardar,

com o amor e a razão sempre a aprender.

 

A vida, minha nega, é esse ousar

ter da bênção e dela depender —

sem dispensar jamais o arrazoar

com a emoção: e os dois a se entender.

 

A vida, nega, é esse não saber,

esse dueto entre alma-coração,

esse nunca ter medo de sofrer.

 

A vida, nega, é corajosa calma,

nem tanto coração, nem tanto alma —

dentro de um não saber bem bonachão.

LA 07/007       S/274

 

 

Ganhou O Viver...

 

Ganhou o viver um multifário vinho

do seu irmão-compadre, o sofrimento,

( que é inevitável como o tempo e o vento )

e o temos de tomar pelo caminho.

 

Sim, temos de tomá-lo, ora sozinho,

ora em grupo, tomá-lo em sentimento,

em alma-coração, em pensamento —

azedo, doce, seco ou bem mesquinho.

 

Viver-sofrer é esse deglutir,

comer e descomer de devenir —

sempre um reassimilar de assimilados.

 

Sofrer-viver  é o eterno combustível

da nave-ser: da noite mais incrível

para os clarões da luz jamais sonhados.

LA 07/007       S/275

 

 

Para Não Te Traíres...

 

Para não te traíres, nega, escuta:

Faz o que é bom a ti e nunca ruim

ao outro. E no ferver da grande luta

busca sempre o sentido, o nexo, o fim.

 

Há algo mais nas coisas do que a bruta

e amesquinhada luta carmesim:

a mão mais cheia é sempre a mais astuta...

ou: a verdade é um dizer “não” por “sim”...

 

Mais vale um pio da bunda do macaco

que mil palavras, nega, do bacana

que vendeu e esqueceu a parte humana.

 

Luta para saíres do barraco,

não porque morar lá cause vergonha,

mas por ser bela a vida de quem sonha.

LA 07/007       S/276

 

 

Pelo Soneto

 

Te chamo, verso um, por telefone.

No dois, bem lá no fim tu já chegaste.

Acontece, no três, o flóreo engaste

e no quarto cuidamos bem da fome

 

e sede, quinto abaixo, sede-pome...

No sexto, a rosa, balançando na haste,

molha a boca ( no sete ) ao que lhe baste

para amaciar no oitavo o quanto come.

 

Aqui no nove, a passos esticados

pelo dez nós subimos por brunidos

corrimãos... e já no onze, malchegados,

 

eis-nos aqui no doze, reprimidos,

já a explodir pelo treze, desbragados...

No quatorze, caídos e vencidos.

LA 07/007       S/277

 

 

Quando Eu Já Não Beber...

 

Quando eu já não beber no teu umbigo

esse licor rendado de chiliques,

já não nos dando aqueles raros tiques

que nos matavam sem nenhum perigo;

 

quando eu já não tocar nessa ninhada

de coelhos que trazes no teu busto,

deixando de beijá-los com dobrada

ternura, sem chiquê e nenhum custo;

 

quando eu já não correr para os teus braços

com os olhos a ninar teu corpo inteiro,

sempre a sonhar mais forte que os cansaços

e te abraçar igual meu dom primeiro:

 

então, amada, é hora de esqueceres

e guardar lá em ti nossos prazeres.

LA 08/007       S/278

 

 

Assim Que A Experiência...

 

Assim que a experiência é compreendida

ela se firma em mais se compreender —

não que possa fazer-se transferida,

mas, sim, frutar para o devir transer.

 

Não há em que se fiar: é vaga a vida.

Há o silêncio, sim, para entender

o silêncio e no que anda travestida

a forma de viver e pós-viver...

 

O intelectual se embasa na incerteza —

sua palavra, hoje, é não saber,

       entre bruma a fingir-se de clareza.

 

Como a vida não tem um como-ser,

o incerto é a grande estrada de certeza

onde se busca o norte de viver.

LA 08/007       S/279

 

 

Eis Que Agosto, Zefina...

 

Eis que agosto, Zefina, dá as caras.

O vento uiva ganindo dentre as varas...

Vai derramar o vinho das tulipas.

A meninada já prepara as pipas.

 

Olha o vento: fantasmas de poeira,

mantrizando no verde pinheiral...

Céu esgarço, vestido de trapeira,

a trançar seu tapete vesperal.

 

Lá fora, a aspereza, o desconforto —

lufas, secura, poeira, capim morto,

cá dentro, teu afeto a gorjear.

 

Sim, os teus braços, pessegueiro em flor,

recendem a carinho e a bom licor

naquela boa fome em nos amar.

LA 08/007       S/280

 

 

Ateísmo De Clã

 

Ateísmo de clã, coisa feudal —

um ódio ao Pai, ao Filho, ao Santo Espírito.

Arte e Deus não combinam: bem explícito

no fazer nacional e mundial.

 

Uma luz glacial, ódio letal

que se imanta de modo pró-enclítico

no fininício de um saber acrítico

a fagulhar seu dom luciferal.

 

Um ateísmo hostil, de obrigação,

hoje, sinônimo de genial —

sob pena de exílio, de exclusão.

 

Nova cartilha, obrigatório kit

da inteligência: com o selo e aval

de pós-graduados, a divina elite.

LA 08/007       S/281

 

 

Sopra Maroto, Sim...

 

Sopra maroto, sim, mas moderado —

não derrubes o vinho das tulipas.

Nem faças prantear sobre o gramado

a rosa... ou metas teu dedão nas pipas.

 

Nem arranques o quepe do soldado,

afinal, ele é uma autoridade.

E não toques, por nada, seu safado,

num só fio da viúva Soledade!

 

Do barraco dos pobres passa ao largo,

não lhes faças nenhuma tropelia.

Sim, pega leve, cara, deixa o amargo...

Saibas passar de vento a ventania.

 

Já a saia, amigão, da minha prima —

rasga, levanta, estica até em cima!

LA 08/007       S/282

 

 

Recordo: Você Vinha...

 

Recordo: você vinha tão bonita,

suave, bela como a luz do dia.

Qualquer detalhe, uma florinha ou fita

em você rebrilhava, enriquecia.

 

O leve andar como de quem levita,

guizos tinindo em prata luzidia.

Sim, o andar musical que a vista incita

ao bordado ondulante em forma esguia.

 

E assim corria a mim e eu a você

que ao longe já mostrava o riso em flor

logo a se desfolhar, ficar plissê...

 

A gente se abraçava tão gostoso,

que um sumia no outro: um nó de amor

em corpo e alma num eterno gozo.

LA 08/007       S/283

 

 

Tão Gostosa, Que...

 

Tão gostosa, que o único problema

era ficar vestida, coisa rara.

Mais uma bela atriz que se depara

com o dilema, aquele velho tema:

 

Sucesso, sim, porém, naquele esquema.

E foi mulher de quatro diretores,

seis produtores, dezenove atores

e oito políticos do mesmo lema.

 

Chegou aos píncaros. O mundo inteiro

viu-lhe o talento e lhe beijou os pés.

No fulgor de uma festa, um carniceiro

pede-lhe fale do sucesso. E o fez:

 

“Estômago para qualquer chupeta.

Não separar talento de boceta.”

LA 08/007       S/284

 

 

Graças Te Dou, Deuspai...

 

Graças Te dou, Deuspai, por ter Alguém

com quem falar em alma-coração

pelas horas de paz ou de aflição,

por entre o bem, o mal e algo-além.

 

Graças Te dou, Senhor, por ter no aquém

do sonho a Tua mão por corrimão,

por ter no além do mesmo sonho um bem

a me mostrar que estou na Tua mão.

 

Graças Te Dou, Meu Pai, pela alegria

que vem de Ti e é força e me alumia

pra discernir o que é do que não é.

 

Sim, grato pela fé, pela esperança.

Esta é o crer que se põe na mão que alcança.

Aquela é o ver interno, o gozo-pré.

LA 08/007       S/285

 

 

Uma Saudade Dentro...

 

Uma saudade dentro de uma chama,

brilhando além do tempo e além do vento.

Uma saudade ardente que recama

um reviver em claro sentimento.

 

Uma saudade que ainda sonha e ama

com sublimado amor e sonhamento.

Sonho lilás dançando numa flama

de lembrança em lembrança em movimento.

 

Saudade a sussurrar por entre a brisa

e folhas a cair e renascer.

Saudade com o sorrir de Mona Lisa.

 

Saudade a desfilar seus bons momentos:

glórias inglórias a reacontecer —

felicidades, sonhos, belos ventos.

LA 08/007       286

 

 

A Filha De Malvina...

 

A filha de Malvina era “uma fada

de meiga, bela e pura”. A mãe benzia,

tirava encosto, coisa urubuzada,

pilotava casais e a economia.

 

Mas tinha norma: hora bem marcada,

só clientes ( só casais ) ela atendia.

Era um sobrado. A dama acomodada

embaixo. O homem subia a escadaria.

 

Malvina então subia. Ela acudia

primeiro o homem, numa palhetada,

“mulher é que demanda calmaria...”

 

Agora a esposa, bem apoltronada,

era atendida. O esposo, o atendia

a sua filha, aquela linda fada.

LA 08/007       S/287

 

 

Não, Não Te Escrevo Nada...

 

Não, não te escrevo nada longo para

de coisas moles não te encher a xota.

Mas mesmo assim, cuidado: calça a bota,

há muito espinho e a gente nem repara.

 

Viajar de avião? Ah, não! É muita tara.

Mesmo o escroto mais santo, amor, se lota

e estoura: tudo tem a sua cota,

e cada qual preserva a sua cara.

 

Bom é cantar com o naso em baixo tom.

Limpei cuecas e golas do batom

que te comprei, amor, lá na Daspu.

 

Vivamos com consciência cada dia:

saboreando bem nossa fatia —

antes de irmos pro bico do urubu.

LA 08/007       S/288

 

 

Era Tão Lindamente...

 

Era tão lindamente fragilzinha,

que dava a um homem a impressão sonhada

de poder — bem ao meio — ser rachada

num só golpe gentil de machadinha.

 

Tenra-tenra, essa loira luluzinha

tinha um gestual de flor enluarada,

um sorriso de Mona Entediada,

o olhar de mal-du-siècle à tardezinha.

 

Quebradiça, casou aos dezenove

com um doutor fazendeiro, moço fino,

desses sem nada contra nem quem prove.

 

Amava seu marido, mas inteira

se doava ao capataz: jeito bovino,

durão e rude como pau de aroeira.

LA 08/007       S/289

 

 

Zilpata Dava Tanto...

 

Zilpata dava tanto, que ficar

de pé: só pra almoçar, tomar café.

Meninas, vamos lá! É trabalhar

( dizia ela às mais ) ou dar no pé.

 

A função faz o órgão, funcionar

sempre foi nossa profissão de fé

( falava às mais ): devemos amealhar

pra quando já não for o que ora é.

 

De fato amealhou o quanto pôde.

Quando não mais os homens a enxergavam

já lhes tinha levado a casa e o bode.

.................................................................................

 

Achou um padre, desses renegados, —

fundaram uma creche, e ambos cuidavam

dos sem-nada: os que foram defecados.

LA 08/007       S/290

 

 

Tudo Passa No Mundo...

 

Tudo passa no mundo, minha nega,

como passa a vontade de te amar

quando espero, mas nunca tu me chegas,

ou quando chegas a vociferar.

 

Tudo passa no mundo, minha nega,

como passa a vontade de almoçar

quando a tua ternura se encarrega

de me dizer que queres é transar.

 

Tudo passa no mundo, minha nega,

e não só passa, às vezes escorrega

no tobogã de nunca mais voltar.

 

Tudo passa no mundo, minha nega,

só não passa a maldade que carrega

a ignorância no seu jamais findar.

LA 08/007       S/291

 

 

Cansado, Meu Senhor...

 

Cansado, meu Senhor, de tanta dor.

Dizem que ela é crisol, mestra e acalanto

dos fortes, buril lúcido do santo,

cadinho cósmico depurador...

 

Sei que é, sei que é tudo isso a dor, Senhor.

Que todo riso tem seu quê de pranto,

que todo pranto traz em si um canto

e que há algo maior... chamado amor.

 

Sim, algo-dom, Senhor, que canta e chora

e que transforma o escuro em doce aurora

e à dor ensina um modo de transpor-se.

 

E é com esse dom, Senhor, que à vida torce,

que desejo aprender gostosamente

a fruir o futuro no presente.

LA 08/007       S/292-

 

 

Já Cacei Pirilampos...

 

Já cacei pirilampos com tição,

e com a mesma, mesmíssima verdade

com que hoje aceito a lei da gravidade

ou que a dúvida é o charme da razão.

 

Mas charme ou alimento? Não sei não.

Só sei que era tão bom caçar inseto

quanto ver tudo isso obsoleto,

mas ver que é a mesma ( e outra ) a minha mão.

 

E o belo disso é já não precisar

ter havido beleza em nada disso

para que a vida recupere o viço

e o menino hoje possa me ensinar.

 

O adulto sempre colhe como herança

tudo o que a vida dá para a criança.

LA 08/007       S/293

 

 

Agosto Vibra O Seu...

 

Agosto vibra o seu violino em cada

arame, em cada ramo desvestido.

Do Espraiado não se ouve um só gemido,

magrelo e pouco na sazão estiada.

 

O sabiá, em nostálgica toada,

vai trançando bemol com sustenido

numa lua-de-mel acariciada

pela brisa a gingar soprando em vidro...

 

O bem-te-vi nos diz que a purpurina

já está pintando o rosto da matina,

em sua voz alegre, forte e franca.

 

Os pneus já sussurram na avenida...

Mais uma vez acorda renascida

a nossa aconchegante Casa Branca.

LA 08/007       S/294

 

 

Tinha Um Jeito De Asas...

 

Tinha um jeito de asas a freirinha,

fragilidade verde de caniço,

brisa fina que sopra de tardinha

com o céu em palidez, ar outoniço.

 

Em seu hábito branco, ela vinha

cedo e à noite, leito a leito, o sorriso

irmanado à palavra em tom preciso,

num dom que confortando acarinha.

 

Um pingo de mulher, pelo hospital,

anos a fio, corajosamente,

a tourear a dor, driblar o mal...

 

Pai, abençoa tanta abnegação:

Cláudia, Contigo sempre conivente —

Tu podes vê-la em nosso coração.

LA 08/007       S/295

 

 

Uma Gata Alisada...

 

Uma gata alisada a contrapelo

tem que ser uma gata insatisfeita.

Ronrom nos dedos é preciso tê-lo —

isto já faz meia intenção aceita.

 

Delícias digitais num tom singelo

é preciso aplicar-lhe sem suspeita.

Alisar-lhe as mumunhas com desvelo,

com a mão às blandícias sempre afeita.

 

Uma siamesa exige algum carinho —

conhecer-lhe caminho por caminho,

morro por morro, vale, curva, senda...

 

Só  bem depois de jóias carinhosas,

versos, jantares, vinhos, rubras rosas —

é que vai aceitar chave de fenda.

LA 08/007       S/296

 

 

Também Tive Meu Tempo...

 

Também tive meu tempo de gambá —

com pena e tudo e sem remorso ou dó.

Penas de muitas cores, um xodó,

fiz até travesseiros e um sofá.

 

Comia-as com farofa de jabá

pra dar sustância para o meu enxó

a desbastar-lhes o borogodó

com bom champanhe, com café ou chá.

 

E após comer penosas e penosas

( até ao molho pardo ), juro, cara:

não sei quem é que foi o mais comido, —

 

sim, as saboreei (raras mucosas!)

num sonho glamouroso que deixara

o meu galante bolso carcomido.

LA 08/007       S/297

 

 

Quando Ainda Bem Moço...

 

Quando ainda bem moço fui ferido —

Rosinha me flechou com bororé.

E que delícia, o amor assim transido:

de uma só vez cheio de morte e axé.

 

O sentimento assim todo incendido —

tão solene, tão culto, tão ralé...

O meu viver assim tão transcendido,

tão cheio do que é, do que não é.

 

O veneno guardava, em seu mais pleno

teor, seu lado de contraveneno

pelo desejo ávido de amar.

 

E o amor doía de um prazer sem cura.

Sim, doía a tal ponto de levar

o infortúnio a gozar de desventura.

LA 08/007       S/298

 

 

Quando A Gente Se Amava...

 

Quando a gente se amava e acreditava

que o amor nos era o nume suficiente

para tornar a vida um bem ingente, —

na verdade era assim, o amor bastava.

 

Dentre a vicissitude, a luta brava,

a gente se somava alegremente

e atravessava a fúria da corrente

numa alegria-força que salvava.

 

A gente cria assim, e assim nos era:

havia em alma aquela primavera

a refolhar, florir o que morrera.

 

A fé nos era a senha do possível,

que nos trazia lá do invisível

do sonho, algo já à mão, à mão e nível.

LA 08/007       S/299

 

 

Seios Compridos, Nádegas...

 

Seios compridos, nádegas redondas,

dizendo “sins” aqueles, estas: “venham”,

que lhes mostro com charme as minhas ondas

correndo atrás de “sins” que se despenham...

 

Cintura esguia, lábios de Gioconda

estetizando os sonhos que os retenham —

a beleza-verdade ( em que se empenham )

tenha olho de ver, e lhes responda.

 

Com a arte responda e imite ( à parte )

a vida, enquanto a vida faz a arte —

o sonho inconho, o belo, a poesia...

 

numa especial mestria que se fia

da ternura, do vasto sentimento

de gravar um raríssimo momento.

LA 08/007       S/300

 

 

O Vento Que Uiva...

 

O vento que uiva também ergue a pipa

e vai plantar longíssimo a semente.

Também destelha a casa, arranca a ripa

e arrasa o que semeou bem de repente.

 

A mão que mata cuida da tulipa.

Dá seu carinho e o tapa mais veemente.

Dá verba e furta descaradamente.

Nutre, alimenta e, após, exige a tripa.

 

A boca que te exalta e endeusa agora

te cobre de labéu já não demora

e o bem se torna em mal e o mal em bem.

 

E sendo a natureza tão bifronte,

por que, amor, não houveras tu também

de o céu  mostrar e destruir a ponte?

LA 08/007       S/301

 

 

Que Belo O Vento...

 

Que belo o vento dando asa aos ramos!

O vento é dança, é música e lamento.

Ora canção em seus gentis recamos,

ora tenor junto com o mar violento.

 

O vento, em voz suave ou em reclamos,

modula e dá os tons do movimento.

É fantasma lá fora, que escutamos

a interpretar o tempo. É vário o vento.

 

Aqui é suavidades, é brinquedo,

mais longe é fúria, é uivos, mete medo,

ali já beija a rosa a enternecer.

 

Ninguém pode deter seu dom implícito —

o vento sopra e vai aonde quer.

Jesus o comparou ao Santo Espírito.

LA 08/007       S/302

 

 

De Perto Nem Um Anjo...

 

De perto nem um anjo é tão bom.

Por isso, nega, nada de exigência.

Saibamos perdoar a negligência

e a canção que tropeça no seu tom.

 

Perdoemos os desenhos de batom

e a lingerie rasgada de impaciência.

Saibamos relevar, pois, a eloqüência

de quem vende cebola por bombom.

 

Por isso, nega, o bom é ver de longe,

com a calma e o sorrir de um gordo monge

que vê o mundo coberto de glacê...

 

E assim de longe, quanto mais se vê,

tanto mais o ontem se nos torna puro —

sim, puro e com um gosto de futuro.

LA 08/007       S/303

 

 

Agosto, Nega, Mia...

 

— Agosto, nega, mia, agosto mia

derrubando tijolos com carinho.

É a vizinha, nega, com o vizinho

a se arranhar dentro da noite fria.

 

— Mas ela mia mesmo?! — Não só mia

como diz: Devagar, devagarinho,

senão, André, acordamos o Toninho...

um gato gordo, André, que só assobia.

 

— Assobia?! — Sim, ronca, grunhe, apita...

deixando a gente ansiosa e bem aflita,

parece até... até uma assombração.

 

— E como você sabe, nego, disso,

também já esteve nessa miação?!

— Sim, mas antes do nosso compromisso.

LA 08/007       S/304

 

 

Hollywood Revelou...

 

Hollywood revelou ao homem algo

nele maior, muito maior do que ele:

seu sonho-ousar, a força que o propele

a algo ideal em si, o humano saldo.

 

O cinema forjou o nosso tempo

com o nume-beleza do sonhar

e trouxe para fora o sonhamento:

construiu o modo do identificar.

 

De sorte que, tardonho, veio o sonho

que nos deu de comer e de beber,

já que a história do bucho é algo tristonho —

biombo entre viver/sobreviver.

 

De um lado o homem, de outro o lobisomem.

A arte sempre nos faz optar pelo homem.

LA 08/007       S/305

 

 

Tua Saudade Dói...

 

Tua saudade dói de me alegrar.

Só peço me torture bem discreta.

Para driblá-la pego a bicicleta,

pelo nariz uma canção a aflar.

 

Tua saudade dói de confortar.

Sinto-a como uma envenenada seta

deixando uma ferida sempre aberta

que peço a Deus jamais venha a sarar.

 

Tua saudade dói de me enlevar.

De sua dor extraio poesia

e o nu borogodó de te lembrar.

 

Tua saudade sabe consolar,

sabe trazer em si a maestria

de, embora doendo, ser-me companhia.

LA 08/007       S/306

 

 

A Vida Sem Amor...

 

A vida sem amor é um desmomento,

ou o viver apenas só por fora

como sentir do avesso o sentimento

e confundir a noite com a aurora.

 

A vida sem amor é como o vento

sem o abraço com montes, vales, flora,

sem cavalgar o marulhar nevoento

nem as pétalas tenras que desflora.

 

A vida sem amor é uma piada

que vai deixando o riso pela estrada

cujas flores não sabem comover.

 

A vida sem amor é um arlequim

que trabalha vestido de mulher,

mas sabe lá em si não ser assim.

LA 08/007       S/307

 

 

Pessimista No Amor...

 

Pessimista no amor é aquele cara

que tem muita vivência com Cupido

que, aliás, é cego e flechas já prepara

para atingir o objeto pretendido.

 

Pessimista no amor é o sazonado

nas manhas e mumunhas desse voante

que por tudo ou por nada é sempre alado

e sabe se esconder atrás do instante.

 

Pessimista no amor é o experiente

nas artes e amavios desse deus.

Sabe precário o agir gente com gente

e frágeis/frágeis os liames seus.

 

Pessimista no amor é o que aprendeu

que se sai bem quem mais desaprendeu.

LA 08/007       S/308

 

 

A Tarde Andorinhava...

 

A tarde andorinhava, andorinhava

em rasantes e trissos pelo ar.

Um gesto bom de sol aureolava

o horizonte lá longe a meditar.

 

Tons de amarelo-roxo e cor de lava

iam se diluindo a se tisnar.

A paisagem corria e se adentrava

sob as asas da noite a agasalhar.

 

As luzes da cidade, bem lá longe,

lembravam Buda em seu sorriso monge,

em tons de sombraluz a fluorescer.

 

A urbe vista de longe em cada rua

era uma deusa rara a adormecer

coroada alvamente pela lua.

LA 08/007       S/309

 

 

Não Deixe O Amor Cair...

 

Não deixe o amor cair, doce menina,

não deixe o amor cair, que ele se quebra,

e nenhum relojoeiro de Genebra

fa-lo-á dançar, tinir na turmalina.

 

Por outra, se cair, que ele então caia

sobre a areia macia ou sobre o feno

( ou por que não bem sobre a sua saia

onde se esconde a rosa com veneno? ).

 

Mas é bom lhe dizer, cara guria,

que o amor também depende de outra mão,

e assim pode até ser que caia um dia

podendo milpartir seu coração.

 

Saiba, menina, que a amizade humana

é feita da mais fina porcelana.

LA 08/007       S/310

 

 

Ah! Os Larvais...

 

Ah! Os larvais, os tumulares: poetas

da podre morte, — os chupadores de ossos.

Amam a doença, a morte, os vermes grossos

fervilhando nas xotas e nas tetas.

 

Cantam-nos suas dores e doenças,

pelos beirais das sombras e do tédio,

amam dizer que não lhes há remédio

e adoram repartir dores imensas.

 

Cantam-nos os sadismos deletérios,

os masoquismos da alucinação —

coveiros de trevosos cemitérios,

filósofos da sombra e podridão.

 

Ainda bem, querida, que meus ossos

se encontraram — em vida — com os vossos.

LA 08/007       S/311

 

 

Sôfregas Mãos...

 

Sôfregas mãos, que empilham, pilham cúpidas

o que de todos fora se não fosse

o hábito de pegar, de tomar posse

e ainda chamar as outras mãos de estúpidas.

 

Cúpidas mãos, a desviarem sôfregas,

num aumentar, num repartir pobreza;

num aumentar, num concentrar riqueza —

já que o momento tem as pernas trôpegas.

 

Bárbaras mãos querem transpor os trópicos

e guardar na Suíça o que levaram,

deixando após o chão que defraudaram —

ávidas mãos e boqueirões ciclópicos.

 

Estas as mãos dos ávidos finórios,

patéticos de sujos palavrórios.

LA 08/007       S/312

 

 

Era Um Pão De Gostosa...

 

Era um pão de gostosa a tal mulata.

A sua anca monroe fora feita

por quem após fazer rasgou a receita

e previu: “ Essa, quando pronta, mata.”

 

Se matou eu não sei, mas que bateu

granjas de ovos com saltos finos finos,

ah, bateu! Punha doidos os meninos,

e, bem mais, até o bispo se rendeu.

 

Brincou até fazer beicinho, e foi-se —

buscou o anonimato: a capital.

Calculou e investiu, isto é, casou-se.

Quinze anos de serviço pessoal.

 

Morto o esposo, meteu a mão na aposta,

e foi viver como o diabo gosta.

LA 08/007       S/313

 

 

Tudo O Que Sobe...

 

Tudo o que sobe ( quando sobe ) desce,

por isso, nega, nunca se apoquente —

toda fúria bem logo desfalece,

e o frio de repente se faz quente.

 

Na arte de pinxotar ninguém é mestre

nem se pode falar de boca cheia.

Ora dança a mulher, por mais que apreste,

ora dança o bacana que eis... broxeia.

 

É como velejar, pois é do vento

que se depende para o bom singrar.

De nada vale à quilha ter alento

se água e vento não querem navegar.

 

Sim: o melhor de tudo o que se come

não é o tempero, nega, mas a fome.

LA 08/007       S/314

 

 

Quod Abundat Non Nocet

 

Jamais levei varinha à professora

( para ensinar na lousa ), pois sabia

que sem dúvida alguma apanharia

dela, que era tão linda, frágil, loira.

 

Nem jamais me esqueci do jeito dela —

pequena, quebradiça, tendo à mão

a vara e o giz... e, no recreio, aquela

figura: um namorado tão grandão!

 

Sim, tão grandão, que até me preocupava:

“Como será que Lia vai fazer?!...”

O tamanhão do cara me encucava:

“Seu pé no sapatinho vai caber?!...”

 

Mais tarde conheci o adágio ( cote-se! )

latino: Quod abundat non nocet.

LA 08007       S/315

 

 

Era A Carne Macia...

 

Era a carne macia a nos berçar

nos braços pela noite eternamente.

Uma chama a tremer no quarto quente

e a nossa roupa por qualquer lugar.

 

Suave incenso ao fundo a trescalar.

A penumbra em magia conivente.

Rosas brancas e rubras docemente,

interminavelmente a desfolhar.

 

Ciciar vermelho de asas, ou apenas

roçar de mariposas e falenas

nos braços aquecidos do momento:

a vela, o barco, um belo sonho e o vento.

 

Desde que venha de um desejo gêmeo,

após um duro dia, o sexo é prêmio.

LA 08/007       S/316

 

 

Dizendo Pelas Bordas...

 

Dizendo pelas bordas refletindo

o fundo, a altura e o sonho da criatura

e seu abrir em flor tão lindo e infindo

quanto nevoento em tempo que a segura.

 

Segura no momento lindo e infindo

de haver a vida em mágica abertura

para o lado interior do tempo vindo

do sonho em outro tempo: asa futura.

 

E nesse viajar-se na paisagem

interior que é o avesso da viagem

que se faz no exterior do ser a ser-se —

 

é que se vê com olho de inconsciente

que é no instante em que o sonho vai perder-se

que ele se faz visível, de repente.

LA 08/007       S/317

 

 

Claro Que Restarão...

 

Claro que restarão o lixo atômico

e as estátuas de bronze pra contar

( para ninguém ) a história desse vômito

multiconfluente a todos a afogar.

 

Claro que restarão os restos, claro

que a luz do dia ficará bem suja,

não só de humano, mas do efeito raro

daquela guerra atroz: a dita cuja.

 

Claro que restarão as estações

( espaciais ), as sondas, telescópios,

plataformas no céu ainda com os próprios

sonsos corpos astrais: assombrações.

 

Claro que sobrarão apenas restos

de fantasmas... se bem que ainda molestos.

LA 08/007       S/318

 

 

Filhos... Filhos De Deus...

 

Filhos... filhos de Deus ou do pecado?

De Deus, quando libertos no inconsciente

da culpa: do pecado ferreteado.

Do pecado, a quem dele se faz crente.

 

Assim como o homem crê em sua mente,

assim ele é: de si livre ou atado

a tudo o que imagina, pensa ou sente —

o homem é filho do que tem moldado.

 

E quantos de si mesmos não roubaram

nada menos que sua liberdade

pelas idéias vis a que se ataram!

 

Deus é o além do amor em nós, ó meus!

Amemos o outro, a nós e a humanidade.

O mais? Sifu o mais! Fique pra Deus.

LA 08/007       S/319

 

 

Um Dia Atrás Do Outro...

 

Sempre um dia atrás do outro se enrabando

em metonímia com a humanidade,

e a gente até que vai, vai inventando

alguns punhados de felicidade.

 

Pobre de quem ( sem onde, como ou quando )

não arranja lá em si criatividade

para com riso e calma ir transformando

a irrealidade em nexo de verdade.

 

Meus encontros adio sine die.

Vivo num mundo em que por mais que adie

ainda fico devendo muito riso.

 

Aos diabos crises, crimes e critérios!

Faz tempo sei que os homens não são sérios.

Eu devia era ter menos juízo.

LA 08/007       S/320

 

 

Caboclo Jorge? Ah, Desse...

                         

                       I

 

Caboclo Jorge? Ah, desse nem te conto!

Era bom na tarrafa esse danado.

Mães-d’água, iaras, boiaçus, ao lado

de ninfas de deixar o cara tonto —

 

tudo arrancado d’água tão de pronto,

jogado pro barranco respingado

de gostosura fêmea e rebolado,

meu compadre, que ai, ai!... já nem te conto.

 

Tarrafa enorme, lua gorda: duas

sem-saia cada vez, das águas nuas...

Jorginho as afagava com as mãos frias,

 

olhos quentes de amor, cheios de luas:

nem IBAMA, Green-Peace, nem vigias —

e ali no fofo do capim, comia-as.

LA 08/007       S/321                      

 

 

                    II

 

Esse caboclo Jorge, o venturoso,

( assim é que o chamava toda a vila )

pegou tamanha fama de gostoso,

que as saias-d’água lhe faziam fila.

 

Quando a tarrafa atira, bem jeitoso,

a saia-d’água agora não vacila —

vem pelas malhas fora, o olhar guloso,

e exige-lhe os serviços bem tranqüila.

 

Sim, veja bem, compadre: o pobre Jorge,

que antes metia medo, agora foge

tal como o acovardado faz na guerra.

 

E é por isso que o mestre tarrafeiro,

não podendo nem mais ser pirangueiro,

agora come o que lhe dá a terra.

LA 08/007       S/322

 

 

Sim: Nos Amamos, Nega...

 

Sim, nos amamos, nega: nos trançamos!

Tardes e noites se afastavam sem

que a gente ao menos percebesse, nem

ouvíssemos o vento pelos ramos.

 

Tardes e noites bem além do bem,

do mal, num sonho além que nós sonhamos

porque em sonhá-lo nos ultrapassamos —

nos mudamos em nós pra mais além.

 

Sexo sempre nos foi um prêmio, o mais

belo, porque sincronizado a dois,

a dois que buscam, buscam outro cais...

 

E nós fizemos, nega, nós fizemos

no instante próprio pra lembrar depois.

Ah, nós fizemos, nega, e refizemos!

LA 08/077       S/323

 

 

Cada Um, Cada Um...

 

Cada um, cada um. Tem gente, nega,

que busca nos bichinhos companhia

e toda a sua frustração emprega

nesse se projetar na bicharia.

 

Humanizam os bichos em refrega

a terem se desiludido um dia

com seu afeto, e a um novo amor se nega,

vivendo entre a ansiedade e essa porfia.

 

Bicho é bom, nega, a gente até tem um.

Mas o melhor é a gente se encontrar

com um bípede implume e dar um zoom:

 

ampliar a vida dando-lhe um sentido —

gente com gente a amar amar amar...

até o sonho ficar bem traduzido.

LA 08/007       S/324

 

 

Se você Não souber...

 

Se você não souber deixar passar

e fazer-se de bobo na hora certa,

vai sentir que a botina mais aperta

o tal pé que não sabe onde pisar.

 

Relacionar-se é como uma coberta

curta: os ombros e os pés jamais vai dar

ao mesmo tempo para agasalhar —

uma parte está sempre sem oferta.

 

Mas isso, cara, é coisa bem normal,

não sendo assim, não é do ser humano

e, sim, de uma outra esfera, sei lá qual.

 

Aprenda a ver o bico do tucano

num sapo e vice-versa e coisa e tal...

Por vezes vale mais um belo engano.

LA 08/007       S/325

 

 

Viver, Não Um Viver...

 

Viver, não um viver com rumo dado,

esse viver tão-só pelo viver

ou apenas viver pra não morrer —

mas viver com sujeito e predicado.

 

Um viver que não é sobreviver.

Um viver que é pensar, não ser pensado.

Um viver que é sonhar, não ser sonhado —

um viver que é crescente reviver.

 

Um viver que é a semente semeada

naquela terra em nós que é sazonada

pela fé que vê árvore a semente.

 

Pela esperança que já é o singrar

do barco sendo feito em nossa mente —

um partir indo atrás do seu chegar.

LA 08/007       S/326

 

 

Somos Cigarras E...

 

Somos cigarras e formigas, nega.

Amamos a cigarra muito mais,

porém, por medo, amiga, a gente chega

a ser bem mais formigas sociais.


Cantamos muito pouco, e isso chega —

vamos cuidar dos nossos viscerais:

sem as tripas em paz, não se sossega.

É trampo, nega, e gestos cordiais.

 

Mas há também aquelas tais nepóticas,

       cigarras que não são nada patrióticas —

       cantam fartas, debocham bem bizarras.

 

Portanto, entre formigas e cigarras

é uma questão de berço ou de destreza —

gemem e cantam com igual presteza.

LA 08/007       S/327

 

 

Tua Saudade Dói...

 

Tua saudade dói gostosamente

e vai despindo sonhos, suaves cenas

sobre o alvo dos lençóis, cenas morenas

de uma penumbra a arder opalescente.

 

Noites de um constelado sorridente

por um céu interior de taças plenas

do licor capitoso das verbenas,

sorvido aos poucos, mas eternamente.

 

Noites de agosto com seu violino

fazendo solo com o aloprado vento

gemendo na janela e pela rua.

 

Tua saudade dói de aprazimento

dentro do recordar de um sonho hialino —

tua lembrança a arder: gostosa e nua.

LA 08/007       S/328

 

 

No Sonho, Nega...

 

No sonho, nega, a gente tinha ido

à casa da vovó de Chapeuzinho.

Uma velhinha afável com arzinho

de pé na cova, mas um ser querido.

 

Naquela voz gentil, um fiapinho,

nos abraçou, beijou e logo disse:

“Vou fazer um café e alguns bolinhos...”

e se afastou santinha e só meiguice.

 

Vendo sua caminha, nos dá um presto

desejo: demos duas, apressados,

e eis se abre a porta! E agora?! (Ai, Deus! Pelados!...)

Mas ela diz: “Café foi só um pretexto:

 

olhando para os dois, pude entender

que estavam com vontade de foder.”

LA 08/007       S/329

 

 

Se Laura Tem Um Jeito...

 

Se Laura tem um jeito de tulipas

derramando licor na madrugada,

se é tão gostosa de arrepiar as tripas,

não se empolgue: também é uma safada.

 

Se bem que uma safada especial,

dessas que ( em se podendo ) vale o luxo,

dessas que coça os comichões do bucho —

enfim, que numa cama não faz mal.

 

Se Laura até os ossos emociona,

também os dos amigos faz tinir.

Se bem que quem a visse peladona,

nem faria questão de repartir.

 

O material que lota todo um trem

levá-lo num comboio é o que convém.

LA 08/007       S/330

 

 

Quantas Perturbações...

 

Quantas perturbações em eu menino

olhando minhas primas se trocar.

Eram tão enxutinhas: tudo a pino,

esboço de urzes e capim ciliar.

 

Variava do moreno ao nacarino

sua pele alisando o meu olhar.

Demoravam mil anos a posar

ante um enorme espelho cristalino.

 

Se lhes tocava, tapas já levava,

seguidos de um murmúrio: “Sem-vergonha!”,

mas essa mesma boca me beijava.

 

Cresci mais, e puseram-me pra andar —

perdi a paisagem de quem sonha...

Nunca mais vi as primas se trocar.

LA 08/007       S/331

 

 

Demolição...

 

Demolição-reconstrução: agosto,

esse lento morrer pra renascer.

Essa morosa via em rumo oposto

a quem segue: um sonhar para esquecer.

 

Expiração-inspiração: agosto,

calmo sonhar da vida a destecer

o anseio que trançou com dom disposto

lá na sazão do seu reverdecer.

 

Há uma luta interior: a natureza

prepara no poscênio as novas cenas

matizadas da luz em realeza.

 

É o grito do verde variegado,

o voar de novas asas, outras penas,

a paisagem com o rosto renovado.

LA 08/007       S/332

 

 

Sim, Perdeu A Mulher...

 

Sim, perdeu a mulher e seu vizinho.

Se soubesse, não ia surpreendê-los

numa hora afogada e de atropelos,

no fundo do quintal, em um quartinho.

 

Não valeria a pena perder dois

amigos de uma vez: vizinho e amada.

Até porque a esposa é bem prendada

e o vizinho é figura de mil bois.

 

De nada lhe adiantara o gesto vândalo:

surpreender o casal pra envergonhá-lo.

Melhor fora abafar o tal escândalo —

jamais filmar o tombo, só o cavalo.

 

Roupa suja é em casa que se lava.

Ninguém vendo, nem água se gastava.

LA 08/007       S/333

 

 

Tinha-A Como Um Realce...

 

Tinha-a como um realce, um expletivo —

acompanhá-lo a festas, acudir

nas conversas estúpidas, sorrir,

amenizar-lhe o tom algo agressivo,

 

dando outro fulcro à fala, outro motivo

aos tediosos assuntos, compelir

ao tema: boi, criar-vender-fornir...

e mais: tornar um “não” afirmativo.

 

Finda a festa, calado, e ela calada,

se iam. Antes de entrar, se despediam —

ele: a primeira escada, ela: a segunda.

 

O mordomo a esperava ao pé da escada:

passo a passo, colados, se torciam...

enquanto ele lhe apalpava a bunda.

LA 08/007       S/334

 

 

Amor? Amor É muita...

 

Amor? Amor é muita coisa, nega.

Um pouco, um pouco de ternura basta.

Uma boa pegada, e já sossega

o fogo delicioso que devasta.

 

Amor? Amor é muito, um xodó chega.

Sim, é bastante uma ex-idéia casta —

tipo que escorregou e que escorrega

porque a pista é bem lisa e muito vasta.

 

Ah! O amor, nega, é um cachorrão que morde

o dono, o estranho, o desvalido, o lorde

e dorme-lhes na cama e vive em casa.

 

Por isso lhe arrastamos tanta asa.

Adoramos do amor seus pés humanos

que nos levam por lógicos enganos.

LA 08/007       S/335

 

 

O Que É Muito Difícil...

 

O que é muito difícil de fazer

é saber que o fazer nunca foi feito

pelo saber, mas sim pelo sujeito

que não quer aprender com o não-saber.

 

O que faz com a mão do seu saber

não sabe se é canhoto ou destro, e o feito

acaba por lhe parecer desfeito —

por não-saber, não lhe passou o fazer.

 

Sábio é o que faz pelo sabor de ser:

o saber que se tem por imperfeito —

saber que não se pode compreender.

 

Saber com toda a glória de refeito

pelo ganho de muito se perder —

pois só o não-saber se faz perfeito.

LA 08/007       S/336

 

 

Quando A Velha Razão...

 

Quando a velha razão perde o alento,

pede em geral socorro à intuição —

que não é racional, mas pensamento

do avesso a procurar mais amplidão.

 

Quando a velha razão sai do nevoento,

poderá se queimar nesse carvão

que lhe vai assoprar o sentimento

que é compadre, talvez, do coração.

 

Quando a razão se torna irracional,

não realizará a travessia —

certo, sem fôlego, cairá no mar.

 

Quando a razão está marsupial

e leva em si a intuição, que é guia,

aí, sim: faz nascer no seu semear.

LA 08/007       S/337

 

 

Quando O Amor, Minha Nega...

 

Quando o amor, minha nega, disser tchau,

deixe que vá com Deus ou com o diabo.

E aprenda a comer brócolis e nabo

( mais méis e sais ) com novo catatau.

 

Não aja, nega, como Menelau,

que vendo na travessa outro quiabo,

achou que o mundo lhe estivesse ao cabo —

e a guerra faz por não tomar mingau.

 

De sorte que tem sido isto o mundo:

um pênis com uma xota como fundo —

e o mais girando em torno desses dois.

 

Por isso, nega, veja como sonha.

Aprenda já, pra não chorar depois —

amor dos bons é amor bem sem-vergonha.

LA 08/007       S/338

 

 

Sonhei Contigo Coisas...

 

Sonhei contigo coisas tão obscenas,

tão lindas e tão cheias de amavios:

eram dois finos, trêmulos pavios

dando olhos à penumbra de verbenas...

 

Agora, uma taberna, das pequenas:

dançavas nua a olhos luzidios...

pelo século treze... um gato aos mios,

eis pula-te entre as pernas bem morenas...

 

Depois, nega, imagina! Era Paris —

e me brilhavas num cancã medonho

de sensual... virei um chafariz.

 

Por fim, um pouco antes de acordar,

vê só no que nos transformou tal sonho:

eu era um cabo, nega, e tu o mar.

LA 08/07       S/339

 

 

Não Acredito Em Anjos...

 

Não acredito em anjos, minha nega.

Só em você, que me arrebata ao céu

num zás!, nesse seu jeito monroe, pega

a gente pelos baixos, e chibléu!

 

Chibléu! Me engole feito uma jibóia,

devagarinho e me quebrando inteiro.

Seus olhos brilham, brilham como jóia,

você farfalha, palmas de um coqueiro.

 

Entre repuxos, pérgulas e flores,

colinas, vales, mata ciliar,

passeio por você, morro de amores,

e logo ressuscito em seu olhar.

 

Delícia passear no seu jardim,

naquele em que me despenhei de mim.

LA 08/007       S/340

 

 

Não Havia Ninguém...

 

Não havia ninguém com maior garbo

do que a pop, a clássica Marina,

a um tempo tão madura e tão menina,

mas que era uma navalha sem o cabo.

 

Sim: lâmina incisiva, esguia, fina,

famosa e mestra em preparar o nabo

e servi-lo pra elite, a flor divina —

a que dá origem e também dá cabo.

 

Marina usava de seus dons corpóreos

para explorar os homens. Às mulheres,

com ocultismos e outros dons finórios.

 

Seu gozo era explorar por explorar:

banquetear-se e levar os bons talheres...

Lema: roubar o rico é como orar.

LA 08/007       S/341

 

 

Melhor Do Que Uma Transa...

 

Melhor do que uma transa é nenhuma,

quando se pensa em outrem pra acabar.

Somente os genitais e alguma bruma

é pouco pro foder se regalar.

 

Sim, a beleza é coisa que deslumbra,

mas o foder é coisa de encaixar:

n’alma, na carne, no tesão se arruma

o clima do Jardim a fervilhar.

 

O amor tem que adentrar-se, como o dia

na noite até virar de madrugada —

bem molhada de orvalho e regalia.

 

Num só enlevo, o amado com a amada

entram em transe, em prístina euforia,

e gozam sua história renovada.

LA 08/007       S/342

 

 

Bem Melhor Do Que As Rendas...

 

Bem melhor do que as rendas e a calcinha

são os gemidos que elas cobrem, nega.

Se quiseres, te dou esta pelega

e me dás o que está na idéia minha.

 

Mas se for pouco, nega, faz fiado

o que faltar, que pago com gorjeta —

assim que meu salário for dobrado...

Anota bem na tua caderneta.

 

E se não confiar ( sei que és finória,

isto é, sabes lidar com a freguesia... ),

te dou um cheque-pré ou promissória

e ainda te juro em cruz por garantia.

 

Mas não me deixes só, não deixes não,

segurando este diabo de rojão!

LA 08/007       343

 

 

A Esperança Parece-Nos...

 

A esperança parece-nos um grito

de alívio, porém, sempre nascituro.

Se voando longe, é belo um periquito,

já em nossa mão, pode fazer um furo.

 

Nada de perto, nega, é tão bonito.

Por isso o amor é bem melhor no escuro,

também por isso amamos o infinito

e pomos nossos sonhos no futuro.

 

Assim fomos criados: pra amanhã.

Amanhã, sim, seremos bem felizes —

eterno e esplêndido amanhã-esperança.

 

Odiamos o hoje e suas cicatrizes,

querendo que ele passe urgente e ao léu.

Vende-se até um ser feliz no céu.

LA 08/007       S/344

 

 

Adiante! Que Lá Atrás...

 

Adiante! Que lá atrás vem o tarado

e quer pegar-te ao jeito de pateta.

Bom é viver a preço de mercado,

mas não pares, nem vás em linha reta.

 

Deixa pra rir, um rir bem disfarçado,

lá longe, a uma distância bem discreta.

Mas agora não pares, que o tarado

vem pegando os lá do alto e os da sarjeta.

 

Podes cantar, mas faze-o bem baixinho,

senão teus companheiros de caminho